O culto divino deve ser cercado de esplendor e magnificência ou, pelo contrário, deve ser pobre e despojado?

As igrejas e as catedrais devem dar mostras de grande elevação e sublimidade, ou ser simples, acanhadas e sem arte?

O espírito católico deve querer refletir-se em cerimônias de grande pompa e majestade, ou apenas recolher-se em si mesmo, sem manifestações exteriores?

Essas são perguntas de grande atualidade, no momento em que as consequências doutrinárias, litúrgicas e simbólicas do Concílio Vaticano II vão se desdobrando cada vez mais, a ponto de haver quem dê preeminência na Igreja ao chamado “Pacto das Catacumbas”.

Teólogos da Libertação
Teólogos da libertação reunidos no Congresso Continental de Teologia – outubro 2012

“Apresentado em nossos dias como singular moda póstuma, o Pacto das Catacumbas foi um compromisso assinado por 40 Padres Conciliares na época do Concílio Vaticano II no qual, de acordo com Dom Pedro Casaldáliga, seus signatários preconizavam ‘o advento de uma outra ordem social, nova’”.(1) Ao longo dos anos foram aderindo a ele numerosos outros bispos, propugnadores da simplicidade no culto católico (Missa de costas para o Sacrário), na arquitetura religiosa (igrejas em forma de ameba), nos trajes eclesiásticos (adeus à batina) e nos costumes da Igreja em geral (vale tudo). Uma espécie de miserabilismo eclesiástico.

Já em 1960, no livro Reforma Agrária – Questão de Consciência, Plinio Corrêa de Oliveira criticava esse “complexo de simplismo”. Afirma ele que “as magnificências da natureza e da arte, bem utilizadas pelo homem temperante, constituem meios de elevá-lo a Deus. Sem dúvida foram utilizadas neste sentido por muitas pessoas que viveram em meio a objetos do mais requintado luxo, e hoje estão na glória dos altares: Papas, reis, cardeais, príncipes, nobres e outros grandes da Terra”.

A tendência mórbida a um miserabilismo a qualquer preço considera o homem apenas nas suas más inclinações – frutos do pecado original, que convém combater, como o orgulho e a ostentação –, e não nos anelos que a graça põe em sua alma de ver refletidas nesta Terra as grandezas e as magnificências do Céu, para se preparar melhor para elas.

Também não considera ― e este é o ponto capital ― que Deus deve ser cultuado com o que de melhor e mais requintado existe nesta Terra, e que para O reverenciar deve o homem empregar o ouro, a prata, as pedras preciosas, o incenso. Ademais, deve pôr a serviço do culto divino todas as luzes de sua inteligência, todo o fervor de sua vontade e todos os recursos de sua sensibilidade, a fim de excogitar os meios para que esse culto seja esplêndido sem exagero, brilhante sem artificialismo, elevado sem ostentações inúteis.

*    *    *

Foi o que compreendeu admiravelmente no século XII o hábil diplomata, teólogo e poeta, abade Suger, de Saint-Denis (França), conselheiro de Luís VI e de Luís VII e Regente da França durante a Segunda Cruzada (1147-1149).

Em artigo de Dominique Alibere intitulado Tout commence à Saint-Denis, a revista “L’Histoire” (nº 419, janeiro/2016), apresenta alguns traços característicos do pensamento e da personalidade do abade Suger.

img_0975
Ostensorio gótico de ouro e prata, datado do século XVI. Com mais de três metros de altura e 18 kilos de ouro, sai pelas ruas deToledo todos os anos, durante a celebração de Corpus Christi.

Às perguntas que elencamos no início deste artigo, o Abade Suger responde com nove séculos de antecedência:

“Tudo o que é muito refinado e muito precioso deve ser utilizado principalmente para a administração da Santíssima Eucaristia. Se [na Antiga Lei] vasos de libação com ouro, galhetas de ouro, pequenos cálices foram usados ​​em ouro, de acordo com a palavra de Deus ou a ordem do Profeta, para recolher o sangue de bodes, bezerros ou novilhos, o quanto mais vasos de ouro, pedras preciosas e tudo o que há de mais caro entre as coisas criadas devem servir para conter o sangue de Jesus Cristo […] Alguns críticos objetam, sem dúvida, que uma alma santa, um espírito puro, uma reta intenção devem ser suficientes para este ministério. Também nós afirmamos que tudo isto é particularmente importante. Mas é também pelos ornamentos externos dos vasos sagrados e por toda a nobreza exterior que nos convém proclamar que nada deve ser tão venerável quanto o serviço do Santo Sacrifício” (cf. F. Gasparri, Traité sur son administration abbatiale, Les Belles Lettres, 2001).”

Prossegue o sábio abade:

“Suspiraremos em nossos corações:

“Toda pedra preciosa, dizia-me eu, é para Vos revestir, ó Deus: calcedônia, topázio, jaspe, crisólita, ônix e berilo, safira, turquesa e esmeralda. […] Assim, quando no meu amor pelos ornamentos da casa de Deus, o esplendor multicolorido das gemas por vezes me distrai das minhas preocupações externas, e uma meditação elevada me leva a refletir sobre a diversidade das santas virtudes, transferindo-me das coisas materiais para as imateriais, eu tenho a impressão de estar em uma região longínqua da esfera terrestre, que não está inteiramente no limo da terra, nem inteiramente na pureza do céu, e assim poder ser transportado pela graça de Deus deste [mundo] interior para o [mundo] superior, conforme o modo anagógico.”(2)

É marcante a semelhança ― ou talvez se possa falar em identidade ― da concepção que tem o abade Suger dessa região longínqua que não está inteiramente no limo da terra nem inteiramente na pureza do Céu, com a concepção de transesfera de que nos fala Plinio Corrêa de Oliveira em muitas de suas palestras.(3)

*    *    *

Catedral de Saint Denis
Interior da Basílica de Saint-Denis

O abade Suger é considerado o primeiro “mestre-de-obras” da sublime arquitetura gótica, pelas inovações que promoveu na Basílica de Saint-Denis.

Em seu artigo citado, o historiador Dominique Alibere comenta que o abade Suger “quer, em Saint-Denis, prefigurar a Jerusalém celeste. E ele está plenamente consciente, neste contexto, dos desafios contidos na nova estética que deu origem ao gótico. Nas linhas que dedica a uma das capelas da abadia, aquela consagrada a São Romano, ele escreveu: ‘Como este lugar é secreto, como é apto ao recolhimento, propício à celebração dos ofícios divinos. Aqueles que nele servem a Deus o sabem, como se enquanto sacrificam na Terra, sua habitação já estivesse de alguma forma no céu.’”

______________

Notas:

  1. https://ipco.org.br/ipco/agronegocio/reforma-agraria/complexo-de-simplismo-no-pacto-das-catacumbas
  2. Define o dicionário Houaiss anagogia como sendo a interpretação mística dos símbolos e alegorias das Sagradas Escrituras, de obras literárias clássicas ou de inspiração religiosa.
  3. A respeito da concepção de transesfera em Plinio Corrêa de Oliveira, ver: http://www.pliniocorreadeoliinfo/Livro%20da%20Inocencia/2008_IP_18_II_Cap_10_Uma_vis%C3%A3o_sublimada.htm

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 

5 COMENTÁRIOS

  1. Caro já havia lido este trecho pois li o texto todo . Mas o que questionei é que o texto dá muito ênfase ao culto externo e parece colocar o culto externo acima do culto interno, que consiste em obedecer à vontade de Deus. Nada contra a beleza dos templos e do culto, mas de nada este adianta se não estiver acompanhado da obediência aos mandamentos de Deus.

     
  2. PACTO DAS CATACUMBAS OU PACTO DE MARXISTAS TRAVESTIDOS DE PRELADOS?
    UM BANDO DE CHANTAGISTAS E ESTELIONATARIOS DA FÉ!
    No Pacto das Catacumbas só se expressaram esquerdistas, do estilo de D Pedro Casaldáliga e mais assumidos – talvez infiltrados maçonistas na Igreja, como o KaGeBista D Hélder Cãmara e mais figurinhas do episcopado e clero brasileiros – como os da vermelha TL, predecessores e trampolins dos atuais comunistas no poder!
    Dom Pedro Casaldáliga é tão idiotizado e ridículo a tal ponto de se vestir com as indumentarias exóticas do ditador Hugo Chávez, fantoche da dinastia Del Rey Fidel Castro!
    Conferindo o pobrista Pacto das catacumbas em seu âmago, percebe-se uma tentativa de empobrecer, despojar a Igreja católica litúrgica, financeira e mais ainda espiritualmente; tencionavam transformá-la numa ONG assistencialista, a a serviço do marxismo, focando primordialmente no provimento de bens materiais para os pobres, e ele tomando o lugar do Senhor Deus – o antropocentrismo!
    Qual o resultado de uma igreja que acolhe preferencialmente o Pacto das Catacumbas, senão uma ONG acolhendo ideias marxistas, e valorizando mais o material do que o espiritual?
    Também não conseguirá atrair muitos fiéis, porque os bens materiais podem ser fornecidos por qualquer seita, até pelos terreiros e pela maçonaria, essa tão “caridosa”!
    Por trás disso, sutilmente havia um objetivo das esquerdas sedizentes defensoras dos pobres dos exploradores “capitalistas e da burguesia”: atrair os pobres, deles fazer de massas-de-manobra para os esquerdistas subirem para o poder e, assentados na direção do país, depois os brindar pela ajuda, como em Cuba, colocando-lhes coleira no pescoço e fecho eclair na boca!
    Não são as mesmas características do PT junto com a TL, dos D Hélders e associados e seus sucessores, hoje aprontando dentro da tal qual CNBB/TL/PT?ONU Cardeal Kasper e quem se associe a ele?

    .

     
  3. Como entender então o que disse Jesus? Que Deus deve ser adorado em espírito e verdade e que são estes os adoradores que Deus procura?

     
    • O Sr. Francisco Silva de Castro, com todo respeito, parece não ter percebido que a resposta à sua pergunta está no próprio texto do artigo. De fato, sugiro-lhe reler o trecho do artigo em que o Abade Suger diz:

      “Alguns críticos objetam, sem dúvida, que uma alma santa, um espírito puro, uma reta intenção devem ser suficientes para este ministério. Também nós afirmamos que tudo isto é particularmente importante. Mas é também pelos ornamentos externos dos vasos sagrados e por toda a nobreza exterior que nos convém proclamar que nada deve ser tão venerável quanto o serviço do Santo Sacrifício”.

      Quem verdadeiramente adora a Deus em espírito e verdade, procura a glória dEle em tudo, mesmo nas manifestações exteriores. Por que se dão presentes às mães e aos entes queridos? É para manifestar pelas exterioridades, aquilo que nos vai na alma.
      Juvency

       

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome