Perguntar se a ordem temporal tem algum papel para a salvação equivale a perguntar se toda aquela obra que Deus fez em sete dias interessa à salvação!

Plinio Corrêa de Oliveira

Há na Europa museus de arte popular tradicional. Apresentam objetos de artesanato interessantes, pitorescos, magníficos, que o povo inventa e que depois se imobilizam como uma tradição porque o povo encontrou a própria expressão de sua alma naquilo que produziu e passa séculos utilizando tais objetos.

Exprime esta tendência o que em alemão se diria drang nach oben – pressão, esforço para cima. Esta seria uma tendência da sociedade inteira.

E enquanto no castelo se estariam fazendo móveis cada vez melhores e vivendo uma vida cada vez mais bonita, a casa do trabalhador manual seria cada vez mais curiosa, mais interessante, mais artística.

O drang nach oben é o contrário do miserabilismo e representa precisamente esta tendência de subir, subir, subir. Se as almas sobem, secundariamente também os estômagos ficam mais normais, mais saudáveis, e as pessoas comem mais, bebem mais, falam mais, nasce a canção popular, nasce a dança popular tão pura, tão casta, nasce toda uma vida que é toda ela concebida e nascida do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo e dos ensinamentos da Igreja.

Trata-se do contrário da sociedade miserabilista. Também não é a sociedade de consumo1. Essa sociedade não-de-consumo é um fenômeno de alma e se poderia chamar sociedade de ideal, sociedade de fé, ou – melhor ainda – Cristandade.
* * *
Em seu “Auto-retrato filosófico” Plinio Corrêa de Oliveira afirmou: “Não pretendo ser apenas um defensor do passado, mas um colaborador – com outras forças vivas – para influir no presente e preparar o futuro. Estou certo de que os princípios a que consagrei minha vida são hoje mais atuais do que nunca e apontam o caminho que o mundo seguirá nos próximos séculos.”2

É preciso sacralizar a ordem temporal3
Perguntar se a ordem temporal tem algum papel para a salvação equivale a perguntar se toda aquela obra que Deus fez em sete dias interessa à salvação!

A ordem temporal é uma criatura de Deus e tem de dar mais glória a Deus que a lua e as estrelas.
Por certo, à Igreja pertencem os meios próprios para promover a salvação das almas. Mas a sociedade e o Estado têm meios instrumentais para o mesmo fim, isto é, meios que, movidos por um agente mais alto, produzem efeito superior a si mesmos.

Tudo isso é o oposto da sociedade que o PNDH-3 quer modelar.

*********************************************************************************
Notas
1 Por miserabilismo se entende aqui a concepção errônea em moda em certos meios, segundo a qual a miséria é um bem, convém viver em condições paupérrimas e toda forma de progresso é um mal

2 Numa versão inicial em 1976, a pedido do Pe. Stanislas Ladusäns S.J. Tal documento foi elaborado para ser incluído na Enciclopédia do Pensamento Filosófico Brasileiro, em vários volumes, que esse sacerdote jesuíta pretendia publicar. Em 1989, o mesmo Pe. Ladusäns solicitou a Plinio Corrêa de Oliveira atualizar seu “auto-retrato filosófico”.

3 É o que Pio XII denominava “consecratio mundi”, isto é, a sacralização do mundo (cfr. Alocução aos participantes do II Congresso Mundial para o apostolado dos Leigos, 5-10-1957, Documentos Pontifícios, no. 127, Vozes, Petrópolis, p. 18 – discorsi e Radiomessaggi di Sua Santità Pio XII, Tipografia Poliglotta Vaticana, vol. XIX, p. 459). Ver, a respeito, de Plínio Corrêa de Oliveira, “A Réplica da Autenticidade”, Ed. Vera Cruz, São Paulo, 1985, p. 218.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorBiólogo atribui às “mudanças climáticas” uma próxima extinção da humanidade
Próximo artigoPropaganda Federal do MST
Plinio Corrêa de Oliveira
Homem de fé, de pensamento, de luta e de ação, Plinio Corrêa de Oliveira (1908-1995) foi o fundador da TFP brasileira. Nele se inspiraram diversas organizações em dezenas de países, nos cinco continentes, principalmente as Associações em Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), que formam hoje a mais vasta rede de associações de inspiração católica dedicadas a combater o processo revolucionário que investe contra a Civilização Cristã. Ao longo de quase todo o século XX, Plinio Corrêa de Oliveira defendeu o Papado, a Igreja e o Ocidente Cristão contra os totalitarismos nazista e comunista, contra a influência deletéria do "american way of life", contra o processo de "autodemolição" da Igreja e tantas outras tentativas de destruição da Civilização Cristã. Considerado um dos maiores pensadores católicos da atualidade, foi descrito pelo renomado professor italiano Roberto de Mattei como o "Cruzado do Século XX".

1 COMENTÁRIO

  1. Comentar o quê?
    Simplesmente exclamar: que maravilha!!!
    Pobre pais quando abandona esse ideal e passa a amar o cinza, o debochado, o monotono igualitarismo, o PT…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome