Fim do Tratado abre um horizonte aterrador que parece de videojogo mas não é

Os EUA formalizaram a saída do Tratado para a eliminação de mísseis nucleares de meio e curto alcance (INF) assinado com a União Soviética em dezembro de 1987, no fim da Guerra Fria.

Na hora que as crises de Irã e Coreia do Norte se acentuam um calafrio percorreu o hemisfério norte todo, noticiou “The New York Times”.

O pacto proibia à Rússia e aos Estados Unidos fabricar, instalar ou realizar testes de misseis de curto alcance (de 500 a 1.000 quilômetros) e de médio alcance (de 1.000 a 5.500).

O secretário de Estado estadunidense, Mike Pompeo, anunciou a retirada seis meses após denunciar o acordo posta a negativa de Moscou de destruir um novo míssil que viola o pacto e se gabar de estar construindo outros imensamente mais destrutivos.

Há anos, Washington e Moscou se acusam de violar esse tratado assinado em 1987.
Mas, a violação entrou pelos olhos quando a Rússia apresentou o Novator 9M729 (SSC-8 para a NATO) que supera os 500 quilômetros de alcance.

São más notícias para a Europa, porque o Velho Continente voltará a ser o campo de jogo macabro das duas superpotências nucleares.

O fim do INF não mudará as coisas da noite para o dia, mas os dois já estão desenvolvendo novas gerações de engenhos de destruição de pesadelo que estavam proibidos.

Podem estar prontos em 13 meses.

A Rússia já está instalando-os na fronteira com a Europa do Leste. Desde Kaliningrado poderá atingir capitais como Berlim e Londres. Mikhail Gorbachev, único signatário vivo do INF declarou à agência Interfax, que o fim do tratado “dinamita não só a segurança de Europa, mas do mundo todo”.

O orçamento de Defesa russo é a décima parte do americano, mas a vontade de Vladimir Putin de se mostrar como o homem mais poderoso diante de seus compatriotas justifica qualquer desatino.

O especialista russo Pavel Felgenhauer está convencido de que “vamos a assistir ao desenvolvimento e instalação de novas armas”.

O Novator 9M729 russo poderá atingir capitais como Berlim e Londres

Putin falou de versões terrestres dos mísseis Kalibr que até agora eram uma exclusividade da Marina. Também apresentou – numa tela virtual – o míssil hipersónico Kinzhal, escreveu “El Mundo” de Espanha.

E ainda anunciou o denominado “Satan-2” intercontinental que um só poderia destruir um país como a França ou um estado como Texas.

As bravatas de Moscou têm grande valor eleitoral interno, mas não pode ser reduzido a apenas isso.

O apocalipse nuclear pode ser uma hipótese suicida válida para um regime impiedoso que cambaleia.

“Os EUA e a Rússia entraram agora num estado de instabilidade estratégica”, disse Ernest J. Moniz, ex-secretário de energia.

Por sua vez, o ex-senador Sam Nunn, escreveu para “Foreign Affairs” o artigo “O retorno do Dia do Juízo Final”.

Nele, defende que “desde a crise dos mísseis cubanos de 1962 a confrontação russo-americana envolvendo armas nucleares foi tão alta como hoje.

“Porém, contrariamente à Guerra Fria, os dois lados não se cegaram tanto voluntariamente como hoje para o perigo”.

Simultaneamente, Pompeo convidou à China e outras nações a entrar “numa nova era de controle de armas”. Pequim não deu resposta positiva alguma , e ainda que o fizer seria de credibilidade duvidosa.

A China acumulou o arsenal balístico mais avançado do mundo cujos mísseis, teoricamente, só estariam equipados com cabeças convencionais (não nucleares).

A China não assinou o INF, mas desenvolveu e instalou a família de mísseis apocalípticos.

Centenas de mísseis chineses proibidos miram Taiwan, Japão e Índia, e podem atingir Guam e outras bases americanas no Pacífico.

Ronald Reagan e Mikhail Gorbachev assinaram em Washington D.C. o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) quando a grande mídia comemorava o “fim do comunismo” e “da História”.

O almirante Harry B. Harris Jr., comandante das forças americanas no Pacífico, declarou ante o Congresso que os diversos tipos de mísseis chineses na região seriam “mais de 2.000”, 95% dos quais em violação dos critérios do INF.

Pequim esperneia ante o anúncio de que os EUA instalariam baterias antimísseis em território sul-coreano.

Para Samore, a China não cumprirá qualquer acordo futuro de restrição de armas nucleares.

Trump pretende testar logo seus novos engenhos até agora proibidos, e pelo fim do ano outros modelos que podem atingir entre 1.800 e 2.500 milhas.

A questão é onde instalá-los. O Japão e a Coreia do Sul poderiam ser bases.

Mas, embora perigosíssimo, nada disso é o pior.

O futuro da guerra atômica “está nas armas no espaço, na inteligência artificial e nos engenhos cibernéticos não-tripulados, para os quais não há restrições”, diz Gary Samore, chefe de estratégia nuclear no Conselho de Segurança Nacional.

O atentado iraniano com drones contra refinaria saudita abalou o mundo. Mas seria apenas um teste dessa nova guerra, feito em pequena escala e a nível convencional.

Deixe uma resposta