Semicondutores: a superioridade dos EUA na guerra contra a China

0

Choques na cadeia de suprimentos e tensões crescentes com a China estão forçando o governo dos EUA a entrar na guerra de subsídios para proteger a liderança americana em semicondutores e tecnologias futuras.

Finalmente, o Ocidente começa a acordar, com a Pandemia, para o perigo que representa o PCCh. Foi-se o tempo do otimismo da era Nixon responsável direto pelos investimentos, know how e industrialização da China. https://ipco.org.br/meia-volta-volver-mundo-livre-acordou-para-os-males-do-pcc-china/

Semicondutores são a chave para a supremacia dos EUA na guerra da alta tecnologia.

WASHINGTON – A escassez global de semicondutores durante a pandemia intensificou a batalha pelo domínio tecnológico entre as duas maiores economias do mundo.

EUA lidera em design de semicondutores

Os Estados Unidos continuam sendo líderes globais em design de semicondutores, bem como em pesquisa e desenvolvimento. As empresas americanas controlam quase metade da participação de mercado nas vendas globais de microchips. No entanto, uma grande parte de sua fabricação mudou para a Ásia ao longo dos anos.

Os microchips menores do que os selos postais são os cérebros da eletrônica moderna. Eles habilitam muitos produtos, de smartphones e computadores a carros e equipamentos industriais. Eles também são essenciais para inteligência artificial (IA), computação quântica e redes sem fio avançadas, como 5G.

Taiwan lidera chips de alta tecnologia

Hoje, cerca de 80 por cento das fundições de semicondutores e operações de montagem e teste estão concentradas na Ásia, com Taiwan liderando o mercado no segmento de chips de alta tecnologia.

A China, por outro lado, está situada na extremidade inferior da cadeia de valor dos semicondutores. O país detém apenas 5% da participação de mercado nas vendas globais e suas empresas produzem principalmente chips de baixo custo. Consequentemente, a China depende muito das tecnologias de outros países. Somente em 2020, a China gastou mais de US $ 300 bilhões na importação de semicondutores, tornando-se o maior importador de chips do mundo.

Pequim está investindo mais de US $ 160 bilhões para construir novas fábricas de produção de chips ou expandir a capacidade nos próximos anos, em um esforço para alcançar a liderança global no setor. Como parte de sua estratégia industrial “Made in China 2025”, o regime estabeleceu uma meta ambiciosa, que é produzir 80% da demanda de chips da China internamente até 2030.

A China está atrasada

Mas há um desafio que as empresas chinesas enfrentam, de acordo com Stephen Ezell, vice-presidente da Fundação de Tecnologia da Informação e Inovação.

“É claro que as empresas americanas e estrangeiras – coreanas e taiwanesas – estão uma ou duas gerações à frente da China em tecnologia de semicondutores neste momento”, disse Ezell em entrevista à NTD Television.

“Acho que a China levaria pelo menos 15 anos para chegar onde estamos hoje.”

Vendo essa lacuna, Pequim tem procurado agressivamente adquirir empresas ocidentais. Além disso, está testando outros atalhos, como recrutar talentos do exterior e roubar segredos comerciais, práticas que já acontecem há anos.

Nosso Site tem abordado: as práticas de sempre do PCCh usando o Programa Mil Talentos para subornar cientistas e pesquisadores em todo o Ocidente, roubar tecnologia de ponta e segredos industriais.

China cobiça Taiwan

Também visa Taiwan, uma ilha democrática que fica a cerca de 75 milhas da costa da China. Taiwan é o lar da TSMC, a empresa mais crítica do setor, devido à sua liderança em chips avançados. Muitas empresas dos EUA confiam na TSMC e temem que Taiwan possa falhar em proteger sua propriedade intelectual.

Os maiores fabricantes de chips do mundo estão competindo para produzir os menores chips possíveis; atualmente, apenas a TSMC e a Samsung da Coréia podem produzir o padrão de ponta, que é cinco nanômetros, menor que um vírus.

A China reivindica soberania sobre Taiwan e, nos últimos meses, vem ameaçando assumir o controle da ilha. Tal movimento infligiria problemas econômicos em muitos países, já que Taiwan produz 92 por cento dos chips mais sofisticados do mundo (menos de 7 nanômetros). Uma aquisição militar chinesa causaria graves choques na cadeia de suprimentos em vários setores que dependem fortemente de chips taiwaneses.

***

Conclui a notícia: “Washington reconhece essa vulnerabilidade e agora está tentando consertá-la. O Senado dos EUA já aprovou um projeto de lei abrangente da China em junho, por 68–32 votos. A legislação, chamada de Lei de Inovação e Concorrência dos EUA (USICA), colocaria US $ 52 bilhões no apoio a pesquisas, projetos e iniciativas de fabricação de semicondutores domésticos.”

O Ocidente começa a acordar. A era do otimismo em relação à China passou. Ainda é tempo de manter a supremacia do Mundo Livre e voltar as cadeias de produção para as Américas.

Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira das Américas, salve o Novo Mundo dos ingênuos,

Fonte: https://www.theepochtimes.com/semiconductors-key-to-us-supremacy-in-high-tech-war_3900030.html

Deixe uma resposta