Boa nova: eficácia da imunidade natural na pandemia da Covid-19

Imunidade natural, a ajuda posta por Deus no corpo humano.

1

Boa nova: imunidade natural na pandemia da Covid.

Pessoas que se recuperaram de COVID-19 mantêm ampla e eficaz imunidade de longo prazo à doença, de acordo com um novo estudo.

Mais uma incógnita na Pandemia: imunidade natural é silenciada

A Mídia de esquerda, que divulga apenas informações de mortes e infecções, diariamente, — uma espécie de opção preferencial pelo masoquismo, pelo medo, pela difusão do pânico — também silencia sobre a imunidade natural.

Os resultados do estudo longitudinal da Cell Reports Medicine, “que é o mais abrangente de seu tipo até agora, têm implicações para expandir a compreensão sobre a memória imunológica humana, bem como o desenvolvimento futuro de vacinas para coronavírus.”

Para o estudo longitudinal da Cell Reports Medicine, os pesquisadores analisaram 254 pacientes com sintomas principalmente leves a moderados de infecção por SARS-CoV-2 durante um período de mais de oito meses (250 dias) e descobriram que sua resposta imunológica ao vírus permaneceu durável e forte.

Descobertas tranquilizadoras

As descobertas são tranquilizadoras, especialmente dados os primeiros relatórios durante a pandemia de que os anticorpos neutralizantes protetores não duraram em pacientes com COVID-19, disse Rafi Ahmed, diretor do Emory University Vaccine Center e principal autor do artigo.

“O estudo serve como uma estrutura para definir e prever a imunidade de longa duração ao SARS-CoV-2 após a infecção natural. Também vimos indicações nesta fase de que a imunidade natural pode continuar a persistir ”, disse Ahmed.

A equipe de pesquisa continuará avaliando essa coorte nos próximos anos.

Resposta imunológica aumentou

Os pesquisadores descobriram que não apenas a resposta imunológica aumentou com a gravidade da doença, mas também com cada década de idade, independentemente da gravidade da doença, sugerindo que existem fatores desconhecidos adicionais que influenciam as diferenças relacionadas à idade nas respostas do COVID-19.

Ao acompanhar os pacientes por meses, os pesquisadores obtiveram uma visão mais diferenciada de como o sistema imunológico responde à infecção por COVID-19. A imagem que surge indica que o escudo de defesa do corpo não apenas produz uma série de anticorpos neutralizantes, mas ativa certas células T e B para estabelecer a memória imunológica, oferecendo defesas mais sustentadas contra a reinfecção.

“Vimos que as respostas de anticorpos, especialmente anticorpos IgG, não eram apenas duráveis ​​na grande maioria dos pacientes, mas decaíam a uma taxa mais lenta do que o estimado anteriormente, o que sugere que os pacientes estão gerando células plasmáticas de vida mais longa que podem neutralizar o pico de proteína SARS-CoV- 2.

Ahmed disse que os pesquisadores ficaram surpresos ao ver que os participantes convalescentes também exibiram imunidade aumentada contra os coronavírus humanos comuns, bem como contra o SARS-CoV-1, um parente próximo do coronavírus atual. O estudo sugere que os pacientes que sobreviveram ao COVID-19 provavelmente também possuem imunidade protetora, mesmo contra algumas variantes do SARS-CoV-2.

Abre perspectivas para futuras vacinas

“As vacinas que visam outras partes do vírus, em vez de apenas a proteína spike, podem ser mais úteis na contenção da infecção, já que as variantes do SARS-CoV-2 superam as cepas prevalecentes”, disse Ahmed. “Isso pode abrir caminho para que possamos desenvolver vacinas que abordem vários coronavírus”.

Os pesquisadores disseram que o estudo identifica de forma mais abrangente os componentes imunes adaptativos que levam à recuperação e que servirá como referência para a memória imunológica induzida pelas vacinas SARS-CoV-2.

O National Institutes of Health financiou o trabalho, que é uma colaboração entre a Emory University e o Fred Hutchinson Cancer Research Center em Seattle, Washington.

“Podemos construir sobre esses resultados para definir a progressão para imunidade de longa duração contra o novo coronavírus, que pode orientar respostas racionais quando ocorrerem futuros surtos”, disse Ahmed.

Deus dotou o corpo humano de defesas naturais: um verdadeiro escudo contra vírus, micróbios e bactérias. Nesse tempo de pandemia é indispensável contrapor à campanha midiática do pânico, informando o público sobre as defesas, a chamada imunidade natural praticamente silenciada.

Esse importante estudo, fruto de uma colaboração entre a Emory University e o Fred Hutchinson Cancer Research Center em Seattle, Washington vem dar alento e esperança à população brasileira. Saibamos divulgar as boas notícias.

Não desprezamos as medidas sanitárias, e somemos a esperança da ajuda da Providência, na imunidade natural. O Brasil já chega a 19 milhões de recuperados da covid-19.

Nossa Senhora Aparecida proteja o Brasil.

Fonte: COVID-19 Survivors Have Broad, Longer-Term Immunity (theepochtimes.com)

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta