O Cardeal Bea particpou das conversações sigilosas prévias ao Concílio que combinaram entre Moscou e o Vaticano o silêncio conciliar sobre o comunismo

O vaticanista Andrea Tornielli, (“Paolo VI. L’audacia di un Papa”) trouxe nova luz sobre a omissão da condenação explícita do comunismo pelo Concilio Vaticano II, segundo o escritor Antonio Socci no diário “Libero”.

Tornielli publicou carta inédita do cardeal Tisserant, de 22.8.1962, confirmando o acordo entre representantes do Vaticano e da Rússia soviética para impedir a condenação.

Também confirma as irregularidades processuais com que a mesa diretora do Concílio impediu que fosse votado o pedido de condenação do comunismo assinado por mais de 400 Padres conciliares.

Socci lembra que o cardeal Biffi, arcebispo emérito de Bologna, em um de seus livros escreveu:

“o comunismo foi o fenômeno histórico mais imponente, destacado e trasbordante do século XX, e o Concílio, que elaborou uma Constituição ‘Sobre a Igreja no mundo contemporâneo’, não falou dele…

“O comunismo tinha praticamente imposto o ateísmo às populações escravizadas como uma filosofia oficial e uma paradoxal ‘religião de Estado’; e o Concilio, que se detém no caso dos ateus, não falou dele.

Agentes da KGB que eram hierarcas da Igreja Ortodoxa Russa desceram em Roma e participaram do Concílio para garantir o cumprimento dos acordos

“Nos próprios anos em que se desenvolvia a assembleia ecumênica, as prisões comunistas eram locais de sofrimentos inenarráveis e de infinitas humilhações infligidas a numerosos ‘testemunhas da Fé’ (bispos, presbíteros, leigos, crentes); mas o Concílio não falou disso”.

 *     *     *

O professor Plinio Corrêa de Oliveira formulou o balanço final do silêncio do Concílio sobre o comunismo mais focado pelos  especialistas que discorrem sobre o tema, em seu livro chave “Revolução e Contra-Revolução”:

Dentro da perspectiva de “Revolução e Contra-Revolução”, o êxito dos êxitos alcançado pelo comunismo pós-staliniano sorridente foi o silêncio enigmático, desconcertante, espantoso e apocalipticamente trágico do Concílio Vaticano II a respeito do comunismo.

Este Concílio se quis pastoral e não dogmático. Alcance dogmático ele realmente não o teve.

Além disto, sua omissão sobre o comunismo pode fazê-lo passar para a História como o Concílio a-pastoral.

Explicamos o sentido especial em que tomamos esta afirmação.

Figure-se o leitor um imenso rebanho enlanguescendo em campos pobres e áridos, atacado de todas as partes por enxames de abelhas, vespas, aves de rapina.

Os pastores se põem a regar a pradaria e a afastar os enxames.

– Esta atividade pode ser qualificada de pastoral?

– Em tese, por certo. Porém, na hipótese de que, ao mesmo tempo, o rebanho estivesse sendo atacado por matilhas de lobos vorazes, muitos deles com peles de ovelha, e os pastores se omitissem completamente de desmascarar ou de afugentar os lobos, enquanto lutavam contra insetos e aves, sua obra poderia ser considerada pastoral, ou seja, própria de bons e fiéis pastores?

Em outros termos, atuaram como verdadeiros Pastores aqueles que, no Concílio Vaticano II, quiseram espantar os adversários “minores”, e impuseram livre curso – pelo silêncio – a favor do adversário “maior”?
Com táticas “aggiornate” – das quais, aliás, o mínimo que se pode dizer é que são contestáveis no plano teórico e se vêm mostrando ruinosas na prática – o Concílio Vaticano II tentou afugentar, digamos, abelhas, vespas e aves de rapina.

Seu silêncio sobre o comunismo deixou aos lobos toda a liberdade.

A obra desse Concílio não pode estar inscrita, enquanto efetivamente pastoral, nem na História, nem no Livro da Vida.

É penoso dizê-lo. Mas a evidência dos fatos aponta, neste sentido, o “Concílio Vaticano II” como uma das maiores calamidades, se não a maior, da História da Igreja (Cfr. Sermão de Paulo VI, de 29/6/1972).

A partir dele penetrou na Igreja, em proporções impensáveis, a “fumaça de Satanás“, que se vai dilatando dia a dia mais, com a terrível força de expansão dos gases. Para escândalo de incontáveis almas, o Corpo Místico de Cristo entrou no sinistro processo da como que autodemolição.

A História narra os inúmeros dramas que a Igreja vem sofrendo nos vinte séculos de sua existência.

Oposições que germinaram fora dela, e de fora mesmo tentaram destruí-la. Tumores formados dentro dela, por ela cortados, e que já então de fora para dentro tentaram destruí-la com ferocidade.

– Quando, porém, viu a História, antes de nossos dias, uma tentativa de demolição da Igreja, já não mais feita por um adversário, mas qualificada de “autodemolição“ em altíssimo pronunciamento de repercussão mundial? (Cfr. Alocução de Paulo VI ao Seminário Lombardo, em 7/12/1968)

Daí resultou para a Igreja e para o que ainda resta de civilização cristã, uma imensa derrocada.

