Pergunta — Agradeço o seu recente esclarecimento sobre a legitimidade teológica das consagrações a Nossa Senhora. Como ficou claro, vários Papas, e mesmo Nossa Senhora em Fátima, utilizaram o termo “consagração” para se referir à entrega do mundo ao Imaculado Coração de Maria. Mas ainda me ficou uma dúvida: nessas consagrações já feitas, alguma já cumpriu com os requisitos da consagração da Rússia, pedida por Nossa Senhora à Irmã Lúcia?

Resposta  De fato, o prezado consulente observou no texto anterior uma lacuna, que me teria sido impossível preencher ao finalizar aqueles comentários, por escassez de espaço. Pois há diversidade de opiniões sobre o assunto, e para responder à consulta temos de remontar amplamente aos fatos iniciais, como veremos a seguir.

Na aparição de 13 de julho de 1917, Nossa Senhora disse aos pastorinhos que Deus iria “punir o mundo de seus crimes por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. […] Para o impedir, virei pedir a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração e a comunhão reparadora dos primeiros sábados. Se atenderem a meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz; se não, espalhará os seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições; os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas; por fim, o meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-Me-á a Rússia, que se converterá, e será concedido ao mundo algum tempo de paz”.

Doze anos mais tarde, no dia 13 de junho de 1929, enquanto residia em Tuí, na Espanha, a Irmã Lúcia teve uma visão na qual Nossa Senhora lhe disse: “É chegado o momento em que Deus pede para o Santo Padre fazer, em união com todos os Bispos do mundo, a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração, prometendo salvá-la por este meio”.

Ainda em 1929, a vidente fez chegar esse pedido ao conhecimento do Papa Pio XI, e no ano seguinte escreveu ao seu confessor, o Pe. José Bernardo Gonçalves S.J., relatando que Nosso Senhor a instara a solicitar ao Santo Padre a aprovação da devoção reparadora dos primeiros sábados. E acrescentou: “Se me não engano, o bom Deus promete terminar a perseguição na Rússia se o Santo Padre se dignar fazer, e mandar que o façam igualmente os Bispos do mundo católico, um solene e público ato de reparação e consagração da Rússia aos Santíssimos Corações de Jesus e Maria”.

Numa comunicação íntima posterior, Nosso Senhor Se queixou à vidente: “Não quiseram atender ao meu pedido. Como o Rei da França, arrepender-se-ão; e fá-la-ão, mas será tarde. A Rússia terá já espalhado os seus erros pelo mundo”. Numa carta ao seu confessor, de 18 de maio de 1936, a Irmã Lúcia declara: “Intimamente, tenho falado a Nosso Senhor do assunto; e há pouco perguntava-Lhe por que não convertia a Rússia sem que Sua Santidade fizesse essa consagração. Foi esta a resposta que a Irmã Lúcia recebeu de Jesus: “Porque quero que toda a minha Igreja reconheça essa consagração como um triunfo do Coração Imaculado de Maria, para depois estender o seu culto e pôr, ao lado da devoção do meu Divino Coração, a devoção deste Imaculado Coração”.

Consagrações realizadas incompletamente

Depois de iniciada a Segunda Guerra Mundial, a Irmã Lúcia se dirigiu diretamente ao novo Papa, Pio XII: “Em várias comunicações íntimas, Nosso Senhor não tem deixado de insistir neste pedido, prometendo ultimamente — se Vossa Santidade se dignar fazer a consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria, com menção especial pela Rússia, e ordenar que, em união com Vossa Santidade e ao mesmo tempo, a façam também todos os Bispos do mundo — abreviar os dias de tribulação com que tem determinado punir as nações de seus crimes, por meio da guerra, da fome e de várias perseguições à Santa Igreja e a Vossa Santidade”.

Em 1942, por ocasião do encerramento do ano jubilar das aparições de Fátima, o Papa Pio XII consagrou a Igreja e o gênero humano ao Imaculado Coração de Maria, ato que ele renovou em 8 de dezembro. Mas o texto fazia apenas uma alusão velada à Rússia, sem mencioná-la explicitamente. Em carta de 4 de maio de 1943 ao Pe. Gonçalves, a Irmã Lúcia afirmou ter tido outra revelação de Nosso Senhor, prometendo “o fim da guerra para breve, em atenção ao ato que Sua Santidade se dignou fazer. Mas, como ele foi incompleto, fica a conversão da Rússia para mais adiante”.

