#FueraCheGuevara, apagar o nome desse assassino

0
FueraCheGuevara: a campanha para apagar o nome de um assassino

Informa Panampost: “Um grupo de jovens iniciou uma campanha para arrecadar assinaturas em Rosário para exigir que as autoridades revogassem o título de “cidadão ilustre” concedido a Che Guevara em sua cidade natal, que uma praça fosse rebatizada e que um mural Guevarista.”

Em 15 de julho, começou a coleta de assinaturas na plataforma CitizenGo para exigir que a presidente do Conselho Deliberativo de Rosário, María Eugenia Schmuck, revogasse o título de “ilustre cidadão” que facilitou a chegada dos Castros ao poder; bem como o prefeito da cidade, Pablo Javkin, para mudar o nome da Plaza del Che para um escolhido pelo voto dos cidadãos e para remover o mural guevarista da Plaza de la Cooperação.

62 anos após a ditadura instaurada com a revolução cubana os promotores desta iniciativa buscam apagar da cidade o nome desse “assassino”, como forma de apoiar os cubanos que desde o último domingo, 11 de julho, perderam o medo e saíram às ruas da ilha para desafiar o regime de Castro.

“Pedimos honestidade e coerência à classe política. O povo de Rosário não quer o nome de um assassino em nossa cidade ”, diz a petição que visa recolher pelo menos 10.000 rubricas e que até agora já foi assinada por cerca de 6.500 pessoas.

Os promotores que se identificam como Alternativa UNR lembram que em mais de 60 anos de ditadura, cerca de 2 milhões de cubanos tiveram que se exilar, cerca de 78.000 morreram tentando escapar do regime comunista e pelo menos 11.000 foram assassinados.

A cumplicidade do stablishment com o assassino

Existem muitas evidências sobre a participação de Che Guevara nesta tragédia. «Tiroteios … Sim, disparamos, disparamos e continuaremos a disparar pelo tempo que for necessário. Nossa luta é uma luta de morte ”, admitiu em 1964 à Organização das Nações Unidas (ONU).

A face do maior expoente do comunismo na América permaneceu como um produto de marketing em camisetas e chaveiros, alimentando-se do capitalismo tão demonizado.
Che Guevara não foi o “mártir do imperialismo norte-americano” que tentou se vender com uma fachada romântica de socialismo. Ele era um homem “sem misericórdia, um sociopata”. Assim o descreve María C. Werlau, autora do livro As Vítimas Esquecidas de Che Guevara, em que documenta pelo menos 100 execuções e tiroteios na fortaleza de La Cabaña e na Sierra Maestra comandados ou vinculados ao cubano nacionalizado argentino .

Os jovens que lançaram a campanha #FueraCheGuevara em Rosário buscam resgatar a cidade desse personagem macabro que continua sendo a inspiração de uma ditadura que reprimiu duramente a população que está nas ruas há mais de uma semana, com uma morte pedágio, quase 500 detidos e um recrutamento perverso de menores para reprimir seus compatriotas que querem apenas uma Cuba livre.

O apoio do Vaticano

Vários Papas visitaram Cuba. Daí nunca resultou um abrandamento do comunismo. A recente mensagem do Papa Francisco aos cubanos, pedindo conciliação com os ditadores comunistas, continua a ecoar nos corações perplexos dos católicos.

Veja-se a eloquente carta de uma católica cubana ao Papa. http://blogdafamiliacatolica.blogspot.com/

É impossível a liberdade da Igreja no Estado comunista: tese do Prof. Plinio distribuída largamente aos Padres Conciliares na esperança de que o Concílio condenasse o comunismo. Isso não se deu e a Petição foi engavetada.

Fonte: #FueraCheGuevara: la campaña para borrar el nombre de un asesino (panampost.com)

Deixe uma resposta