A “Ostpolitik” vaticana, por exemplo, e a infiltração gigantesca do comunismo nos meios católicos, são efeitos de todas estas calamidades. E constituem outros tantos êxitos da ofensiva psicológica da “III Revolução” [N.R.: a Revolução comunista] contra a Igreja.

Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, “Revolução e Contra-Revolução”, Editora Artpress, São Paulo, Parte III, capítulo II, 4, A. O Concílio Vaticano II) 

6 COMENTÁRIOS

  1. OMITIR A CONDENAÇÃO AO MARXISMO SERIA O SINAL VERDE PARA PROSSEGUIR OS ASSALTOS À FÉ!
    A infiltração comunista na Igreja iniciou de forma sistemática na década de 30, pessoalmente acompanhada por Lênin, atendendo ao que a maçonaria planejara, relatado nas cartas de correspondencia entre dois conspiradores maçônicos, Vindice e Nubius, da sociedade secreta luciferiana, os carbonários, conhecida como a Alta Vendita, publicou uma série de Instruções Permanentes, ou Código de Regras, que apareceram em Itália em 1818, contendo em seus macabros projetos:
    “…É um dever das sociedades secretas fazer o primeiro ataque à Igreja e ao Papa, com o objetivo de conquistá-los aos dois. A obra a que nos propomos não é uma obra de um dia, nem de um mês, nem de um ano. Poderá demorar muitos anos, talvez um século… O que devemos pedir, o que devemos buscar e esperar, assim como os judeus esperam pelo Messias, é um papa de acordo com as nossas necessidades. Precisamos de um papa para nós, se tal Papa fosse possível. Com esse papa, conseguiremos marchar mais seguramente ao assalto à Igreja do que com todos os livrinhos de nossos irmãos franceses e ingleses.”
    O Papa Paulo VI admitiu oito anos após o Concílio que “a abertura ao mundo tornou-se uma verdadeira invasão da Igreja pelo pensamento mundano. Fomos talvez demasiado fracos e imprudentes.” e acertou, diagnosticando a respeito de determinados personagens presentes indesejáveis, comparecendo com segundas intenções, inimigos da Igreja cismáticos, maçons-comunistas da KGB e protestantes travestidos de eclesiásticos de suas “religiões”.
    No entanto, três anos depois do Concílio o Papa Paulo VI tinha admitido que “A Igreja está num período agitado de autocrítica, que poderia antes chamar-se auto-demolição”, corroborando o acima, pois teria percebido que o Concilio não atingira o ideal.
    Já em 1972, talvez no mais espantoso comentário jamais feito por um Pontífice Romano, Paulo VI lamentou que “Por alguma fresta o fumo de Satanás entrou no Templo de Deus”.
    Daí à frente, a Igreja foi sendo solapada em ascensão a partir de dentro por inúmeros inimigos infiltrados que passaram a agir dentro dos seminarios, institutos religiosos, em varios movimentos paralelos subvertendo os católicos para o socialismo “cristão”, caso da esquerdista TL e similares até chegar ao clímax, agora com o papa Francisco, de forma mais acentuada e agressiva e com ajuda da midia mundial associada aos globalistas, chegando ao patamar em que agora estamos!
    SE HOJE PROFANAM RECORRENTEMENTE A S MISSA E A S COMUNHÃO – AONDE CHEGAMOS?

    • Geraldo, a missa não foi profanada. Pois as verdadeiras missas tridentinas e gregorianas, ainda são permitidas. Mas sim, foi-nos imposta uma “nova missa”, onde o sacerdote aparece mais que o Cristo. Onde ela é celebrada para o povo, e não para Jesus. Como deveria ser.

  2. Brasil y el Vaticano II:
    El “progresismo” proceso: Liberalismo catolico-modernismo- neo modernismo que procuro incrustarse en el Vaticano II procurando convertir la Iglesia Catolica en la Super Secta subbversiva de la ley natural y verdades de fe, desemboco previamete de Europa en Brasil mediante “La accion catolica ” brasileña , los errores infiltrados en la accion catolica segun denuncia de D. Plinio Correa de Oliveira y de alli fue al Vaticano II en ” doctrina” y ” personajes” brasileños que influyeron en el “progresismo ” europeo conciliar.
    Los frutos sanos del Vaticano II tambien procedieron de Brasil donde habian desembocado los europeos y fueron a influir en la tradicion genuina catolica de los mejores frutos de los obispos , fieles a la tradicion europeos.
    Ejemplo del “Progresismo ” brasileño Helder Camara, de la Tradicion en Brasil los Obispos Castro Mayer,Sigaud y la inspiracion de Don Plinio Correa de Oliveira.

  3. Impressionante. Vivi todo este processo de traição dos Padres Conciliares. Algo realmente apocalíptico. Processo este que culmina (ou será que ainda não chegou ao cume?) com Bergoglino ascendo ao Papado. Sem dúvida a maior crise da Igreja, maior que a crise do Arianismo ou da Revolução protestante, porque agora, é um apodrecimento das fibras internas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome