Ambientalismo, Teologia da Libertação vs. conservadores católicos

O IPCO no centro do debate entre eco-terroristas e conservadores católicos

0

O Site do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira atinge o marco de 10 mil Posts. O artigo abaixo vem confirmar a eficácia da ação do IPCO no cenário nacional, na luta entre conservadores católicos e progressistas.

IPCO no centro da luta contra o ecoterrorismo

“Este artigo (1) tem como objetivo investigar a mobilização da Igreja Católica no Brasil [leia-se progressistas e TL] em torno das questões ambientais e da contra-ofensiva organizada (também proveniente do meio católico) que esse engajamento vem se levantando no atual cenário nacional, marcado pela ascensão conservadora.

“Três eixos principais fundamentam esta análise:

“1) O meio oficial católico no Brasil;
2) Os atores católicos não oficiais simpáticos à agenda ambiental; e
3) Os contra-movimentos católicos que visam quebrar a “onda verde”.

“O primeiro é representado pelo ativismo de padres e bispos brasileiros que, com base principalmente nas diretrizes da Laudato Si, a encíclica do Papa Francisco, buscam estimular teologicamente o eco-ativismo.

“A segunda atua fora da esfera de influência institucional da Igreja Católica no Brasil e é aqui representada pelo ativismo de Leonardo Boff.

“Por fim, o terceiro tem como expoente no cenário nacional o famoso Instituto Plínio de Oliveira (IPCO), uma espécie de think tank do conservadorismo católico brasileiro.


(…)

“A Articulação entre o Cristianismo da Libertação e o Ambientalismo em Leonardo Boff e seus atuais Opositores religiosos no Brasil

“Leonardo Boff foi um dos fundadores da teologia da libertação. Seu papel de liderança nas comunidades eclesiais de base no Brasil e suas exortações que enfrentaram não só as injustiças sociais, mas também a hierarquia da própria Igreja Católica, o elevaram à posição de ícone político e religioso. [É o caso de dizer que foi ícone midiático, sem penetração no público católico]

“Sua saída do clero católico em 1992, às vésperas da ECO-92, ocorreu ao mesmo tempo em que a agenda ecológica estava sendo incorporada ao seu repertório teológico. Desde então, o cristianismo da libertação que ele defendeu também se tornou cada vez mais um ambientalismo cristão da libertação.
No entanto, com a atual virada conservadora do governo brasileiro, grupos e movimentos avessos às agendas ecológicas ganharam destaque. [Não está correto: os conservadores, no caso concreto o Prof. Plinio e a TFP, tiveram grande destaque bem antes da onda conservadora no Brasil]

Continua o autor: “Entre eles está o polêmico IPCO – Instituto Plinio Correia de Oliveira, uma dissidência ainda mais conservadora do conhecido movimento integralista TFP – Tradição, Família e Propriedade.

“Em seu ativismo, o IPCO afirma que o ambientalismo é um cavalo de Tróia que esconde agentes comunistas e partidários da teologia da libertação que desejam subverter a ordem política e religiosa no Brasil e no mundo. Devido ao seu destaque nesses temas, Leonardo Boff foi escolhido pelo IPCO como um dos principais agentes a serem combatidos.

“O objetivo deste artigo é analisar o funcionamento dessas redes de teologia antiambiental e anti-libertação baseadas no IPCO. Suas diversas publicações, manifestações públicas, marchas, canais no YouTube e abaixo-assinados são objeto desta análise. Por meio desses dados, serão mapeados os principais conceitos e as conexões que os membros do IPCO traçam entre as diferentes instâncias da arena política e religiosa.”

***

Resultado de imagem para psicose ambientalista livro

Apesar de imprecisões na análise feita pelo Autor — nossa posição sobre o ecoterrorismo ambientalista está exposta no livro Psicose Ambientalista — é-nos grato ver que estudiosos abordam o importante papel que o Instituto Plinio Corrêa de Oliveira vem desenvolvendo no cenário nacional, contribuindo para esclarecer a opinião pública nacional. Não só em matéria de ecoterrorismo ecológico, mas também na questão de família, propriedade, tradição luso-cristã.

Nossa Senhora Aparecida continue a abençoar e guiar as ações do Instituto em defesa da Civilização Cristã, da Santa Igreja, do nosso Brasil contra as agressões ecoterroristas que alimentam campanhas contra nossa Pátria e ambições internacionais com relação à Amazônia.

(1) RENAN WILLIAM DOS SANTOS, * (Universidade de São Paulo, Brasil)
Movimentos ambientalistas católicos e seus oponentes no Brasil

Deixe uma resposta