Fátima 13 de julho de 1917: reflexões sobre a visão do inferno

0

Áudio e texto:

https://www.pliniocorreadeoliveira.info/Mult_940605_Fatima_visao_inferno.htm

Terceira aparição: 13 de julho de 1917

“Ao dar-se a terceira aparição, uma nuvenzinha acinzentada pairou sobre a azinheira, o sol se ofuscou, uma aragem fresca soprou sobre a serra, apesar de se estar no pino do verão. O Sr. Marto, pai de Jacinta e Francisco, que assim o refere, diz que ouviu também um sussurro como o de moscas num cântaro vazio. Os videntes viram o reflexo da costumada luz e, em seguida, Nossa Senhora sobre a carrasqueira.

https://www.pliniocorreadeoliveira.info/Mult_940605_Fatima_visao_inferno.htm

NOSSA SENHORA: “Continuem a vir aqui todos os meses. Em outubro direi quem sou, o que quero, e farei um milagre que todos hão de ver para acreditarem”.

Lúcia apresenta então uma série de pedidos de conversões, curas e outras graças. Nossa Senhora responde recomendando sempre a prática do terço que assim alcançariam as graças durante o ano.

Depois prosseguiu: “Sacrificai-vos pelos pecadores e dizei muitas vezes e em especial sempre que fizerdes alguns sacrifício: Ó Jesus, é por vosso amor, pela conversão dos pecadores e em reparação pelos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria”.

Primeira parte do Segredo: a visão do Inferno

“Ao dizer estas últimas palavras  –  narra a Irmã Lúcia  –  abriu de novo as mãos como nos dois meses passados. O reflexo [de luz que elas expediam] pareceu penetrar a terra e vimos como que um grande mar de fogo e mergulhados nesse fogo os demônios e as almas como se fossem brasas transparentes e negras ou bronzeadas, com forma humana, que flutuavam no incêndio levadas pelas chamas que delas mesmas saíam juntamente com nuvens de fumo, caindo para todos os lados –  semelhante ao cair das fagulhas nos grandes incêndios  –  sem peso nem equilíbrio, entre gritos e gemidos de dor e desespero que horrorizavam e faziam estremecer de pavor. Os demônios distinguiam-se por formas horríveis e asquerosas de animais espantosos e desconhecidos, mas transparentes como negros carvões em brasa”.

“A visão demorou apenas um momento, durante o qual Lúcia soltou um “ai!”. Ela comenta que, se não fosse a promessa de Nossa Senhora de os levar para o Céu, os videntes teriam morrido de susto e pavor”.

O que dizer do Inferno?

Eu me lembro que uma vez propus a seguinte reflexão a um bispo. Eu disse a ele:

 – Sr. Bispo, é verdade que todas as coisas que existem e que a gente vê no universo são criaturas de Deus?

 –  É verdade.

 –  Então é verdade também que tudo quanto existe no Céu, na Terra e no Inferno é criatura de Deus.

 –  É verdade.

 –  Mas então o Inferno é uma criatura de Deus.

 –  É verdade, Deus criou o Inferno.

 –  Mas Ele criou o Inferno e Ele criou tudo aquilo por onde o Inferno atormenta e causa horror. Porque se tudo é criatura de Deus e há no Inferno, por exemplo, brasas, calores, fatores que provocam o calor, coisas que provocam a dor de todas as maneiras possíveis…

Santa Teresa de Jesus, a grande Santa Teresa de Jesus, Santa Teresa de Jesus, a mística incomparável, ela teve uma visão em que Deus lhe mostrou qual era o Inferno para onde ela iria se não tivesse sido fiel.

Levou-a para uma espécie de sepultura, fê-la entrar no Inferno numa espécie de sepultura onde ela olhou para dentro e havia uma espécie de instrumento preso assim, de maneira a formar duas tábuas. Cada uma dessas tábuas era toda revestida de pontas fundas, de maneira que quando a tábua se fechava, as pontas quase coincidiam, mas não coincidiam. Ela deveria ficar por toda a eternidade dobrada em dois, sem nunca isto se abrir, e furada em todas as direções por [essas pontas]. Posta nesta sepultura, sem ver nada, liquidada ali, e com os calores todos do Inferno soprando sobre ela.

