lisboa-tem-um-belo-panorama-pague-mais-seu-capitalista-explorador-do-meio-ambiente
Tem um belo panorama em Lisboa? Pague mais seu capitalista explorador do meio ambiente!

Em nome da “justiça social”, prefeituras portuguesas conceberam um imposto genuinamente “verde” e draconianamente contrário à propriedade privada.

Trata-se de penalizar os “odiosos ricos” – segundo a expressão de Reinformation.tv que informou o fato.

O “crime” é que algumas casas tenham maior exposição ao sol ou uma visão panorâmica melhor. A punição está contida no decreto-lei 41 de 2016 e poderá aumentar as taxas municipais cerca de 20 %.

Proprietários e locatários que vivem em casas ou apartamentos voltados para um cemitério ou pouco iluminados terão um desconto de 10 %.

Os portugueses estão furiosos com essa “taxa da luz”. O Estado não diz que está precisando de dinheiro ou de estar sendo constrangido pela União Europeia, mas reconhece que a finalidade é filosófica “igualitária”.

Segundo o secretário de Estado das Finanças, Fernando Rocha Andrade, trata-se de taxar em função do luxo de ter luz solar e panorama, benefícios de tipo ambiental.

Não levará em conta o número dos membros da família nem a qualidade dos serviços públicos. A propriedade será taxada pelo fato de ser ambientalmente agradável ou confortável.

Uma boa parte da população acusa o governo socialista de estrangular a classe média com onerações cada vez mais altas, especialmente em Lisboa.

A Associação dos Proprietários de Lisboa foi tomada de surpresa por esta carga tributária inspirada numa ideologia que não imaginavam: o ambientalismo!

“Essa lei não tem senso algum. As pessoas vão pagar impostos sobre os elementos”, declarou seu presidente.

lisboa-recebe-sol-pague-mais-seu-rico-desigual-consumidor-das-energias-planet_rias
Recebe mais sol em Lisboa? Pague mais seu ‘rico’ desigual consumidor das energias planetárias!

Para maior escárnio, nas últimas décadas os prédios foram feitos de modo a aproveitar ao máximo a exposição à luz solar e reduzir o consumo de energia. E agora o Alcorão verde que seduziu os cidadãos comprometidos com o meio ambiente castiga-os sem clemência!

Absurdos ainda maiores advirão da definição dos prédios taxáveis. Como definir o montante a ser cobrado em virtude da visão panorâmica?

Como se medirá a quantidade de luz solar que recebe a casa: por dia, semana, ano? E se for um ano com muita chuva, nuvens, ou pouco sol?

Os proprietários já foram advertidos: não batizem suas casas ou prédios de apartamentos com nomes como “Bela vista”!

Ironicamente, diz-se que será melhor chamar a própria casa ou prédio de “Buraco dos ratos”, ou “Porão escuro”.

É o miserabilismo verde, que ataca o estilo de vida “consumista” e “hedonista”, condenado como “explorador”, “rico” anti-igualitário que “esgota” os recursos do planeta!

Como Marx e seu “O Capital” ficaram longe na história! Estamos na era do aquecimento global e da “Laudato Si’”!

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 

4 COMENTÁRIOS

  1. Trata-se de o povo unir-se e não tolerar esse disparate. Estas estórias de aquecimento global, recurso finito do planeta, efeito estufa, imposto sobre o uso da água e outras irracionalidades são os “argumentos” que não só os comuno-socialistas acham válidos, mas também muitos que se dizem de direita ou de centro. Devemos alertar, com todos os meios lícitos possíveis, os que ainda acreditam em tais asneiras, da mentira velhaca destas.

     
  2. Se trata tão somente de socialistas seguindo à risca a cartilha vermelha, que manda criar mais e mais tributos para sufocar, estrangular, o livre mercado enquanto se amplia cada vez mais a obesidade estatal. O Brasil seguia na mesma linha.

     
  3. O problema é a manutenção da enorme quantidade de burocratas e improdutivos inúteis que vivem as custas do estado. Ninguém quer trabalhar duro mais. O Brasil vive o mesmo paradoxo, só que aqui a economia é mais pujante, mas chegou ao limite do suportável e agora esta em declínio. Ou o governo reduz a carga tributária, os privilégios da burocracia e dos desperdícios estatais ou iremos para o buraco. A situação é tão dramática que enquanto os EUA planejam explorar marte aqui se discute como dar comida ao povo e em Portugal como taxar a luz solar. Impressionante a decadência Lusofonica.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome