Peru, Sendero Luminoso, Esquerda Católica no Brasil

1

Estima-se que o Sendero Luminoso foi responsável pela morte de mais de 30 mil pessoas, no Peru. Suas operações terroristas terminaram quando o principal líder desse grupo foi capturado sob a presidência de Alberto Fujimori.



Panampost: “O que vem à mente quando você lê o Sendero Luminoso? Uma religião? Poderia ser um tipo de seita? Bem, o Sendero Luminoso é um grupo guerrilheiro terrorista do Peru. O Sendero Luminoso foi fundado no final dos anos 1960 pelo então professor Abimael Guzmán, cujos ensinamentos criaram as bases para a doutrina maoísta de seus militantes.”

Como bem definiu o Prof. Plinio, o comunismo é, sim, uma seita filosfófica, ateia, materialista que deseja impor sua nefasta doutrina a todas as Nações, amordaçar os povos. As guerrilhas na América seguem a cartilha marxista.

Nasce um grupo marxista

“Primeiro, ele estabeleceu uma base na Universidade Nacional de San Cristóbal de Huamanga, onde Guzmán ensinava filosofia. (…)

“No início da década de 1980, o grupo passou a ter um caráter político e militar, e as milícias foram obrigadas a se deslocar para áreas estratégicas das províncias para iniciar a luta armada.

“O grupo também teve sua Primeira Escola Militar, onde os militantes foram instruídos em táticas militares e no uso de armas. Também foi realizada “crítica e autocrítica”, uma prática leninista cujo objetivo era evitar a repetição de erros e expurgar os maus hábitos” (de origem burguesa).

Seu primeiro ato terrorista foi quando os senderistas queimaram as urnas em um município da província de Cangallo, no departamento de Ayacucho. Foi o dia em que se realizaram as primeiras eleições democráticas no Peru, após doze anos de um regime militar (de esquerda)

Uma trajetória de crimes e sangue

Continua a notícia: “Por sua vez, Sendero continuou sua luta armada desde o meio rural e iniciou uma temporada de aniquilação das autoridades civis e políticas e de todos os vestígios de autoridade do Estado, porque seu objetivo era substituir as instituições peruanas que consideravam burguesas por um regime camponês comunista revolucionário. , graças a um conceito maoísta de “Nova Democracia”.”

“Em 1984 (ano com maior número de vítimas, 18% do total), o número médio de mortes pelo Sendero Luminoso chegou a 5,62 por dia; foi também neste ano que o Sendero Luminoso adotou o antigo costume de outros grupos guerrilheiros para se financiarem com o dinheiro das drogas.”

Holocausto de indígenas peruanos Asháninka

O ano de 1989 foi caracterizado por carros-bomba, 1925 ao todo.

Além disso, eventos como o Holocausto Asháninka (os Asháninkas são um grupo étnico amazônico que vive na selva peruana) perpetrados pelo Sendero Luminoso. A partir desse fato, estima-se que 6.000 Ashaninkas morreram, 5.000 desapareceram e 10.000 deslocados.

Uma boa indicação para os antropólogos, para indigenistas … pedir justiça para os Asháninka.

No início de 1991, os Senderistas praticavam o culto da personalidade com respeito a Guzmán, então a ideologia de Sendero deixou de ser Maoísmo e passou a se referir a ele como “Marxismo-Maoísmo-Leninismo-Pensamento Gonzalo”. (Gonzalo era o pseudônimo de Guzmán).

Guerrilha fracassa sem apoio na opinião pública

“À medida que o Sendero Luminoso cresceu e abrangeu uma área maior no Peru, a organização enfrentou sérios problemas. Sua doutrina maoísta não obteve resposta (positiva) da população e suas ações violentas tiraram a simpatia que alguns setores da população demonstraram por ele em algum momento.”

As guerrilhas fracassaram no Brasil, na América Latina por falta de apoio popular. Padres guerrilheiros como Camilo Torres — que morreu no combate do ELN contra forças do exército colombiano — provam a infiltração marxista na Teologia da Libertação. No Brasil, Dilma Roussef, José Dirceu, entre outros.

Frei Betto e Marighela

“Conheci Marighella em 1967, no convento dominicano de São Paulo, quando se mostrou interessado no apoio dos frades à sua proposta revolucionária e nos presenteou com os seus poemas. (…) Ingressou na faculdade de engenharia, mas não terminou o curso. Dedicou-se a defender os direitos dos mais pobres como militante do Partido Comunista. Eleito deputado federal pela Bahia, em 1946, se viu obrigado a retornar à luta clandestina tão logo o governo Dutra cassou o PCB.”

Continua Frei Betto: “Marighella, com quem tive diversos contatos, era um homem afável, culto, que tratava seus comandados como irmãos e irmãs mais novos. Sabia ouvir críticas e reconsiderar suas posições. Sensato, jamais sugeriu que os frades devessem participar de ações armadas. Nossas tarefas eram todas de apoio, como abrigar militantes feridos ou facilitar a saída clandestina do país daqueles que, identificados, eram arduamente perseguidos.”

“Como militante da utopia, Marighella é um exemplo a ser seguido por todos aqueles que se encontram, hoje, insatisfeitos com a atual conjuntura brasileira.” https://ceseep.org.br/50-anos-marighella-50-anos-frei-betto/

***

A guerrilha na América Latina adaptou-se as condições psicológicas dos respectivos países. Brutal e assassina em Cuba, Peru, Colombia, teve mais rejeição no Cone Sul. No Brasil, o fracasso foi total. Nunca se entenderá suficientemente a fundação do PT e sua ascenção ao Poder sem o concurso de sua coluna mestra, a esquerda católica. Confessaram-no por diversas fontes, líderes do PT e da Esquerda Católica. Mas, esse não é o objeto do artigo.

A esquerda tenta renascer, no Continente, como o disse Dirceu, querendo Tomar o Poder.

Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira das Américas vele pelo Peru e pelas Nações ibero-americanas. Faça renascer aqui uma reação católica e anticomunista para que as Américas deem o exemplo que cabe ao Novo Mundo.

Fonte: https://panampost.com/editor/2021/06/03/la-infiltracion-cubana-latinoamerica-la-iluminacion-sendero-luminoso/

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta