Como se poderia definir a palavra “ambiente”, pelo menos no sentido em que a toma esta secção?

Deus estabeleceu entre certas formas, sabores e sons, de um lado, e de outro lado certos estados de alma dos homens, afinidades difíceis de definir, mas muito reais.

Assim, é explicável que um objeto, ou conjunto de objetos, possa despertar no homem determinado estado de espírito. Ambiente é, pois, tal estado de espírito enquanto sugerido pelos objetos.

Neste sentido, o ambiente pode ser suscitado por uma música, um móvel, uma sala, um edifício, uma cidade ou um panorama.

Por razões óbvias, e em grau muito mais alto, uma pessoa, ou uma reunião de pessoas, pode constituir ambiente.

Isto dito, também é fácil compreender que, das muitas partes de uma cidade, nenhuma se presta melhor a sugerir ambientes do que a praça pública. Ela constitui um todo que convida o transeunte a parar, a respirar um pouco, a descansar, e a se entreter na consideração dos elementos de unidade e variedade que a tornam bela. Por isto é que, habitualmente, há muito mais esmero no aformoseamento das praças do que das ruas.

* * *

Compreendendo isto, nossos irmãos peruanos souberam fazer uma esplêndida praça, em que as mais genuínas tradições arquitetônicas hispano-americanas se aliam a um judicioso aproveitamento de recursos atuais.

 

O palácio arquiepiscopal de Lima, destruído por um terremoto em 1904, mas reconstruído fielmente, tem o equilíbrio, a elegância, a força, e sobretudo a nobreza dos melhores espécimes do gênero: é propriamente uma jóia.

14

 

 

O edifício do “Club Union”, uma das sociedades mais prestigiosas da capital peruana, é mais recente. Mas dele se pode dizer que perpetua com autenticidade as belas tradições locais.

 

E elogio análogo merece o paço municipal, também majestoso, forte e acolhedor.

 

 

 

 

Os nobres edifícios dessa praça servem de moldura à linda Catedral, que aí figura como rainha. É bem o símbolo da Igreja, santamente ufana das tradições que criou, e inspirando com tacto, prudência e sabedoria, a continuidade dessas tradições através das circunstâncias sempre novas dos séculos…

 

___________________________

 
Artigo anteriorEfemérides – 14/01
Próximo artigoEfemérides – 15/01
Plinio Corrêa de Oliveira
Homem de fé, de pensamento, de luta e de ação, Plinio Corrêa de Oliveira (1908-1995) foi o fundador da TFP brasileira. Nele se inspiraram diversas organizações em dezenas de países, nos cinco continentes, principalmente as Associações em Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), que formam hoje a mais vasta rede de associações de inspiração católica dedicadas a combater o processo revolucionário que investe contra a Civilização Cristã. Ao longo de quase todo o século XX, Plinio Corrêa de Oliveira defendeu o Papado, a Igreja e o Ocidente Cristão contra os totalitarismos nazista e comunista, contra a influência deletéria do "american way of life", contra o processo de "autodemolição" da Igreja e tantas outras tentativas de destruição da Civilização Cristã. Considerado um dos maiores pensadores católicos da atualidade, foi descrito pelo renomado professor italiano Roberto de Mattei como o "Cruzado do Século XX".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome