Plinio Vidigal Xavier da Silveira

Fac-símile da Revista Veja mostra o quanto a opinião pública forçou a aparente mudança dos candidatos.

Ante o fato de que os candidatos presidenciais eram todos de esquerda, o povo brasileiro se vingou e lhes impôs uma agenda conservadora. Se o eleito insistir em esquerdizar o País, sofrerá enorme desgaste.

As questões eleitorais dominaram o panorama nacional no último mês. Até aí nada de extraordinário, em vista do segundo turno da eleição em 31 de outubro. O que surpreendeu a muitos, isto sim, foi o fato de predominarem na campanha graves temas morais e religiosos, dos quais os candidatos não conseguiram se desvencilhar. Aborto, “casamento” homossexual, família, religião e o Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3) rechearam os debates, contrariamente ao desejo de ambos os postulantes ao cargo máximo da República.

Tem esse fenômeno grande importância e profundidade, e impõe-se uma análise do que ocorreu. O leitor verá, pelo que segue, que o aspecto mais profundo dos episódios deste pleito independe de o eleito ter sido A ou B.

Só candidatos de esquerda: a democracia em xeque

Tudo começou quando ficaram definidos os candidatos do primeiro turno. Nessa ocasião, em discurso na sede do Instituo de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), o Presidente Lula comemorou: “Pela primeira vez não vamos ter um candidato de direita na campanha. Não é fantástico isso?”. Segundo o presidente, antes os candidatos de esquerda e de centro-esquerda disputavam “contra os trogloditas da direita”.(1)
Essa declaração do presidente não só é estapafúrdia, mas se reveste da maior gravidade, pois põe em xeque a própria autenticidade da democracia brasileira.

De fato, se há uma parcela considerável da opinião pública que não é representada numa eleição presidencial, ela está sendo arbitrariamente discriminada pelos partidos políticos, e não se pode mais falar em democracia representativa. A gravidade da situação cresce enormemente se considerarmos que todas as pesquisas de opinião sobre o estado da opinião pública apresentam a população brasileira como predominantemente conservadora.(2)

Disso tudo se depreende que a grande derrotada nesta eleição é a opinião pública, e não este ou aquele candidato. Conforme ensina o eminente mestre Plinio Corrêa de Oliveira, “a autenticidade do regime democrático repousa por inteiro sobre o caráter genuíno da representação. É isto óbvio. Pois, se a democracia é o governo do povo, ela só será autêntica se os detentores do Poder Público forem escolhidos e atuarem segundo os métodos, e tendo em vista as metas desejadas pelo povo. Se tal não se dá, o regime democrático não passa de uma vã aparência, quiçá de uma fraude”.(3)

Farta de demagogia e de sorrisos artificiais, a população quis saber o que os candidatos pensavam sobre aborto, homossexualismo, família, etc.

A opinião pública se vinga
Nessa situação anômala e absurda, os anseios da opinião pública foram totalmente preteridos em favor de candidatos que representavam, não a população brasileira, mas ideologias de esquerda ou extrema-esquerda. Diante disso uma virada surpreendente se operou, uma verdadeira vingança do povo brasileiro.
Surgindo das entranhas da brasilidade politicamente pisoteada, como um rugido sai de uma terra abalada por um forte tremor, a opinião brasileira impôs aos candidatos e aos partidos a sua agenda.

Afirmaram-se a religiosidade e o bom senso nacional, o sentido histórico de um povo que tem em suas tradições seu melhor tesouro. Daí veio sobre os candidatos a salutar pressão dos que rejeitam o aborto, o “casamento” homossexual, a adoção de crianças por “casais” formados de modo antinatural; e no centro de tudo o nefando Programa Nacional de Direitos Humanos do governo Lula, com sua investida contra a família, contra a moral, contra a propriedade, contra as legítimas liberdades.

Não faltaram os que viram nessa situação o aspecto TFP existente na alma dos brasileiros.
Os institutos de pesquisa ficaram desacreditados, pois trabalhavam sobre uma realidade falseada. Tornaram-se objeto de todo tipo de suspeitas. E os candidatos, forçados pela realidade e pelo interesse eleitoral imediato, tiveram de se adaptar, ainda que de modo totalmente artificial.

Exemplos extraídos a esmo

O noticiário é caudaloso a esse respeito. Vejamos apenas algumas manifestações.