Isso era a grande Santa Teresa se ela não tivesse correspondido à graça. Os senhores percebem a coisa tremenda…

Eu disse (àquele eclesiástico):

 –  Então se deve dizer que o Inferno é uma câmara de tortura ideada e criada por Deus, e que tudo quanto se move em última análise tem Deus por motor primeiro. Tudo aquilo que no Inferno se move tem Deus por motor primeiro, e esse movimento de todas essas coisas provêm continuamente da ação de Deus, que faz aquilo tudo mover-se dentro do Inferno.

Ele me disse:

 –  É verdade.

Então aí fica o mais tremendo do Inferno: é que é Deus que está criando aquilo. Deus fez, Deus mantém aquilo na existência, Deus mantém no movimento, ouve o gemido de toda esta multidão de réprobos e não tem pena. Não tem pena! Pelo contrário, é um dos elementos da felicidade dEle é conhecer e produzir o sofrimento daquela gente.

Eu não quis levar a coisa mais longe, porque era um bispo, mas eu gostaria de perguntar a ele: mas então nunca se prega isto?…

Porque se isto é verdade, deve-se dizer; e se isto não é verdade, deve ser combatido. Mas fazer silêncio sobre essa coisa tremenda, isso é que não se compreende.

Por que quanta gente será que se ouvir isto não vai para o Inferno, porque terá medo de ir para o Inferno, e se não ouvir irá para o Inferno?

Quanto mais gente ouvir isto, tanto menor será o número dos que forem para o Inferno. Pelo contrário, a quanto mais pessoas for sonegada esta verdade, tanto maior é o número dos que vão para o Inferno. E muitos estão no Inferno por que houve gente que teve deles uma falsa pena e não contou para eles como era o Inferno.

Nossa Senhora, com uma mensagem para o mundo, em que tudo devia ser levado ao conhecimento do mundo inteiro, e em que queria produzir a salvação dos pecadores, Ela contou, Ela fez ver aos três pequenos videntes esse Inferno. Isto era para que eles fizessem os pecadores do mundo inteiro conhecer isto e tremer até ao fundo de seus ossos de pânico do Inferno.

Os senhores encontram tão difícil de haver gente que tenha a coragem de dizer isso…

Por que? É fácil compreender.

Se houver um pregador que vai – hoje não mais púlpito – aonde os Padres o sermão, quer dizer, junto ao Evangelho e diz ali: “Meus queridos filhos, hoje é Domingo. Vede que lindo e ensolarado domingo, imagem da bondade de Deus. Como Deus é bom em vos fazer ver assim a bondade dEle e vos atrair para o Céu. Quanto Deus premiará as vossas virtudes…”, etc., etc., e nenhuma palavra sobre o Inferno, eles seguirão o contrário do que fez Nossa Senhora.

Porque Nossa Senhora disse coisas magníficas sobre o Céu nesse conjunto dessas aparições, não se poderia fazer mais para deixar o Céu atraente do que tudo quanto Nossa Senhora mostrou de Si, que é uma síntese de todos os esplendores e belezas do Céu, enfim, de tudo quanto Ela fez para atrair pela doçura as almas para o Céu.

Mas atentem bem!! Há também a justiça de Deus, há a cólera de Deus! E esta está preparada também para quem não der importância aos carinhos da bondade de Deus. Agora vejam qual é… e vem a coisa representada.

Nossa Senhora quis que o mundo inteiro tomasse conhecimento dessa manifestação do terror do Inferno.

Será que o mundo inteiro tomou? Ou será que passaram por cima dessa pregação como o gato por brasa?

Mas que pecado em a gente se dizer “apóstolo de Fátima” e não contar isso?!

É uma coisa que a gente deveria saber de cor. E quando fizesse apostolado sobre Fátima, de repente alguém soltar essa (quando alguém dissesse):

 –  Não, eu não acredito.

 –  Está bom, você não acredita? Ouça o que é que houve. Se não acreditar, você depois vai me explicar como, mas o Inferno é assim e assim  –  e vem essa descrição, como outras descrições do Inferno que há dadas por santos, etc.

Então nós podemos compreender a utilidade enorme! Eu digo mais: a indispensabilidade da pregação do Inferno. E, portanto, também de uma referência ardente ao Inferno no nosso apostolado.

Nota: Para ler o texto integral dessa conferência, basta clicar aqui.

Deixe uma resposta