Malabarismos para “provar” o aquecimento global

Não há aquecimento global desde 1998, constatam os instrumentos de medição do clima. Mas uma equipe liderada por Robert Kaufmann, do Departamento de Geografia da Universidade de Boston (EUA), tentou salvar a face dos “aquecimentistas”. O trabalho entrou na história como uma das maiores piruetas para justificar o injustificável. Ele assevera que a fabulosa emissão de súlfuros-poluintes por parte da China impediu que o “aquecimento global” aparecesse nas medições. Segundo essa visão, enquanto a sociedade capitalista teria aquecido a temperatura global, a poluição chinesa e outros fatores “salvaram o planeta”.

Para Judith Curry, do Georgia Institute of Technology, o argumento “é totalmente não convincente” do ponto de vista científico.

Fonte: Revista Catolicismo, Agosto 2011