● Ambos os candidatos participaram de cerimônias na basílica de Aparecida, mostrando-se artificialmente “devotos”.
● Atendendo aos anseios de seus fiéis, bispos e sacerdotes católicos expuseram claramente que não se pode votar em candidatos abortistas, ou que sejam favoráveis às aberrações homossexuais, ou que defendam o PNDH-3, ou que vilipendiem o direito de propriedade. Postura análoga foi patrocinada por pastores protestantes.
● Ficou rachada de alto a baixo a unanimidade, ao menos de fachada, com que a CNBB costumava apresentar-se na defesa de teses “progressistas”, desde os infaustos tempos de D. Helder Câmara.
● A mídia ficou pasma ante o que estava ocorrendo: “Nem o mais visionário político do País imaginaria no início da campanha que o tema central da disputa presidencial envolveria religião. O impressionante movimento dos eleitores cristãos, rejeitando qualquer candidatura que imaginem ser defensora do aborto, ainda precisará ser estudado e explorado por especialistas para ser compreendido. Mas a verdade é uma só: o segundo turno entre Dilma Rousseff e José Serra já está absolutamente dominado por essa discussão”.(4)
● A sucessão foi seqüestrada pelo ativismo dos grupos mais conservadores de diferentes denominações cristãs”.(5)
● Desmorona a credibilidade dos institutos de pesquisa: “A popularidade de Lula foi superestimada pelos institutos de pesquisa. Se é exeqüível supor que o presidente é popular, é inimaginável que somente 4% da população achem ruim ou sofrível o governo. Ledo engano”.(6)
● “O apoio à proibição do aborto é o mais alto no Brasil desde 1993, quando o Datafolha começou a série histórica de perguntas sobre o tema”.(7)
● “Petistas criticam reacionarismo nas eleições: Tarso Genro comparou os ataques com viés religioso a Dilma Rousseff ao período pré-golpe de 1964”.(8) – “Biografia de Dilma na TV agora cita ‘sólida formação religiosa’”.(9) – “Dilma promete a igrejas vetar teses históricas do PT”.(10)
● A respeito do debate religioso nas eleições, Serra esclareceu: “Essa é uma questão que foi introduzida pelas pessoas, não pelos partidos nem pelos candidatos”.(11)
● “A estridência com que o debate moral e religioso emergiu para o topo da agenda nessa eleição presidencial criou a sensação de aumento da influência das igrejas sobre o voto, e de que os candidatos — em especial Dilma — foram pegos de surpresa”.(12)
● Devido a essa situação inesperada, “nos últimos dias, Dilma deu a impressão de que esteve próxima de desmoronar. Do lado oposto, Serra […] sem discurso sólido, o tucano mais parece um camaleão, ou um artista de circo”.(13)
● “Em entrevista à imprensa, a petista citou […] folhetos assinados pela Tradição, Família e Propriedade (TFP) em evento do PSDB como fontes da ‘onda de boatos’”.(14)
● “A pauta ideal de campanha não é a que partidos e candidatos estabelecem, mas a que o eleitor escolhe. Nesta eleição prevalece, até aqui, acima de todos os temas, a chamada agenda religiosa. […] Nenhum dos candidatos anteviu o afunilamento dos debates convergindo para um tema como o do aborto.(15)

Desejará o novo governo enfrentar a opinião pública?

De tudo isso se infere, por um lado, que a opinião pública brasileira saiu derrotada, pois não eram essas as eleições que ela queria, nem eram esses os seus candidatos, os quais lhe foram empurrados goela abaixo. Mas de outro lado ela saiu vitoriosa, impondo sua agenda aos candidatos, aos partidos, à mídia e à CNBB, que se viram obrigados a dançar segundo uma música que ela escolheu.

Agradeçamos à Padroeira do Brasil o muito que tem feito por nossa Pátria. E peçamos força para o que está para vir.

Algum espírito superficial dirá que de nada vale isso, pois uma vez empossado, o novo presidente tentará esquerdizar ainda mais o País. É provável, mas na medida em que quiser impingir ao Brasil a agenda única da esquerda, incluída aí a sua visão dos temas morais, levantará contra seu governo reações e oposições talvez até maiores que as do período eleitoral. Quererá ele enfrentar uma opinião pública esclarecida e reativa? Em que medida? Com que desgaste para a esquerda? Eis a questão.

No fundo, o grande descaminho dos que manejam o processo eleitoral consistiu em ignorar a verdadeira índole do povo brasileiro. A esse propósito, convidamos o leitor a se deter no texto de Plinio Corrêa de Oliveira clicando aqui. O trecho é um verdadeiro portento de lucidez e análise a respeito da sociedade brasileira.

E agradeçamos a Nossa Senhora Aparecida, Rainha do Brasil, pelo muito que Ela tem feito por nossa Pátria. É confiando n’Ela que vamos para a frente.

Publicado na revista Catolicismo, de Novembro de 2010. E-mail para o autor: catolicismo@terra.com.br

_______________________________________________________________________________________________________________________
Notas:
1. O Estado de S. Paulo, 16-9-09.
2. Exemplos: a) 1999: pesquisa Juventude e Cidadania feita pelo Instituto Perseu Abramo, do PT, revela conservadorismo da juventude; b) 1999: ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) “revela um Brasil insuspeitado, conservador e moralista”, revela “valores e atitudes extremamente conservadores em nossa classe média” (http://sumario-periodicos.espm.br/index.php/estudosespm/article/view/1367); c) 2006: pesquisa Perfil da Juventude Brasileira, feita pelo Instituto Cidadania, em parceria com o SEBRAE e o Instituto da Hospitalidade. Trata-se da maior e mais completa pesquisa já feita sobre a juventude brasileira: “O jovem reflete o meio social em que vive. Se os dados refletem que há conservadorismo, via de regra esse conservadorismo provém da sociedade”, afirma Gustavo Venturi, cientista político e coordenador da pesquisa (http://www2.fpa.org.br/pesquisa-revela-jovens-se-preocupam-com-violencia-e-emprego); d) 2008: Site Labjor (Laboratório de Estudos Avançados em jornalismo), da UNICAMP. Pesquisas de opinião apontam dimensões do conservadorismo no Brasil (http://www.labjor.unicamp.br/midiaciencia/article.php3?id_article=532).
3. Projeto de Constituição Angustia o País, Editora Vera Cruz, São Paulo, 1988.
4. Marcelo de Moraes, in “O Estado de S. Paulo”, 9-10-10.
5. “O Estado de S. Paulo”, 11-10-10.
6. Marco Antonio Villa, in “O Globo”, 12-10-10.
7. “Folha de S. Paulo”, 11-10-10.
8. Idem, 14-10-10.
9. Idem, 13-10-10.
10. “O Estado de S. Paulo”, 14-10-10.
11. Idem, 13-10-10.
12. Idem, Lourival Sant’Anna, 10-10-10.
13. Fernando de Barros e Silva, “Folha de S. Paulo”, 11-10-10.
14. Portal da UOL, 11-10-10.
15. Ruy Fabiano no Blog do Noblat, 16-10-10.

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 

4 COMENTÁRIOS

  1. Correção nas palavras acima, acrescentando-se a observação entre parênteses:

    ….Foram guerrilheiros, agitadores, grevistas, baderneiros, queriam implantar no Brasil, se tivessem conseguido derrubá-lo pelas armas ( o regime militar), uma sociedade COMUNISTA, onde só…

     
  2. Lúcidas, realistas e claras as palavras do Dr. Plinio Vidigal; só candidatos de esquerda, um mais outro menos radical. Por que isso? Onde estão as direitas? Muito simples: nós, da denominada direita, estamos trabalhando. São de direita, portanto os verdadeiros produtores de riquezas (bens e seviços), os comerciantes e os comerciários, os industriais e os industriários, os profissionais liberais, os pequenos, médios e grandes produtores, os autônomos, os financistas e os operários que pretendem, mais dia menos dia, ter seu próprio negócio, crescer, produzir, distribuir riquezas e engrandecer o Brasil, beneficiando a todos. São de direita, portanto, todos os amantes da lei e da ordem, do progresso natural e obtido sob esforço, competência e dedicação, diuturnamente. Não querem destruir propriedades de ninguém nem tomar o que é do outros, pois sabem que se tiverem força de vontade, empenho e dedicação, irão até aonde quiserem. Não têm tempo de se dedicar à política, pois estão produzindo. Já a ultra direita, extrema-direita ou direita reacionária (como quiserem) somos nós, também do grupo acima, porém conscientes do poder de envenenamento e destruição da individualidade, da lei e da ordem natural das relações humanas, sociais, econômicas ou jurídicas, perpetrado pelo comunismo, esquerdismo, socialismo ou congêneres (termos à escolha). Filósofos? Temos alguns. Líderes? Alguns, muito poucos. E as esquerdas, onde estão? Muito simples: ninguém, absolutamente ninguém, responsável pelo engrandecimento da sociedade através do trabalho, citado na relação acima, abandonou tudo para ser esquerdista. Já observou isso? Ou foi, é e será sindicalista ou funcionário público doutrinado e fanatizado, ou estudante-que-não-se-formou ou mau aluno, ou professor embevecido com o fascínio exercido na juventude pelas teorias exumadas após 150 anos e que nunca funcionaram na prática, ou políticos profissionais desde tenra idade. É inútil querer convecê-los da realidade em Cuba, na Coréia do Norte, na Venezuela etc… Sabe por quê? Porque isso (a realidade), se reconhecida, demoliria o projeto de vida deles, que é “mudar o mundo de acordo com o que eles pensam”. Gastaram a vida toda nisso. Foram guerrilheiros, agitadores, grevistas, baderneiros, queriam implantar no Brasil, se tivessem conseguido derrubá-la pelas armas, uma sociedade COMUNISTA, onde só há duas classes – os senhores dirigentes e a sociedade escrava – com o cortejo de horrores que acompanha essa seita louca, que substitui Deus, à força, pelo culto às personalidades (como na URSS, onde se via desfiles com imagens de vinte, trinta metros de altura, dos salvadores da pátria deles, segundo achavam). ESSA é a diferença: a direita trabalha e produz. A esquerda destrói e escraviza. Você conhece alguém que tentou entrar escondido em um país comunista? Nos Estados Unidos, sim, se vê isso todo dia nos jornais e na televisão: nadando, rastejando pelo deserto, de barco fugindo de Cuba, etc… Sabe porquê? Po que lá estão a liberdade, a prosperidade, a chance de subir na vida, os bens e serviços que qualquer pessoa normal quer, em resumo, o capitalismo, a economia de mercado livre, o individualismo. Mas pergunte isso a algum comunista. Pergunte isso e depois responda-me, estarei aguardando.

     
  3. ExtraÍ esse período para expressar a minha opinião: ” Agradeçamos à Padroeira do Brasil o muito que tem feito por nossa Pátria. E peçamos força para o que está para vir.
    Algum espírito superficial dirá que de nada vale isso, pois uma vez empossado, o novo presidente tentará esquerdizar ainda mais o País. É provável, mas na medida em que quiser impingir ao Brasil a agenda única da esquerda, incluída aí a sua visão dos temas morais, levantará contra seu governo reações e oposições talvez até maiores que as do período eleitoral. Quererá ele enfrentar uma opinião pública esclarecida e reativa? Em que medida? Com que desgaste para a esquerda? Eis a questão.”

    Pois bem, em “não sendo possivel avançar mais o melhor é não retroceder”. Pelo que se pode observar devemos manter as estrategias e os referenciais contra “o que está por vir”. Manter acesa a chama da democracia e da soberania nacional, pelos principios que sempre nortearam nossa civilização e cidadania. O espirito religioso deverá ser cada vez mais fortalecido seja pelas MISSÕES POPULARES, sejam pelos movimentos a Aparecida, Trindade, entre outros santuários de expressão nacional e bastante divulgados pela midia, a cada calendário liturgico nacional. Os movimentos populares de cunho religiosos assustam, e os demonios e maus espiritos das ideologias pagãs de politicas materialistas e
    de fundo capitalista/marxista serão encurralados por seculos, pelo menos aqui no solo Brasileiro. E convocar, já que estamos em pleno Concilio Ecumênico – por ser ECUMENICO – nos aproximar das demais igrejas Evangélicas a que se posicionem tambem contra “o está para vir”, segundo nossos atalaias e vigilantes possam nos alertar de que lá no Congresso e Senado encontrarem essas coisas nefastas a serem aprovadas.

    A esta questão: Quererá ele enfrentar uma opinião pública esclarecida e reativa? Em que medida? Com que desgaste para a esquerda? Eis a questão.”
    Não há uma resposta clara e objetiva, por se tratar de ação socio-religiosa a formar a opinião publica, pois mesmos desgastados a esquerda é perigosa – brasas sob cinzas. Ou como um vulcão que de repente pode entrar em erupção, quem sabe!
    E como Fenix, a ave que sobressai às cinzas temos a ideologia de Hitler, com a suástica e tanto material, recentemente apreendidos para ainda disseminar o racismo, como sabemos que existe ainda.

    E o veiculo a ser difundido é a politica.

    “OS HOMENS MAUS SE UNEM PARA A PRATICA DE SEUS CRIMES – ESSA É A SUA FORÇA;
    OS HOMENS DE BEM NÃO SE UNEM PARA A PRATICA DA JUSTIÇA – ESSA É A SUA FRAQUEZA”

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome