São frequentes as denúncias de suborno a cientistas, pesquisadores, professores de grandes universidades americanas levado a cabo pelo PCCh.

Nosso Site tem informado aos leitores como o programa “Mil Talentos” da China foi especialmente arquitetado para atrair cientistas, pesquisadores, oferecer vantagens e também subornar.
Um cientista sênior da NASA se confessou culpado em 13 de janeiro de mentir sobre seus laços com um programa apoiado pela China projetado para colher talentos do Ocidente e transferir propriedade intelectual para a China, anunciou o Departamento de Justiça.

Por exemplo, “o ex-presidente do departamento de química da Universidade de Harvard (Prof. Charles Lieberfoi indiciado em 9 de junho por acusações de fazer declarações falsas sobre o financiamento que recebeu do regime chinês, disse o Departamento de Justiça dos EUA.”

Mais uma evidência, agora na NASA

“Meyya Meyyappan, 66, ingressou na NASA (National Aeronautics and Space Administration) em 1996 e é cientista-chefe de tecnologia de exploração no Ames Research Center da NASA no Vale do Silício da Califórnia desde 2006.

“Ele foi acusado de fazer declarações falsas e pode enfrentar uma pena máxima de prisão de cinco anos e multa de até US $ 250.000 se for condenado, de acordo com um comunicado à imprensa do Departamento de Justiça. A audiência está marcada para 16 de junho.

“Os promotores disseram que Meyyappan participou do Plano dos Mil Talentos, administrado pelo estado da China, e ocupou cargos em universidades na China, Coreia do Sul e Japão sem o conhecimento da NASA. O programa Thousand Talents recrutou milhares de especialistas em todo o mundo desde o seu início em 2008, de acordo com relatos da mídia estatal chinesa.

“A NASA proíbe “qualquer atividade de emprego externo” sem aprovação, incluindo o envolvimento como palestrante ou professor, nos EUA advogado Audrey Strauss disse na queixa judicial. Como funcionário da NASA, Meyyappan também deve relatar anualmente qualquer renda adicional superior a US $ 5.000, presentes e reembolsos de viagens.

“Meyyappan não divulgou essas atividades à NASA. Por volta de 2016, ele se inscreveu e foi aceito no Plano dos Mil Talentos, por meio do qual viajou à China e indicou outros candidatos ao programa, segundo promotores. No início de 2014, ele trabalhou como professor visitante em uma universidade chinesa de pesquisa, dando palestras, escrevendo artigos de pesquisa e recebendo compensação por sua viagem. Ele também iniciou compromissos semelhantes em uma universidade sul-coreana em 2009 e em uma universidade no Japão em 2013.

“Quando questionado por investigadores federais em outubro de 2020, Meyyappan negou sua participação no Plano dos Mil Talentos e seu emprego na China.”

Também um oficial da NYPD – Polícia de Nova York

Nosso Site comentou a prisão de um oficial da NYPD por supostamente espionar tibetanos locais para Pequim e isso, comenta TheEpochTimes deve servir como um “alerta” para as autoridades americanas sobre a profundidade da espionagem chinesa no país, disseram ativistas tibetanos locais.”

O empenho do PCCh na espionagem

Baimadajie Angwang, um cidadão de etnia tibetana e naturalizado americano, “trabalhou no 111º Distrito do NYPD no Queens e também é um reservista do Exército com uma autorização de segurança “secreta”. O jovem de 33 anos foi preso em 19 de setembro por uatro acusações, incluindo atuar como agente chinês ilegal, e pode pegar até 55 anos de prisão se for condenado.”

A prisão de Angwang dificilmente foi uma surpresa para os tibetanos étnicos na cidade de Nova York, que tinham contato anterior com ele.

“Os promotores federais alegam que Angwang, que atualmente aguarda julgamento sem fiança, estava secretamente transmitindo inteligência ao Consulado Chinês em Nova York e ajudou a equipe do consulado a obter acesso a altos funcionários do NYPD. De acordo com os documentos do tribunal, o administrador-chefe de Angwang era um funcionário consular chinês que trabalhava para o Departamento de Trabalho da Frente Unida, uma ampla agência encarregada de estender a influência do regime globalmente.””

***

Somente ingênuos inveterados ou cúmplices camuflados fazem propaganda da China (PCCh). A ideologia do PCCh é o marxismo leninismo. A moral do PCCh é o Partido acima de tudo.

“O PCCh dedicou tempo e energia para estudar o fim da União Soviética […] A conclusão, freqüentemente apresentada pelo próprio presidente Xi Jinping, é que a União Soviética perdeu sua alma quando começou a criticar Stalin e até mesmo Lenin. “Por que a União Soviética se desintegrou? Por que o Partido Comunista Soviético caiu? Uma razão importante, disse Xi, é que seus ideais e crenças foram abalados. No final, ‘a bandeira do governante sobre a torre da cidade’ mudou durante a noite. É uma lição profunda para nós! Desprezar a história da União Soviética e do Partido Comunista Soviético, demitir Lenin e Stalin, e descartar tudo o mais é nos engajar em um niilismo histórico, e isso confunde nossos pensamentos e enfraquece as organizações do Partido em todos os níveis. ” (*)

Escreveu o Prof. Plinio: o comunismo é uma seita filosófica, ateia, materialista e hegeliana que deduz de seus errôneos princípios uma concepção da economia, da sociedade, do homem, das relações internacionais. Sonhar com uma China descontraída, pragmática, transparente é ingenuidade doentia que os fatos já há muito desmentiram. Amizade com o PCCh é agenda petista ou do falso Centrão.

Fonte: https://www.theepochtimes.com/nasa-researcher-pleads-guilty-to-concealing-china-ties_3657026.html?utm_source=morningbriefnoe&utm_medium=email&utm_campaign=mb-2021-01-15

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta