Os Estados Unidos devem defender a justiça e ajudar a Ucrânia contra a “guerra injusta” de Putin

3

Manifesto da TFP americana apela ao Vaticano, às potências europeias e aos EUA em defesa da Ucrânia. O direito da Ucrânia em se libertar do comunismo, em 1991. A obrigação moral das potências ocidentais de defenderem a Nação contra a injusta invasão de Putin.

***

“A Sociedade Americana para a Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP) denuncia e condena categoricamente a guerra injusta do presidente Vladimir Putin contra a Ucrânia e insta a Federação Russa a retroceder imediatamente suas tropas aos seus quartéis e indenizar o povo ucraniano por suas perdas.

A TFP americana elogia o presidente Volodymyr Zelenskyy e o povo ucraniano por sua nobre e heróica resistência em defesa de sua pátria.

“A TFP americana pede ao presidente Joseph Biden e líderes políticos em todo o mundo que punam com força a Rússia por sua guerra injusta e ajudem imediata e poderosamente a Ucrânia militar e economicamente, encerrando rapidamente a invasão injustificável.

A obrigação dos Estados Unidos e do mundo de ajudar a Ucrânia e punir a Federação Russa por sua guerra injusta não decorre apenas de tratados e outros acordos internacionais. Em vez disso, vem da lei natural e das virtudes da justiça e da caridade, que todos – incluindo as nações – têm o dever de sempre e em todos os lugares defender na medida do possível.

Na esteira da Segunda Guerra Mundial, o Papa Pio XII lembrou as nações deste sério dever:

  • “Uma coisa é certa: o preceito da paz é de direito divino. Sua finalidade é a proteção dos bens da humanidade, como bens do Criador. Alguns desses bens são tão cruciais para a convivência humana que sua defesa contra agressões injustas é, sem dúvida, plenamente legítima. A solidariedade das nações é necessária nesta defesa. Eles têm o dever de não deixar as pessoas atacadas abandonadas. A certeza de que esse dever será cumprido servirá para desencorajar o agressor e, portanto, evitar a guerra, ou pelo menos, na pior das hipóteses, abreviar o sofrimento. ” (Pio XII, “Mensagem de Rádio de Natal”, 24 de dezembro de 1948. Destaque nosso)

“A Ucrânia tinha o direito de se libertar do comunismo em 1991. A Ucrânia tem o direito de permanecer livre hoje, recusando-se a ser escravizada pelo nacionalismo pós-comunista, cosmista e pan-eslavo de Putin.

America Should Uphold Justice and Help Ukraine Against Putin’s Unjust War
Nossa Senhora de Zarvanytsia proteja a Ucrânia

“Parece que além de conquistar a Ucrânia, o objetivo estratégico de Vladimir Putin nesta guerra injusta é destruir a hegemonia do Ocidente cristão. A partir dessa perspectiva, a inação americana só joga nas mãos do tirano, enquanto defender a justiça socorrendo a vítima inocente dessa agressão imoral atrairá a misericórdia de Deus para nossa nação pecadora.

“Assim, a TFP americana denuncia o isolacionismo equivocado e o autoengano de incontáveis ​​conservadores americanos que desculpam o autoritarismo indefensável de Putin porque preferem ver neste ex-coronel da KGB um novo Carlos Magno ou Constantino com uma missão de Deus para restaurar a cristandade.

A”TFP americana pede ao Papa Francisco que denuncie a guerra injusta da Rússia aproveitando este momento histórico para consagrar a Rússia ao Imaculado Coração de Maria, em união com todos os bispos católicos do mundo, nos exatos termos solicitados pela Mãe de Deus em Fátima, em 1917.

“Além disso, e conforme solicitado por Nossa Senhora naquela ocasião, a TFP americana conclama todos os católicos americanos a rezarem o Rosário diariamente – implorando a Deus que intervenha, dando à Ucrânia a vitória nesta guerra injusta e que a Rússia finalmente se converta de seus erros.

“Por fim, a TFP americana suplica a Nossa Senhora de Zarvanytsia que proteja e interceda pelos valorosos católicos da Ucrânia e traga todos os ucranianos para o aprisco da única e verdadeira igreja de seu Divino Filho – a Igreja Santa, Romana, Católica e Apostólica – como ardentemente desejado por Santa Olga de Kiev, seu neto São Vladimir, o Grande, São Josafá, o Mártir, e os milhões de vítimas da perseguição comunista soviética, incluindo o Beato Klymentiy Sheptytsky.”

https://www.tfp.org/america-should-uphold-justice-and-help-ukraine-against-putins-unjust-war/

3 COMENTÁRIOS

  1. […] “A Ucrânia tinha o direito de se libertar do comunismo em 1991. A Ucrânia tem o direito de permanecer livre hoje, recusando-se a ser escravizada pelo nacionalismo pós-comunista, cosmista e pan-eslavo de Putin.” https://ipco.org.br/os-estados-unidos-devem-defender-a-justica-e-ajudar-a-ucrania-contra-a-guerra-in… […]

  2. É absolutamente INCRÍVEL que os senhores não estejam enxergando o óbvio! É cristalino que as “potências ocidentais” não ligam a mínima para os valores tradicionais católicos.

    O conflito russo-ucraniano é geopolítico, mas representa também um embate entre cosmovisões.

    De um lado, o lado russo, o lado do Donbass, vemos a defesa da Tradição, da espiritualidade, da família, da pátria, da honra, da camaradagem.

    Os russos querem a amizade dos ucranianos porque o povo russo ama o povo ucraniano. O povo russo vê o povo ucraniano como irmão, ramo da mesma árvore. E, por mais que a mídia faça parecer o contrário, muitos ucranianos concordam, por mais que a grande maioria deles esteja infeliz com a guerra por motivos óbvios. Toda a operação militar russa na Ucrânia é uma prova disso. Afinal, o uso de força está sendo mínimo, e todas as operações têm sido cirúrgicas.

    O outro lado, porém, o lado “ucraniano” (ou seja, das potências atlanticistas que estão usando a Ucrânia como bucha de canhão), é o lado do lobby LGBT, do americanismo, da McDonaldização do mundo, do desenraizamento cultural, da imigração irrestrita, do fim das fronteiras, da usura, da tirania oligárquica, etc.

    Um setor importante do povo ucraniano foi convencido de que ele é “ocidental” e de que ele não tem nada a ver com os russos. Foi plantado no seu coração um enorme ressentimento por suas origens.

    Na prática, não é difícil perceber quem tem razão.

    Nesse momento, os autênticos patriotas e nacionalistas ucranianos estão se unindo aos militares russos para libertarem seu país da tirania direta e oligárquica do pós-liberalismo.

    Se eles fracassarem, Kiev se tornará uma Nova Iorque, uma Londres ou uma Paris. Essa luta é a luta pela salvação da Ucrânia.

Deixe uma resposta