Velho discurso marxista guiou a reforma agrária e jogou o riquissimo pais na miséria 1024
Velho discurso marxista guiou a reforma agrária e jogou o riquíssimo pais na miséria

A reforma agrária no Zimbabwe jogou o país na miséria e na ditadura comunista. Porém, diante da fome, o regime marxista teve que dar astutos passos atrás.

Agora, o ministro do Interior, Joel Biggie Matiza, em discurso público a líderes agrícolas “assentados”, prometeu que a “corrupção” em decorrência da qual 10% das propriedades foram alugadas a diplomatas, a veteranos de guerra e outros capazes de produzir, iria acabar para não prejudicar mais a igualdade prometida pelo programa de reforma agrária, informou o Zimbabwe News Day.

Na mesma ocasião, o ministro do Território e Assentamento Agrário, Douglas Mombeshora, anunciou que o governo não permitirá mais que os “brancos” continuem ficando com o grosso da produção nas terras que lhes foram dadas em concessão.

A luta de classe marxista e racial jogou o país no precipício
A luta de classe marxista e racial jogou o país no precipício

“Eles não são os proprietários da terra”, lançou Mombeshora em tom ameaçador.

“O que quer dizer que nós não permitiremos o aluguel de 10% das terras. Não faremos mais acordos com ex-produtores rurais brancos”, acrescentou.
E se os produtores depreciativamente rotulados de “brancos” alugarem suas terras a um “negro” para evitar problemas legais, terão 90 dias para abandonar definitivamente as mesmas.

Matiza acrescentou que o governo dará as terras a seus verdadeiros protetores, quer dizer, aos líderes tribais.

Destruição de fazendas produtivas em nome do socialismo e da igualdade racial
Destruição de fazendas produtivas em nome do socialismo e da igualdade racial

“A reforma agrária se espalhou desde a província de Mashonaland – acrescentou –, mas nossos chefes foram reduzidos a capatazes para fugir da distribuição da terra. Agora, nesta província, vamos proteger o verdadeiro povo contra os opressores” num autêntico discurso de luta de classes.

Ele disse ainda que mais de 20.000 pessoas constam de uma lista pedindo terra.

“Os produtores brancos que estão trabalhando em atividades agropecuárias não serão mais tolerados porque isso é ilegal nos termos da lei do país. As fazendas que excedem o tamanho fixado serão divididas, para se encaixarem dentro do tamanho máximo definido pelo governo”, concluiu.

5 COMENTÁRIOS

  1. Como nossos assim chamados governantes, essa raça de víboras que está nos (des)governando adora imitar o atraso, aguardemos para ver se não ficamos igual – ou pior – que o Zimbabwe, a menos que advenha uma esperada intervenção divina…

  2. O presidente Mugabe conta com uma população ignorante, indolente e preguiçosa, por isso se mantém no poder. Como em todos os lugares, os socialistas prometem benesses, divisões de bens, sem a necessidade de trabalhar, de produzir. Em Israel um governo desses não completaria 24 horas. Uma nação e seu governo é o retrato do seu povo.

  3. O Zimbabwe, já foi chamado o “celeiro da África” pela fartura da sua produção agrícola, veja a que foi reduzido na reportagem abaixo, copiada da internet

    Zimbabué: de celeiro a terra de pedras
    Por: CARLOS REIS, Jornalista

    O presidente Robert Mugabe parece apostado em transformar a democracia e economia modelares do Zimbabué numa autocracia brutal e corrupta. Diariamente, cerca de 8500 refugiados fogem da fome e miséria para a África do Sul.

    Não deu certo lá, mas eles não desistem, estão tentando criar no
    Caribe a Primeira sociedade socialista que deu certo!
    O Brasil está dando um duro danado para inauguarar este projeto, o BNDES já despejou toneladas de dinheiro naquela região!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome