Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 

5 COMENTÁRIOS

  1. Concordo com o comentário de R U A N , por ser equilibrado, sensato e ir direto no cerne da questão … Esses eco/comunistas/chatos … são insuportáveis, mas não nos dobrarão … mesmo com tanto barulho, embora minoria espalhafatosa …

     
  2. Rocha, em tempos tão complicados onde os seres humanos na maior parte parecerem agir pior que os animais e a selvageria generalizada é banal, eu poderia quase dizer que sim, tamanha minha decepção. Semana passada ouvi na rádio CBN, por exemplo, que recentemente fizeram uma pesquisa em vários estados (mas não conseguiram abranger todos) e apuraram que em média 80% dos homicídios no Brasil são por coisas fúteis, como briga de trânsito, ciúmes e pequenos furtos, etc. Também ouvi na Hora do Brasil que apenas 2% dos homicídios no país são investigados a ponto de alguém ser realmente condenado (é praticamente permitido matar). Nessa últimas eleições eu rodei pelo interior do meu estado a trabalho e presenciei que “comprar voto” é quase que um protocolo, discutindo-se valores abertamente entre as pessoas, empresários, comércios, etc. Semana passada em um estacionamento de um shopping eu vi um pai, uma mãe e um filho de uns 8 anos de idade excomungarem juntos uma velhinha que estava com dificuldade para estacionar seu carro e portanto os atrapalhando. E esta semana foi a onda de arrastões por diversos bares e restaurantes da capital (Goiânia) que deixou o cidadão de bem trancafiado em suas casas, sendo que a polícia aparenta ser tão coitada e miserável quanto os bandidos. Por fim, exemplos assim infelizmente não faltam.

    O que eu acho realmente é que nós brasileiros somos em inúmeros aspectos ineficientes. Não sou contra utilizar os recursos naturais do nosso país, apenas acho que devemos utilizá-los com maior eficiência, bom censo e respeito. Por exemplo, enquanto a maior parte do país preguissosamente larga o gado no pasto e cultiva uma cabeça por determinada área, há estados cultivando nove cabeças de gado na mesma área, ou seja, não é necessário mais espaço e sim mais vontade de fazer as coisas certas. Outro exemplo é o fato de que um percentual altíssimo da safra nacional escorre pelos caminhões e estradas até chegarem no porto e a tal ferrovia norte sul está sendo superfaturada e escancaradamente quase temos que abrir uma nova CPI para cada quilômetro construído. A Embrapa publicou em 2006 que desperdiçamos 39 MIL TONELADAS DE ALIMENTOS POR DIA NO BRASIL! Sendo 20% na colheira, 8% no transporte, 15% na indústria de processamento, 1% no varejo e 20% NOS HÁBITOS ALIMENTARES DO BRASILEIRO! Outro fator humano fundamental, o que vamos fazer com os nossos índios? Quando iremos levar a sério essa população? Até quando o trataremos como seres invisíveis? Ou a gente civiliza eles de vez ou garante as reservas e os educa para eles continuarem a sobreviver da natureza e não de pinga e de contrabando de madeira.

    Entende? Será que o que nos falta mesmo é recursos e por isso devemos nos apressar em logo utilizá-los? Pode até ser que este seja o caminho mais fácil e rápido, atestando a fé e a cultura imediatista da pátria amada, mas estaremos preparados para fazê-lo com o mínimo de eficiência, bom censo e sensatez? Eu acho que não. Na minha opinião este tipo de “progresso” é apenas desculpa para uma minoria sedenta para concentrar mais capital em suas mãos da maneira mais rápida e fácil possível. Um sistema egoísta e predatório que com sorte em apenas última instância pode trazer algum tipo de benefício mínimo e indireto a sociedade.

    Sou cristão e acho que a vida em si deve ser respeitada em todas as suas formas e neste processo, sobrevivência é uma coisa plena e justificável, mas acumulo de capital a qualquer custo e suas consequentes perversidades não. Quem não respeita a vida de um animal ou um eco-sistema até a última instância, que é a real necessidade de se alimentar e sobreviver, muito provavelmente não respeita o próximo.

    Achei o vídeo por demais generalista e ofensivo para qualquer pessoa que como eu, apenas cultive e preserve o meio ambiente. Acredito que a maioria das pessoas que falam e são a favor de preservação ambiental NÃO são alucinados invadindo barcos e causando confusão. Ainda, a hipótese da ecologia vir a se tornar uma “religião” no Brasil me parece uma preocupação hilária e estúpida, pois o nível da nossa educação e os investimentos feitos em educação são tão miseráveis que não conseguimos pensar em nada além das nossas barrigas e, o que mais temo, cada vez mais não conseguiremos pensar em nada além da violência urbana.

    O que as florestas, se derrubadas ou não, podem fazer para melhorar este cenário???
    É puro interesse…

     
  3. Ruan, também acompanho este site e vi com atenção o teu comentário.

    Só pergunto: você considera a vida das outras criaturas TÃO importante quanto a humana?

     
  4. Uns utilizam o ecoterrorismo em prol de seus únicos e próprios interesses; outros utilizam estatísticas provando o contrário e o “desenvolvimento” como desculpa para agirem como lhes convém, também em prol de seus únicos interesses. São dois extremos ignorantes.

    Será que não podemos preservar as florestas e o meio ambiente simplesmente por amor e carinho aos simples seres vivos que ali habitam? Será que não podemos afirmar veemente que somos contra a destruição da natureza apenas por amor a ela? O Brasil é um país rico o suficiente, se é miserável é por causa do investimento miserável feito na educação de sua população e por consequência, uma herança e contínuo cultivo de uma cultura corrupta e pouquíssimo eficiente. Derrubar mais florestas em prol do “desenvolvimento” não irá deixar o Brasil menos miserável, irá apenas concentrar ainda mais riqueza nas mãos de uma minoria, além é claro, de extinguir e causar sofrimento a inúmeras espécies de plantas e animais. Continuar sendo o maior produtor de alimentos do mundo não está empregando mais famílias e reduzindo a pobreza no país, mas pelo contrário, está concentrando renda na mão de pouquíssimas pessoas que hoje já utilizam uma frota de colheitadeiras, por exemplo, praticamente autônomas e guiadas por gps.

    Portanto, acredito que é preciso ser radical sim, no sentido de preservar a vida. Não é necessário ter uma causa ou uma consequência catastrófica para preservar a vida, é necessário apenas amor a todas as criaturas de Deus e nisso não podemos ser coniventes ou moderados como se todos os seres vivos do planeta existissem simplesmente apenas como meros recursos para nosso sustento. Preservar a vida independe de catástrofes climáticas.

    O brasileiro não está nem preocupado por onde deposita seu lixo e as grandes cidades estão viradas em um nojo de bueiros e rios podres e entupidos, como esse tipo de sociedade fará da ecologia uma religião? No próximo milênio talvez?

    Pelo amor de Deus! É apenas uma questão de respeito a vida. Como no islamismo, comunismo ou capitalismo e por fim em qualquer causa existente no planeta, sempre haverá uma minoria de alucinados radicais querendo aparecer, mas não seria melhor focarmos na maioria pensadora e positiva? Não seria melhor esclarecer cientificamente em todos os detalhes e pesquisas qual o verdadeiro papel do ambientalismo? Qual a forma correta de ambientalismo e como podemos praticá-lo? Porque na boa, da forma que este livro foi apresentado neste vídeo, parece que ele veio direto da bancada ruralista do congresso, com intuito tão escuso quanto o dos “ecoterroristas”.

    Sou católico apostólico romano, praticante, e sei que devemos respeitar a vida de todas as criaturas. O respeito por uma simples árvore e pelos animais é um princípio, é uma semente no coração que ao ser cultivada e crescer, talvez consiga a infinita compreensão necessária para respeitar e perdoar a imensa hipocrisia humana, conforme somente Jesus conseguiu.

     
  5. Os ecochatos são chatos mesmo. Eu na minha casa não posso cortar uma árvore que ameaça cair e matar gente da nossa família. AlÔÔÔ ecologistas que ditadura é essa!!!!!

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome