pec-trabalho_escravo

Boletim Sem medo da Verdade

Queremos chamar sua atenção para um assunto que afeta o direito de propriedade no campo e na cidade.

Durante a noite, sob estrito silêncio dos meios de comunicação e da classe proprietária, o Congresso tenta aprovar Proposta de Emenda Constitucional – PEC 57A – que prevê expropriação sumária, sem indenização, da propriedade rural ou urbana caso haja ‘trabalho escravo‘.

Trata-se, aliás, de uma figura jurídica ambígua que abrirá caminho para as maiores arbitrariedades. Ela poderia se chamar com todo propósito PEC-armadilha contra a propriedade.

Alguém já a apelidou também de PEC da hipocrisia, pois seus autores a conceberam com alta carga emocional, explorando ao máximo a palavra escravidão. A quem pode interessar isso? – Àqueles que odeiam o agricultor e a sua propriedade!

Sim. Eles querem a expropriação das terras. Aquilo que não se conseguiu na Constituinte em nome da Reforma Agrária, pretende-se agora ­– a propósito do pretenso trabalho escravo – golpear mortalmente, isto é, o direito de propriedade.

Com efeito,a PEC fala em expropriação.O que equivale a penalizar a propriedade e não o proprietário criminoso. Expropriação é igual à desapropriação sem nenhuma indenização.

A Cortina de Ferro caiu em 1989 desvendando para o mundo o fracasso e o terror do socialismo. Na América do Sul, suas viúvas querem ressuscitá-lo com outras roupagens, como os ‘direitos humanos’ do PNDH-3.

A agropecuária foi escolhida como alvo pela CPT, remanescentes das CEBs, MST,certas ONGs, setores influentes da OIT e Ministério do Trabalho como o principal obstáculo a ser derrubado para se alcançar a meta socialista e igualitária.

Porque tanta insistência sobre trabalho escravo? Por que vinculá-lo quase tão- só à agropecuária, como se trabalho escravo fosse prática habitual no meio rural? Por que expropriação? Não constituirá temeridade pôr na Constituição esse instrumento draconiano, aplicável a um crime indefinido, sujeito a generalizações?

A Campanha Paz no Campo alerta sobre os efeitos da eventual aprovação da PEC 57A, pois o Brasil ganhará mais uma fonte de conflitos no meio rural, onde os agitadores e invasores profissionais não desejam outra coisa!

O que o País precisa é de uma reforma das leis trabalhistas para mais bem atender as suas atividades econômicas, sobretudo às do campo. Leis que facilitem a geração de emprego e a legalização de milhões de trabalhadores informais.

Não permitamos esse golpe mortal contra o direito de propriedade sob pretexto escuso de ‘trabalho escravo’.

Envie sua mensagem a todos os senadores de sua região.

Não perca tempo! Participe da Campanha enviando logo a sua mensagem. Clique aqui.

Certo de sua efetiva participação, renovo os meus cumprimentos.

Atenciosamente
Paulo Henrique Chaves
Coordenador de Paz no Campo

Deixe um comentário!