Em julho de 1952, Pio XII consagrou os povos da Rússia ao Puríssimo Coração de Maria, sem associar os bispos do mundo. Em novembro de 1964, Paulo VI “confiou o gênero humano” ao Imaculado Coração de Maria. João Paulo II fez duas consagrações: uma em Fátima, no dia 13 de maio de 1982; e outra em Roma, em 25 de março de 1984, ambas precedidas de um convite aos Bispos para se unirem a ele nesses atos.

Alguns episcopados se uniram ao ato; mas no Brasil, que tem o terceiro maior episcopado do mundo, apenas poucos bispos o fizeram. Além do mais, a Rússia não era mencionada no texto da consagração, apenas alguns circunlóquios lhe faziam uma alusão indireta, o que foi ainda mais evidenciado quando o Papa polonês, saindo do texto, improvisou a seguinte invocação: “Mãe da Igreja! […] Iluminai especialmente os povos dos quais esperais a nossa consagração e a nossa entrega”.[1]

Em 2015, o então exorcista-chefe de Roma, Pe. Gabriele Amorth (recentemente falecido), declarou o seguinte a propósito dessa consagração: “Eu estava lá em 25 de março [de 1984] na Praça de São Pedro; estava na primeira fila, praticamente a uma curta distância do Santo Padre. João Paulo II queria consagrar a Rússia, mas sua comitiva não [queria], temendo que os ortodoxos fossem antagonizados, e quase o frustraram. Porém, quando Sua Santidade consagrou o mundo de joelhos, ele acrescentou uma frase não incluída na versão distribuída, que em vez disso dizia consagrar ‘especialmente aquelas nações das quais Vós solicitastes sua consagração’. Então, indiretamente, isso incluía a Rússia. No entanto, uma consagração específica ainda não foi feita”.[2]

Essa versão foi confirmada de modo ainda mais claro no centenário da primeira aparição na Cova da Iria. Nesse dia foi celebrada uma missa solene na Catedral de Nossa Senhora de Fátima, em Karaganda (Cazaquistão), como conclusão de um Congresso Mariano internacional. Na homilia, o cardeal alemão Paul Josef Cordes, que viveu muitos anos no Vaticano, como presidente do Pontifício Conselho Cor Unum, referiu-se ao ato realizado por João Paulo II em 1984:

“Ele se absteve de mencionar explicitamente a Rússia, porque os diplomatas do Vaticano lhe haviam pedido com insistência que não mencionasse esse país, já que, do contrário, poderiam surgir conflitos políticos […]. Logo depois ele me convidou para almoçar. Em nosso pequeno círculo, ele falou do desejo que sentia em seu interior, de mencionar a Rússia durante essa consagração, antes que ceder a seus conselheiros. Então ele nos disse, com um rosto radiante, que aquilo ao que ele havia renunciado fazer por si mesmo havia, porém, sido realizado. Através de amigos, tinha sabido algo importante e consolador para ele: que alguns bispos ortodoxos russos haviam aproveitado sua própria consagração do mundo à Mãe de Deus como uma ocasião para consagrar a Rússia de uma maneira muito especial a Maria”.[3]

Podemos objetar, no entanto, que o pedido insistente de Nossa Senhora não foi que os bispos cismáticos russos consagrassem seu país ao Imaculado Coração de Maria, e sim que tal consagração fosse feita pelo Papa em comunhão com todos os bispos católicos do mundo!

Interpretação que teria feito a Irmã Lúcia

Desde 1984 até a queda do Muro de Berlim, a Irmã Lúcia sustentou que nenhuma das consagrações feitas até então tinha sido “válida” (no sentido de terem atendido aos requisitos postos por Nossa Senhora). Numa entrevista concedida em 1985 à revista Sol de Fátima, eladeclarou peremptoriamente, a respeito das que foram realizadas por João Paulo II em Fátima (1982) e em Roma (1984): “Não houve a participação de todos os Bispos nem foi mencionada a Rússia”.

Contudo, o Cardeal Tarcísio Bertone transcreveu posteriormente, na sua apresentação a um opúsculo sobre a mensagem de Fátima, uma carta que a vidente teria escrito em 8 de novembro de 1989, na qual ela teria afirmado: “Sim [a consagração] está feita tal como Nossa Senhora a pediu, desde o dia 25 de março de 1984”. E num colóquio do purpurado com a Irmã Lúcia, ela teria declarado: “Já disse que a consagração desejada por Nossa Senhora foi feita em 1984, e foi aceita no Céu”. Segundo o mesmo purpurado, tal aceitação teria sido manifestada à Irmã Lúcia numa aparição de Nossa Senhora, mas tal aparição não figura nos pormenorizados relatos que o próprio Cardeal Bertone fez de seus colóquios com a vidente. Paira, portanto, séria dúvida quanto à realidade dessa manifestação celeste, e é legítimo conjecturar que, ao reavaliar o ato de João Paulo II em 1984, a Irmã Lúcia se tenha deixado influenciar pela atmosfera de otimismo que se difundiu no mundo após o colapso do império soviético.

Cabe destacar que a Irmã Lúcia não gozava do carisma da infalibilidade na interpretação da altíssima mensagem que recebeu. Por isso competia mais aos historiadores, teólogos e pastores da Igreja analisar a coerência dessas suas declarações, recolhidas pelo Cardeal Bertone, com suas declarações anteriores.[4] No entanto, podemos constatar uma coisa certíssima: os frutos da consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria, anunciados por Nossa Senhora, estão longe de se terem materializado — não há paz no mundo. Pelo contrário, as tensões internacionais — notadamente entre a China e os EUA — têm aumentado ao ponto de o Papa Francisco afirmar, em várias ocasiões, que estamos vivendo uma verdadeira “terceira guerra mundial, mas em fragmentos”.[5]

Os atuais dirigentes russos não renunciaram aos erros do comunismo, e sua elite política e intelectual olha para o passado soviético com nostalgia.

O comunismo continua espalhando seus erros pelo mundo

A Rússia está longe de se ter convertido. É um país que autoriza os ventres de aluguel; tem a maior taxa registrada de abortos do mundo (60% das gravidezes terminam em aborto, sendo 20% deles praticados por menores de 18 anos); uma das maiores taxas do mundo em divórcios por habitante (4,2/1000); a maior proporção de divórcios por casamentos (61%); a maior porcentagem mundial de alcoolismo (dois milhões de alcoólatras); alcoolismo que é responsável pela metade das mortes entre 15 e 54 anos, que é a expectativa média de vida para os homens.

Como se tudo isso não bastasse, seus atuais dirigentes não renunciaram aos erros do comunismo, e sua elite política e intelectual olha para o passado soviético com nostalgia. Vladimir Putin chegou a declarar que a extinção da União Soviética foi o maior desastre geopolítico do século XX.

Compreende-se, portanto, que em 2016, tendo já em vista o centenário das aparições de Fátima, Dom Athanasius Schneider, bispo-auxiliar de Astana (Cazaquistão), tenha declarado em uma entrevista ao site Rorate Cɶli“Temos de rezar para que o Papa em breve consagre explicitamente a Rússia ao Imaculado Coração de Maria, para que Ela triunfe”.[6]

No próprio ano do centenário (2017), em uma palestra sobre a mensagem de Fátima pronunciada por ocasião do Rome Life Forum, o Cardeal Raymond Leo Burke instou os participantes a se consagrarem ao Imaculado Coração de Maria e a “trabalhar pela consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria […]. Hoje, mais uma vez, ouvimos o chamado de Nossa Senhora de Fátima para consagrar a Rússia ao seu Imaculado Coração, de acordo com suas instruções explícitas”.[7]

Interrogado pelo jornal The Wanderer sobre se esse pedido correspondia a mais do que o ato do Papa simplesmente mencionar a Rússia de modo explícito, o cardeal americano respondeu, em termos inequívocos, acreditar que o Papa João Paulo II desejava atender ao pedido de Nossa Senhora, pois estava ciente da gravidade da situação e da necessidade de consagrar a Rússia ao Imaculado Coração de Maria. Mas na época se argumentava que, a fim de promover um relacionamento mais amigável com os países do bloco oriental, o nome da Rússia não deveria ser mencionado em particular:

“Acredito que era a intenção do Santo Padre consagrar realmente a Rússia. No entanto, também acredito que, dada a situação em que nos encontramos hoje, a consagração da Rússia deve ser feita explicitamente, exatamente como Nossa Senhora solicitou (o que não implica negar a intenção de João Paulo de incluir a Rússia, quando ele consagrou o mundo ao seu Imaculado Coração). […] Minha intenção não é levantar acusações contra ninguém, mas insistir na necessidade de realizar o que Nossa Senhora pediu, exatamente como Ela pediu, em resposta à atual situação, que é tão grave”.[8]

Consagração da Rússia, hoje mais necessária do que nunca

Na edição via Internet do recente Rome Life Forum, o Cardeal Burke [foto ao lado] fez uma palestra intitulada “Fátima: a resposta do Céu para um mundo em crise”. Ele aproveitou a ocasião para questionar o papel do Partido Comunista chinês na gênese da pandemia da covid-19, sua influência sobre a Organização Mundial da Saúde e sua dominação imperialista sobre outras nações:

“A consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria é hoje mais necessária do que nunca. Quando testemunhamos como o mal do materialismo ateu, cujas raízes estão na Rússia, dirige de maneira radical o governo da República Popular da China, reconhecemos que o grande mal do comunismo deve ser curado em suas raízes através da consagração da Rússia como Nossa Senhora ordenou. […] Reconhecendo a necessidade de uma conversão total do materialismo ateu e do comunismo a Cristo, permanece urgente o apelo de Nossa Senhora de Fátima para que a Rússia seja consagrada ao seu Imaculado Coração, de acordo com suas instruções explícitas”.[9]

Ecoando esse apelo à conversão, Dom Athanasius Schneider compôs e divulgou pelas mídias sociais, em junho passado, uma oração que recomendo a todos rezar frequentemente:

“Ó Imaculado Coração de Maria, Vós sois a santa Mãe de Deus e nossa terna Mãe. Considerai a angústia em que vivem a Igreja e toda a humanidade por causa da disseminação do materialismo e da perseguição à Igreja. Em Fátima, Vós alertastes contra esses erros ao falar sobre os erros da Rússia. Vós sois a Medianeira de todas as graças. Implorai ao vosso Divino Filho para que Ele conceda esta graça especial ao Papa: que ele consagre a Rússia ao vosso Imaculado Coração, a fim de que a Rússia se converta, um período de paz seja concedido ao mundo, e o vosso Imaculado Coração triunfe através de uma renovação autêntica da Igreja, pelo esplendor da pureza da fé católica, pela sacralidade do culto divino e pela santidade da vida cristã. Ó Rainha do Santo Rosário e nossa doce Mãe, voltai vossos olhos misericordiosos para nós e ouvi graciosamente esta nossa oração confiante. Assim seja”.[10]

Fonte: Revista Catolicismo, Nº 836, Agosto/2020


[1] Todos os fatos narrados até aqui, e as correspondentes citações, tirei do excelente livro Fátima: Mensagem de tragédia ou de esperança? – de Antônio Augusto Borelli Machado.

[2] https://www.lifesitenews.com/news/exclusive-interview-with-rome-chief-exorcist-fr.-gabriele-amorth

[3] https://onepeterfive.com/cardinal-cordes-pope-john-paul-ii-consecration-russia/

[4] A.A. Borelli Machado, op.cit. Ed. Instituto Santo Condestável, Coimbra, 2015, pp. 104-107.

[5] https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/ansa/2014/08/18/vivemos-a-3-guerra-mundial-diz-papa-francisco.htm

[6] https://rorate-caeli.blogspot.com/2016/02/exclusive-bishop-athanasius-schneider.html

[7] https://voiceofthefamily.com/full-text-cardinal-burkes-historic-call-for-consecration-of-russia/

[8] https://thewandererpress.com/blogger/interview-with-cardinal-burke-discriminating-mercy-defending-christ-and-his-church-with-true-love-4/

[9] https://www.lifesitenews.com/news/cardinal-burke-consecration-of-russia-to-our-lady-more-needed-now-than-ever

[10] https://www.lifesitenews.com/news/bp-schneider-composes-prayer-begging-mary-for-consecration-of-russia-so-there-will-be-peace

Deixe uma resposta