Uma família criada pelo aborto? Livro de perversão infantil

0

‘Nossa família foi criada pelo aborto’ é uma afirmação desconcertante quando, na verdade, o oposto é verdadeiro: o aborto mata um membro de uma família, comenta com acerto LifeSiteNews.

Perversão que atinge crianças


(LifeSiteNews) — No verão passado, revisei um livro lançado por duas doulas de aborto “queer” neste espaço chamado What’s an Abortion, Anyway? A ilustradora – Mar – usa os pronomes “eles/eles” e se identifica como “uma morena de gênero queer”, e a autora, Carly Manes, ajudou mais de 2.000 mulheres a fazer abortos.

O livro, que está repleto de propaganda pró-aborto e erros factuais (eles se recusam a se referir ao bebê de qualquer maneira, forma ou forma) pretende introduzir o assunto do aborto para as crianças enquanto lança algumas mensagens LGBT.

Uma foto deste livro infantil sobre matar crianças agora se tornou viral depois que uma ativista do aborto chamada Renee Bracey Sherman postou uma foto de si mesma segurando o livro com duas crianças dormindo pacificamente na cama ao fundo. Sherman, que editou e foi coautora de livros sobre aborto e se refere a si mesma como “A Beyoncé da Narrativa do Aborto”, explicou que estava animada para ler o livro para as crianças.

Canção de ninar faz apologia do aborto

“Espere até ela descobrir que esta foi a história de ninar da nossa família em nossas férias esta semana, pois minha sobrinha adora este livro e o lê para sua irmãzinha todas as noites”, escreveu Sherman. “Nossa família foi criada pelo aborto, adoção e decisões dos pais. Eu amo nossa família.”

A foto incluía uma legenda com uma suposta citação de sua sobrinha: “Posso ler sua história de ninar? Porque eu sei o que é aborto, mas ela não sabe e provavelmente deveria.”

A declaração de Sherman foi em resposta a um tweet da secretária de imprensa do governador da Flórida Ron DeSantis, Christina Pushaw, à reação de seu endosso anterior ao livro. Sherman havia notado que ela “adora conversar com crianças sobre coisas de reprodução, incluindo aborto”, e Pushaw expressou choque por alguém “adoraria conversar com crianças sobre aborto”. Sherman dobrou com sua história brutal sobre histórias de ninar sobre aborto, e a Internet respondeu com horror.

“‘Nós pegamos sua irmãzinha e a matamos. Você tem sorte de não termos matado você. Agora comemore e afirme a morte de seu irmão comigo’”, tuitou Lila Rose, do Live Action. “Sem palavras para descrever o quão violento, cruel e abusivo isso é.”

***

Apologia do aborto, apologia da morte, induzir crianças com narrações perniciosas nos fazem lembrar as palavras de Nosso Senhor: melhor fora que lhe atassem uma pedra de mó ao pescoço e jogassem no fundo do mar.

Como pode ser que pessoas se dediquem a doutrinar crianças “sobre coisas de reprodução, incluindo aborto?

Até ativistas pró aborto estão escandalizados

Continua a notícia: “Dezenas de outras pessoas apontaram que uma família não pode ser “criada” pelo aborto, porque o aborto mata uma criança. Uma família só pode ser prejudicada por esses atos de violência contra seus membros mais fracos e vulneráveis, não “criados”. Relatos pró-escolha também expressaram seu desgosto, observando que as histórias de aborto para crianças são simplesmente uma ponte longe demais, mesmo para aqueles que apoiam a permissão do feticídio.

***

A nova fase da perversão: a cultura do mal

O tweet de Sherman e o livro de histórias do aborto, no entanto, são simplesmente parte de uma tendência crescente em que o aborto é adotado como um bem objetivo e não como um mal necessário. Recentemente, outra mulher twittou uma foto de um bolo com “It’s a Boy” escrito em glacê – com o “y” riscado para que se lesse: “É abortado”. A legenda: “Aborto é saúde. E também traumático, então, se você tiver um, reúna todos os seus amigos mais próximos para comemorar. Esteja em torno de amor e felicidade sem fim por sua decisão. Obrigado por todos que vieram ontem à noite.”

Conclui a notícia: “A mente distorcida de um defensor do aborto pode se alegrar com as coisas mais sombrias – e depois que a criança está morta e o bolo se foi, agora há livros de histórias lindamente ilustrados para ler para os sobreviventes.”

***

Essa perversão de contar histórias de sexualidade e aborto para crianças, comemorar a morte de um bebê, dar festa … já ultrapassa a simples barreira da maldade humana. Já não se trata do argumento sentimental de pobreza, a falta de recursos para criar o bebê; nem do pretexto do estupro para tirar uma vida. O novo passo do sadismo é comemorar …

Tudo isso nos faz lembrar as profeciais de Fátima que afirma: várias nações serão aniquiladas. Aniquiladas moralmente e depois castigadas fisicamente? Estaremos a um passo dos cultos satânicos?

Nossa Senhora Aparecida proteja o Brasil, dê força moral a nosso povo para resistir às investidas do aborto.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/blogs/childrens-storybook-glorifying-the-killing-of-unborn-babies-bothers-even-those-who-support-abortion/

Deixe uma resposta