Livro de Aleksandr Dugin com o símbolo do movimento euroasiático.
Livro de Aleksandr Dugin com o símbolo do movimento euroasiático.

Por ocasião dos 70 anos do desembarque das tropas aliadas na Normandia (6 de julho de 1944), publicamos o artigo abaixo, escrito pelo Professor Plinio Corrêa de Oliveira dias após esse importante evento que mudou os rumos da II Guerra Mundial.

Os alertas contidos no texto servem para nossos dias em que nos vemos novamente bombardeados pela propaganda bolchevista, agora caracterizada como Eurasianismo – cujo principal mentor é o esotérico satanista Aleksandr Dugin. 

Dugin tem viajado pelo mundo inteiro tentando aglutinar pessoas para sua “cruzada” sem cruz em favor do “perfeito cumprimento da maior revolução da história, enquanto continental e universal. Falamos do retorno dos anjos, a ressurreição dos heróis, da insurreição dos corações contra a ditadura da razão. Esta Última Revolução é tarefa do Acéfalo, do portador da Cruz, da Foice e do Martelo, coroado pelo Sol da Suástica Eterna.” (Cfr: Aleksandr Dugin, em Le Prophète de l’ Eurasisme, Edição Avatar, 2006, p. 147).

Dugin, que já esteve no Brasil e se prepara para voltar em breve, procura seduzir movimentos conservadores do ocidente numa suposta luta contra a imoralidade do liberalismo ocidental, mas cuja meta é destruir os EUA, país que ele vê como a personificação do mal, sendo que o povo americano é quem mais se destaca na luta pelos valores morais, familiares e pelo direito de propriedade, embora de momento não estejam representados na presidência do país.

Christian Bouchet e Dugin
Aleksandr Dugin fala ao microfone, tendo ao seu lado esquerdo o satanista francês Christian Bouchet.

 

625px-ChaosStar.svg
Estrela do Caos.

A estrela de oito setas que se transformou em símbolo oficial do Eurasianismo é uma leve modificação da “Estrela do Caos” (Vide figura ao lado) ou também conhecida como “Estrela Mágica” da doutrina ocultista baseada nos escritos do satanista inglês Aleister Crowley – a quem Dugin admira pela sua luta contra o Regime Mundialista e procurou tornar popular os escritos de Crowley na Rússia (Cfr.: http://oto.ru/).

A ligação entre o ‘Chaos Magick’ de Crowley (‘Magiya Khaosa’) e o símbolo do movimento eurasiano é descrita pelo próprio Dugin em seu livro Os Cavaleiros Templário do Proletariado (ver Parte 6, nota 56).

Segue abaixo o artigo do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira que nunca se deixou iludir por manobras revolucionárias que nos oferecem falsas opções, e sempre procurou alertar o público, especialmente o católico, contra essas investidas.

***

Dunquerque_desembarque_tropasamericanas_19440606

Não exageremos!

Plinio Corrêa de Oliveira

Os acontecimentos que se vem desenrolando na França confirmam vigorosamente as considerações que expendemos, ainda neste mês, sobre a política militar do Sr. Adolph Hitler.

Como dissemos, o Sr. Hitler já não é o senhor de vencer, mas até certo ponto de vista é senhor de dar a vitória a quem quiser. E essa vitória, conscientemente, deliberadamente, criminosamente, esse malfeitor público a está entregando nas mãos da Rússia. No ocaso de sua longa e sangrenta aventura política e militar, o Sr. Adolf Hitler, que procurara arrastar atrás de si em outros tempos toda a Europa na miragem de uma cruzada anticomunista, está dando a Stalin o cetro da dominação universal. Demonstra‑se, assim, que o anticomunismo do Sr. Hitler não é senão um mero “bluff” de propaganda política, e que, no fundo, os nazistas preferem a vitória do totalitarismo vermelho à das democracias ocidentais. A velha tese do LEGIONÁRIO se confirma: comunismo e nazismo são irmãos, e qualquer tentativa de nos apoiarmos sobre um para combater o outro é, no fundo, fazer o jogo de ambos. Hitler, que já não consegue guardar para si os louros, prefere que eles fiquem nas mãos de Stalin, que nas de Churchill ou Roosevelt. Stalin certamente preferiria que eles ficassem em mãos de Hitler, a vê-los adornando a fronte das potências “burguesas”. Desejando para si a vitória, cada um dos dois ditadores, desde que não a possa obter, prefere vê-las nas mãos do seu sósia.

*  *  *

É preciso que isso se afirme, se repita, se proclameneste momento em que certos propagandistas soviéticos no Brasil começam a torpedear insidiosamente o prestígio dos combatentes anglo-americanos. A ouvi-los, a Rússia bolchevista seria o maior dos colossos, o fator decisivo da vitória. Pelo contrário, as potências “burguesas”, infectadas de liberalismo, de moleza, de desorganização, estariam prestando um concurso perfeitamente secundário para o êxito da guerra. E, de tudo isto, se deduziria que só o comunismo possui uma organização política e social perfeita. A prova dos noves fora, da superioridade bolchevista, se teria feito em Stalingrado.

Esta afirmação audaciosa não pode passar sem alguns reparos.

*  *   *

Afirmemos, preliminarmente que fazemos uma distinção fundamental entre a Rússia e comunismo. Muitos russos poderão não compreender essa distinção, como certos italianos não compreenderiam que distinguíssemos entre Mussolini e a Itália, certos franceses não suportavam que atacássemos Pétain amando embora ardentemente a França, e muitos alemães jamais puderam compreender como, sendo nós furiosamente antinazistas, podíamos dizer-nos sinceramente desejosos do bem da nação germânica.Essa distinção entre um país e os aventureiros que se apoderam de sua direção, ou entre esse país e o regime político debaixo de cuja opressão geme, é entretanto elementar. Compreendam-nos ou não nos compreendam certos russos brancos, ainda ontem anticomunistas e hoje entusiasmados com o êxito das tropas soviéticas, a verdade é que o comunismo não é a Rússia, como não é o México, como não seria o Brasil se desgraçadamente ele se introduzisse aqui. O comunismo é um tipo de organização político-social diametralmente oposto à doutrina político-social da Igreja. Ele é, portanto, o contrário da civilização cristãÉ a civilização anticristã, ou seja a civilização do anti-cristoSer bom russo não é aplaudir o comunismo, mas combatê-lo para libertar dele quanto antes a Rússia. Se, portanto, queremos lutar inflexível e intransigentemente contra o comunismo, não o fazemos porque não estimemos o povo russo, mas muito pelo contrário: porque o amamos ardentemente em Nosso Senhor Jesus Cristo com aquela caridade universal ‑ católica ‑ que abraça todos os povos criados por Deus.

* * *

Isto posto, notemos que a Inglaterra e os Estados Unidos desembarcaram agora imensos efetivos na França, e não obstante tudo isto, não obstante a pressão militar na Itália, na Rússia, os nazistas resistem tremendamente às forças de desembarque no território gaulês.

Por que? Evidentemente porque desde o início o Sr. Hitler tem concentradas na França tropas incontáveis, recursos sem número, de munições como de víveres, tudo para fazer face a uma invasão aliada, efetuada de improviso.

Haveremos de reconhecer nos generais anglo-americanos verdadeiros poltrões? Havemos de entender que os chefes das nações anglo-saxônicas, nossas aliadas, são cretinos e imbecis? Ou haveremos de convir em que o Sr. Adolf Hitler realmente deixou no Ocidente recursos imensos, e que portanto só combateu contra a Rússia, no Oriente, com meios que estavam longe de representar o efetivo total do exército germânico? Neste último caso,como não haveremos de reconhecer que os russos, ao contrário dos franceses, não tiveram de enfrentar a plenitude dos recursos militares teutos, e que portanto a resistência da Rússia não tem todo o significado que se lhe quer atribuir?

Não negamos que a Rússia haja resistido com valor ao ímpeto nazista. Negamos, porém, que daí se deva deduzir que a Rússia venceu inteiramente só, os nazistas, nossos adversários comuns; que as nações burguesas fracassaram inteiramente; e que os atuais acontecimentos militares possam de um ou de outro modo demonstrar a superioridade do regime bolchevista sobre o regime em que vivemos.

A Rússia lutou com êxito e valor, é certo, mas só contra uma parte das forças germânicas. Teria ela resistido ao ímpeto total dos nazistas, caso estes tivessem feito as pazes com a Inglaterra e pudessem ter desguarnecido o front ocidental?

Este problema é muito sério.

*  *  *

Notemos antes de tudo que a Rússia recuou muito diante do primeiro ímpeto nazista. Recuou mesmo tanto, que se ela não tivesse o território imenso que possui, se ela fosse uma nação menor, teria sido literalmente varada de lado a lado.

Calculada a extensão do recuo russo, pergunta-se: se as tropas soviéticas tivessem sido obrigadas a defender a Bélgica, tê-lo-iam conseguido? Evidentemente não.

A Rússia contou, pois, com um primeiro fator independente do regime, que é a extensão do território. Vivesse esse regime “magnífico”, “fantástico”, “maravilhoso”, em um país pequeno, e teria sido culbuté [derrubado] no primeiro tranco nazista.

também não foi o comunismo que armou o outro grande fator de vitória: o general inverno, como tem dito espirituosamente a imprensa. Sem esse general, graças a cuja ação defensiva e protelatória foi possível aos russos preparar a resistência, o que lhe teria sucedido? O fracasso que tiveram no primeiro contato com as tropas finlandesas.

Auxiliadas pelo inverno, pela extensão territorial, imobilização de inúmeros efetivos nazistas, dada a iminência de uma invasão européia e a agitação dos povos conquistados da Europa, a Rússia conseguiu, depois de imensos desastres, reagir por fim. Reagiu com valor: aplaudamo-la. Reagiu com êxito: demos graças a Deus, porque tudo seria melhor ou menos mau que o triunfo nazista no mundo. Mas não exageremos as coisas: o êxito russo, que consideramos com tão sincera satisfação, está longe, longe, muito longe de servir de argumento para o regime comunista.

* * *

São ingratas essas discussões no momento em que nossa primeira tarefa deve consistir indubitavelmente em arrasar o inimigo no 1 da civilização cristã e do Brasil que é o Sr. Hitler. Por isto mesmo, é convenienteabafar de vez esses capciosos métodos de propaganda bolchevista.

Fonte: http://www.pliniocorreadeoliveira.info

3 COMENTÁRIOS

  1. Paulo Kelson, ativista anticomunista, Manaus.,

    Também lendo essas advertências sobre o comunismo do professor Plinio Corrêa de Oliveira, vejo que a tese do ilustríssimo professor se baseou na condenação da política da “mão estendida” ao comunismo da carta encíclica Divini Redemptoris do papa Pio XI descrito na biografia do papa Pio XII que possuo, neste livro relata em 1941 a resposta de Domenico Tardini ( 1888 – 1961), da cúria romana, sobre a insistência do embaixador norte-americano Myron Taylor, para que a Santa Sé relaxa-se sua condenação da contra o comunismo e apoiar a Carta do Atlântico a pedido de Roosevelt, onde mantinha essa política da “mão estendida” a União Soviética: “Stalin não é um líder pacifista coagido á guerra de defesa. É um promotor da guerra a cujo os planos criminosos se adiantou um criminoso mais audacioso do que ele”. Ajudar a URSS a ganhar a guerra não significa, na teoria, defender a doutrina comunista e o ateísmo militante, mas, na prática, “se os russos ganharem a guerra, a vitória será de Stalin e ninguém poderá destroná-lo”. Será, além disso, o comunismo vitorioso e senhor de todo continente europeu. Tardine espera que “da guerra que se trava atualmente na Rússia, o comunismo sairá abatido e o nazismo sairá enfraquecido e … a ser abatido”

    Pio XII concorda em explicar aos católicos norte-americanos o verdadeiro sentido da encíclica, foi enviada uma carta assinada por Tardine ao delegado apostólico em Washington, d. Amleto Cicongnani (1883 – 1973) , onde afirma: “Quanto á interpretação da passagem bem conhecida da encíclica Divini Redemptoris, de S.S. Pio XI, é simples. Com efeito, é uma norma fundamental da exegese que todo texto deve ser examinado em seu contexto natural. Diante disso, está claro que, nesse contexto, Pio XI pretendia referir-se á manobra bem conhecida da ‘mão estendida’. O papa advertia os fiéis de que não deviam, em seus países, dar sua colaboração aos comunistas, mesmo para iniciativas de caráter humanitário, porque eles iriam aproveitar essa colaboração para a difusão e triunfo de seu programa bolchevista. Tal é o sentido claro e explícito expresso por Pio XI nessa parte da encíclica. É esse sentido que deve ser tomado quando se quer citar essa passagem escrita pelo augusto pontífice. Além disso, é evidente que o santo padre só queria condenar em sua encíclica Divini Redemptores, o comunismo ateu, e não o povo russo, ao qual envia, no mesmo documento, expressões de benevolência e compaixão”.
    MELO, Carlos Veloso de, Pio XII—2. Ed. – São Paulo: Editora Três: Brasil 21, 2004. – (Biblioteca de História: grandes personagens de todos os tempos; 35), páginas 110 e 111.
    [1] Pio XII Devant , l’Histoire, pág.330.

  2. Sei que esse Aleksandr Dugin foi sumariamente massacrado pelo professor Olavo de Carvalho em um “debate na internet, de março a julho de 2011, fartamente compartilhado e comentado nas redes sociais, que resultou no livro “Os EUA e a Nova Ordem Mundial” (Vi­­de Editorial, 2012, 240 páginas)” [1]

    O IPCO acrescenta, publicando o artigo do ilustríssimo professor Plinio Corrêa de Oliveira denunciando as estratégias dos falsos profetas Revelados pelo Nosso Senhor Jesus Cristo nos Santos Evangelhos, também revelados os inúmeros anticristos pelo São João Evangelista em 1 João, 1, 18: “haverá muitos anticristos…”

    Tão revelador esse versículo das Sagradas Escrituras, que depois do eurasianismo de Dugin, virá o ameaçador retorno islâmico, apresentado no artigo Londonistão: uma visão presciente de uma ficção de 1914, sobre o livro de G.K. Chesterton (1874-1936), curioso livro de ficção intitulado The Flying Inn (A Pousada Voadora). No interlúdio da Primeira Guerra Mundial, ele imaginou o Império Otomano conquistando a Grã Bretanha e impondo a lei da Sharia. [2] (Muito atual nos dias de hoje e até no Brasil esquerdistas como Jean Wyllys querem aprovar lei que torne ensino obrigatório sobre islamismo em todas as escolas públicas do Brasil [3] e as relações dos membros dos partidos do PT e PSOL com o regime iraniano.

    [1] Esquerda já controla o conteúdo da imprensa e quer controlar também o cofre, Controle da mídia já existe, JOSÉ MARIA E SILVA | 04 JUNHO 2014: http://www.midiasemmascara.org/artigos/governo-do-pt/15240-2014-06-04-19-54-23.html

    [2] http://www.midiasemmascara.org/artigos/globalismo/15249-2014-06-08-21-00-00.html

    [3] Jean Wyllys apoia o ensino do Islâmismo Homofóbico nas escolas: http://liberdadeeconomica.com/home/2013/06/15/jean-wyllys-apoia-o-ensino-do-islamismo-homofobico-nas-escolas/

  3. Tudo quanto neste profético artigo o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira diz de Adolf Hitler, deve, mutatis mutandis, ser aplicado hoje a Vladimir Putin. A história se repete. E o pior cego é aquele que, mesmo depois de alertado, teima em não ver a realidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome