1º. Domingo depois de Pentecostes

Esta festa deve ser entendida e celebrada como prolongamento dos mistérios de Nosso Senhor Jesus Cristo, como expressão solene da nossa fé na vida trinitária das Pessoas divinas, na qual fomos introduzidos pelo batismo e pela redenção de Cristo. Só no Céu poderemos compreender como, em Cristo, nos é possível ter lugar de filhos na própria vida de Deus! (D. Gaspar Lefebvre, Missal Romano Quotidiano, Bruges, Bélgica, 1963).

Deixe uma resposta