O Instituto Plinio Corrêa de Oliveira o (a) convida para assistir à Convenção Internacional intitulada:

O QUE ESTÁ EM JOGO NA AMAZÔNIA

A conferencia pode ser assistida em:

Primeiras conferencias:

Uma previsão que se realiza

S.A.I.R. Dom Bertrand de Orleans e Bragança, Príncipe Imperial do Brasil, autor do livro Psicose ambientalista.

Nos anos 1976 e 1977 uma denúncia desmascarou a mudança de paradigma missionário que vinha ocorrendo então no Brasil, visando não mais pregar o Evangelho, mas adaptar-se às crendices tribais. Perspectivas para o futuro.

A Amazônia vista pelos seus habitantes

Dr. Jonas Marcolino Macuxi, líder da etnia Macuxi em Roraima, Brasil.

Antropólogos, missionários e ONGs estrangeiras procuram convencer os índios a se manterem em seu estado primitivo. – O que pensam os índios?

O impacto do desmatamento sobre o clima

Prof. Luiz Carlos Molion, Meteorologista, Universidade Federal de Alagoas, Brasil.

A bacia amazônica produz realmente as consequências ambientais planetárias relatadas na mídia?

Verde – o novo vermelho

James Bascom, Diretor do Bureau da TFP em Washington, D.C.

O papel da ecologia na realização da utopia socialista. Herdeira natural da luta de classes preconizada por Karl Marx, seu objetivo é transformar radicalmente a civilização ocidental em sociedade tribal.

Neocolonialismo teológico – o paradigma amazônico

Prof. Stefano Fontana, Diretor do Observatório de Doutrina Social da Igreja Cardeal Van Thuận.

As nascentes do paradigma amazônico não se encontram nos Andes, mas no Reno.

Paradigma com “face amazônica”? Ou Civilização Cristã? – O século XXI na encruzilhada

Prof. Roberto de Mattei, Presidente da Fundação Lepanto, autor e historiador da Igreja.

Os documentos preparatórios do Sínodo abrem caminho para uma relação panteísta do homem com a natureza e para uma religião neopagã.

“Face Amazônica”: Máscara que esconde uma apostasia

José Antonio Ureta, autor de A “mudança de paradigma” do Papa Francisco.

Sucedânea da Teologia da Libertação, a Teologia Índia confere à Igreja uma “face amazônica” e propõe um modelo tribalista de sociedade.

Moderador: Julio Loredo, autor do livro Teologia da Libertação – Um salva-vidas de chumbo para os pobres.

2 COMENTÁRIOS

  1. O senhor doutor Plínio sempre disse que housadia sem prudência é loucura. Então, criticar ao Instrumentum Labóris, que é o projeto a ser visto pelo Papa, é compreensível.
    Mas caso ele, (o Papa) se oponha ao documento, como fez na primeira homilia ao fazer críticas severas, pode excomungar facilmente à quem se opôs às ações do Espírito Santo no sínodo, que o terá conduzido de modo coerente com a tradição apostólica.

Deixe uma resposta