“O Inferno”. Iluminura do livro “Les Très Riches Heures du duc de Berry” (Atualmente conservado no museu Condé, em Chantilly).
“O Inferno”. Iluminura do livro “Les Très Riches Heures du duc de Berry” (Atualmente conservado no museu Condé, em Chantilly).

Imaginemos um teólogo em cujo espírito germinasse uma ideia nova sobre uma doutrina já consagrada e sempre ensinada na Igreja Católica, qual seja a da existência do inferno e de sua eternidade. Era de se supor que ele bem poderia colocar em risco seu futuro e cair no ostracismo.

Em não longínquo passado o ex-frei Leonardo Boff foi condenado pela Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé e reduzido ao silêncio por defender erros teológicos. Ele voltou a ensinar o erro ao afirmar, a respeito de um poeta pernambucano prestes a morrer, que Deus não condena ninguém para sempre.

Ora, a fé nos assegura que o fogo do inferno e os tormentos dos condenados são eternos. Não se trata de opiniões controvertidas entre os teólogos e estudiosos. A eternidade do inferno é uma verdade de fé que nenhuma autoridade pode mudar — nem sequer o Papa —, pois está expressa nas próprias Sagradas Escrituras, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento.

As Escrituras opõem-se à ideia de que o inferno não seja eterno ao afirmar: “Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno” (Mt 25, 41). De onde se segue que, se o fogo é eterno, também o é o suplício do condenado. Não haveria razão para Deus ter criado um fogo eterno se não fosse para castigar eternamente os condenados.

Em outro lugar nas Escrituras pode-se ler: “Irão estes para o fogo eterno” (idem 46). “Ir para a geena, para o fogo inextinguível, onde o seu verme não morre e o fogo não se apaga” (Mc 9, 43 a 44). No Apocalipse 14, 11 está escrito: “A fumaça dos seus tormentos subirá pelos séculos dos séculos. Não terão descanso algum, nem de dia nem de noite, esses que adoram a besta e a sua imagem, e todo aquele que acaso tenha recebido o sinal do seu nome”.

Uma pena que não fosse eterna — e durasse pouco — faria com que o inferno deixasse de ser inferno e Deus deixasse de ser Deus. Ao meditar sobre a eternidade do inferno, Santo Afonso Maria de Ligório nos sugere multiplicar todos os milhões de anos em infinitas vezes. O resultado dessa multiplicação mostraria que o inferno estaria apenas começando…

Uma coisa é a bondade de Deus, que persegue o pecador para convertê-lo, afastá-lo do mau caminho, concedendo-lhe graças, dons, e até mesmo castigos. Outra coisa é a bondade e a misericórdia da Igreja, sempre de coração aberto e mãos estendidas para receber e perdoar o pecador convertido.

Não podemos confundir esse pecador com aquele que não abandona o seu mau procedimento e morre empedernido. Se assim viveu e morreu foi por sua própria culpa. Escolheu livre e espontaneamente o lugar que se chama inferno. Deus dá o prêmio aos bons e o castigo aos maus.

Como Deus é eterno, também eternos são o prêmio e o castigo. Deus deixaria de ser Deus se fosse apenas misericordioso e não desse o prêmio e o castigo de acordo com as obras. Deus é misericordioso porque justo.  Esta eternidade é de fé, porque revelada por Deus, e não uma simples opinião.

 “Apartai-vos de Mim malditos para o fogo eterno. Irão estes ao suplício eterno. Pagarão a pena da eterna perdição. Todos serão assolados pelo fogo” (Mt 25, 41. 46; 1Ts1,8; Mc 9,48). Assim como o sal conserva o alimento, o fogo do inferno atormenta os condenados, mas ao mesmo tempo tem a propriedade do sal ao conservar-lhes a vida.

“Ali o fogo consome de tal modo — disse São Bernardo — que conserva sempre”. Santo Afonso ensina:“O poço não fecha a sua boca, porque se fechar a abertura em cima, se abrirá em baixo para devorar os réprobos”. Continua ele: “Enquanto vivo, o pecador pode ter alguma esperança, mas, se a morte o surpreender em pecado, perderá toda esperança” (Pr 11,7).

Se os condenados pudessem ao menos embalar-se em alguma enganosa ilusão que aliviasse o seu desespero horrível… Afinal, um infeliz delinquente condenado à prisão perpétua também procura alívio em seu pesar, na esperança remota de evadir-se e obter assim a liberdade.

Mas o condenado não pode sequer ter a ilusão de que um dia poderá sair de sua prisão! Não, no inferno não há esperança. O desgraçado réprobo terá sempre diante de si a sentença que o obriga a gemer perpetuamente nesse cárcere de sofrimentos.

“Uns para a vida eterna, e outros para o opróbrio que terão sempre diante dos olhos” (Dn 12,2). Para Santo Afonso, o réprobo não sofre somente a pena de cada instante, mas sofre a cada instante a pena da eternidade.

Eis o que está escrito no Eclesiastes: “Quando as nuvens esti

verem carregadas, derramarão chuvas sobre a terra. Se a árvore cair para a parte do meio dia, ou para a do norte, em qualquer lugar onde cair, ficará” (Ecl. 11, 3).

Tal é a sorte do justo e do pecador: ficará para sempre, no Céu ou no inferno.

_______________

(*) Sacerdote da Igreja do Imaculado Coração de Maria (Cardoso Moreira – RJ) .

3 COMENTÁRIOS

  1. Tem o Padre David Francisquini inteira razão. Gostei muito de ler o que disse, porque disse a verdade. Verdade que, hoje, muitos não têm coragem de dizer com o pretexto de que não é justo nem saudável descriminar quem quer que seja. Uma caridade falsa que preza a felicidade daqui, da terra, do dia a dia e despreza a felicidade eterna. Nem sequer é caridade, porque não tem Deus e talvez nem um pecador contumaz seja feliz. Pode aparentar felicidade, mas ser feliz é outra coisa.

    Não é o que Leonardo Boff diz que me preocupa. Como esperar a verdade vinda dele, se viveu sempre na mentira?

    O que me preocupa e muito é que o Papa Francisco disse o mesmo: Deus nunca castiga para sempre! Estaria o Papa a falar naqueles momentos de estouvanice em que as asneiras se sucedem a um ritmo alucinante e depois o Padre Lombardi nos vem dizer que o que Papa disse não foi o que ele disse? OIu estaria a falar a sério?

    Tivesse falado a sério: este pensamento dele, de que Deus não castiga para sempre, não tem cabimento.

  2. Parabéns! Nada melhor do que confiar na Palavra de Deus, a Bíblia. Muitas doutrinas foram inventadas por homens, para tentar fugir do inferno! Mas, a única que permanece diante de Deus, é a Sua Palavra, que permanece eternamente!Em Cristo, todas as promessas de Deus são SIM!

  3. O alarmante é quando os réprobos governam um País, ditam leis que só podem ter saído de mentes diabólicas para subjugar, someter, perseguir e humilhar todos aqueles que não compactuam com seus crimes, e existem muitos tipos de crimes que os réprobos dominam.
    O que resta é a ORAÇÂO e sempre nós que somos espectadores de tanta balburdia tornarmos FIRMES E COM FE EM DEUS e em nossa Igreja Católica Apostólica e Romana,esse exorcismo contínuo vai nos relevar das fatídicas tentações colocadas em nosso caminho.
    O livre alvedrio foi estabelecido por Deus Nosso Senhor por isto SEMPRE com humildade e sabedoria que vem de Deus buscarmos o caminho correto para alegria de nossa alma e de aqueles que amamos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome