Este é o famoso castelo de Saumur.

Há no castelo duas partes diferentes: uma parte vai do chão até as primeiras janelas.

São torres fortes que agarram como garras. Essas torres suportam com decisão e para todo o sempre, uma massa enorme.

À medida que as torres vão subindo, vão se tornando mais leves. E no alto elas como que se dividem num mundo de agulhas, de flechas, que todas elas tendem para o Céu.

Todas elas ‒ aqui a reprodução não dá ‒ têm no alto figuras simbólicas: um galo, símbolo da França, símbolo da Igreja, ou uma flor-de-lis, grandes e douradas.

De maneira que, quando bate o meio-dia sobre o castelo de Saumur, dá a impressão de que ele vai levantar para o Céu.

Podemos imaginar o castelo durante a noite, com vitrais em todos essas janelas, que fazem dele um escrínio de pedras preciosas luminosas, acesas na luz indecisa das velas.

As torre são tão altas que, para encostar escada e começar a subir, já levou tanta pedrada, tanta flecha, tantos recipientes de óleo em ebulição, de água quente, que não se ataca!

Castelo fortíssimo, castelo de uma delicadeza maravilhosa, que tem as garras na Terra, portanto é pão-pão, queijo-queijo, mas tem a alma no Céu.

Assim deve ser a alma do verdadeiro católico.

Nas suas culminâncias deve ser subtil, pronta para mover-se, elevada e tendendo para o Céu como uma chama de uma vela.

Mas, no que se diz de prático, agarra ali! Pega, faz e manda!

  • Excerto de uma conferência, sem revisão do autor.
COMPARTILHAR
Artigo anteriorFinlândia: Parlamento faz ouvidos moucos ao apelo da população contra “casamento” homossexual
Próximo artigo“Não se dê aparência de Sacramento a uniões ilegítimas”
Plinio Corrêa de Oliveira
Homem de fé, de pensamento, de luta e de ação, Plinio Corrêa de Oliveira (1908-1995) foi o fundador da TFP brasileira. Nele se inspiraram diversas organizações em dezenas de países, nos cinco continentes, principalmente as Associações em Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), que formam hoje a mais vasta rede de associações de inspiração católica dedicadas a combater o processo revolucionário que investe contra a Civilização Cristã. Ao longo de quase todo o século XX, Plinio Corrêa de Oliveira defendeu o Papado, a Igreja e o Ocidente Cristão contra os totalitarismos nazista e comunista, contra a influência deletéria do "american way of life", contra o processo de "autodemolição" da Igreja e tantas outras tentativas de destruição da Civilização Cristã. Considerado um dos maiores pensadores católicos da atualidade, foi descrito pelo renomado professor italiano Roberto de Mattei como o "Cruzado do Século XX".

2 COMENTÁRIOS

  1. Tenho 58 anos de idade e, portanto, era muito pequeno à epoca do Concílio Vaticano II. Gostaria de ler mais sobre ele, por partilhar da opinião que este foi “porta de entrada” para movimentos estranhos ao Catolicismo e de abandono da Tradição e da Palavra de Cristo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome