Fracasso: De 100 mil esperados, Grito dos Excluídos recebe apenas dois mil participantes

    grito-em-aparecida
    Gritos dos Excluídos, Santuário de Aparecida no dia 7 de Setembro pp.

    Reunindo representantes de movimentos dito populares e das Pastorais Sociais dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo, ocorreu no último 7 setembro, feriado da independência, o 22º encontro Grito dos Excluídos e a 29º Romaria dos Trabalhadores.

    A pretexto de reunir interessados nos “direitos” das mulheres, pobres, negros, desempregados, trabalhadores informais, moradores de rua, indígenas, e quilombolas, o movimento anunciou uma previsão de 100 mil participantes!

    O local para o evento não podia ter sido melhor escolhido, uma vez que o Santuário de Aparecida já reune regularmente milhares de peregrinos todos os fins de semana e feriados, que ocorrem ao local a pedir graças a Santa Virgem Padroeira do Brasil e seriam contados como participantes no ocorrido. Ainda assim, apesar  de toda essa manobra, o Grito dos  Excluídos mal conseguiu contar 2 mil pessoas. Se é que chegou a tanto.

    Como não podia deixar de ser, o tema de cunho esquerdista escolhido para este ano foi “Este sistema é insuportável: exclui, degrada, mata”, no intuito de “denunciar as injustiças e os males causados pelo modelo econômico neoliberal e excludente”. O movimento iniciou a manifestação no Porto Itaguaçu, local onde a Imagem de Nossa Senhora Aparecida foi encontrada, e seguiu até o Santuário Nacional para um ato de manifestação na tribuna Papa Bento XVI. O protesto se encerrou com uma missa no Altar Central do Santuário, celebrada por Dom Angélico Sandalo Bernardino, bispo emérito da Diocese de Blumenau (SC).

    Em São Paulo, a realidade foi ainda mais cruel para os manifestantes, que mesmo com uma missa do bispo-auxiliar D. Eduardo Vieira dos Santos, não conseguiram reunir sequer 100 pessoas nas escadarias da Catedral.


     

    Fontes: