Católicos na miséria resistem à perseguição russo-cismática na Criméia

    Católicos na miséria sob a perseguição na Criméia
    Católicos na miséria sob a perseguição na Criméia

    “Fomos isolados do resto do país. Só podemos nos comunicar por telefone ou e-mail”, disse em comunicação telefônica com a associação assistencial Aid to the Church in Need Dom Jacek Pyl, bispo auxiliar católico de Odessa-Simferopol, na Criméia. “Até os pacotes com ajuda humanitária são recusados na fronteira”.

    Apesar da hostilização e dos percalços, a Igreja Católica, que tem apenas 2.000 fiéis na região, continua ajudando as famílias em dificuldades.

    Os bancos ucranianos foram fechados e só há bancos russos, não podendo os cidadãos acessar suas contas. Por isso deixaram de receber ordenados, pensões ou outros auxílios. A moeda ucraniana ficou proibida. Em seu lugar entrou a moeda russa, mas a conta-gotas.

    Os católicos de rito latino auxiliam as famílias greco-católicas (“uniatas”), especialmente as mais numerosas, com alimentos e medicamentos, porque os sacerdotes tiveram que fugir da Criméia ameaçados por agentes russos.

    Dom Jacek Pyl, bispo auxiliar católico de Odessa-Simferopol, Criméia
    Dom Jacek Pyl, bispo auxiliar católico de Odessa-Simferopol, Criméia

    A ocupação russa também invalidou os processos que visavam à devolução dos bens da Igreja Católica confiscados pela União Soviética, recriando neste ponto a situação dos tempos de Stalin.

    “A igreja católica de Sebastopol havia sido transformada num teatro sob o comunismo e ia ser devolvida à Igreja, mas agora tudo o que foi feito nesse sentido ficou reduzido a nada”.

    As licenças concedidas outrora para construir igrejas ou dependências eclesiásticas não são mais reconhecidas.

    Porém, os católicos não desanimam, diz D. Pyl. O bispo destaca a grande necessidade de orações dos católicos no mundo todo pela Igreja perseguida na Criméia.

    “A fé, disse, nos permite ver tudo sob o prisma a Providência Divina; olhamos o futuro com esperança, e por isso sabemos que Deus está perto de nós nas dificuldades presentes”, acrescentou o prelado.

    Os católicos conheceram situações piores sob o comunismo e muitíssimos deles foram martirizados. Mas, cada vez que o catolicismo recomeçou de zero, acabou mais reforçado e mais prestigiado. Muitos seguidores dos cismas “ortodoxos” passaram a frequentar os templos católicos.

    Na grande cidade de Kharkiv os bispos ucranianos renovaram a consagração do país ao Imaculado Coração de Maria e encorajam os fiéis de toda a Ucrânia a rezarem: “Coração Imaculado de Maria, rogai por nós”.