A Agenda (esquerda) comanda a Legenda Negra, declara bisneto Apache

Líder Apache desmente a narrativa da Legenda Negra na colonização

0

Alfonso Borrego, bisneto do legendário Apache Geronimo, é presidente da Sociedade do Patrimônio Cultural do Camino Real de Tierra Adentro, organização sediada no Texas e dedicada à pesquisa histórica.

Apache Alfonso Borrego, bisneto do grande Apache Geronimo, desmente a Legenda Negra

Desmentindo a Legenda Negra

Em uma conferência organizada pela Associação Heróis de Cavite, o Apache Borrego não apenas refuta as calúnias históricas, os lendários postulados negros, mas também reivindica a herança espanhola, especialmente nos territórios a oeste do rio Mississippi.

Ele observa, com rigor histórico, a diferença entre Províncias e Colônias.

Acesse o vídeo https://www.youtube.com/watch?v=8pjghdjjsh0

A diferença entre províncias e colônias

“Se você for para os estados com o nome em espanhol: Montana, Nevada, Novo México, Colorado, Arizona, Utah, Califórnia, Texas e Flórida”, verá que “nesses estados estão as reservas indígenas hoje”.

Entretanto, o mesmo não aconteceu nas colônias britânicas: Iowa, Ohio, Alabama , Mississippi, Carolina do Norte, Virgínia … nada, não há índios. Você sabe por quê?

El indio apache Gerónimo.
O Apache Geronimo viveu entre espanhois, foi batizado. Seu bisneto é agradecido aos espanhois

“Lá, quando os ingleses chegaram (em Playmouth Rock), eles se depararam com a tribo Wampanoag, que para nós é o primeiro Dia de Ação de Graças que é comemorado em novembro. E o presidente Lincoln usou isso como exemplo para o Dia de Ação de Graças da nação. Muito bom. Mas onde estão os Wampanoag?” Eu pergunto.

“Não há um. E você sabe por que não há? Porque os ingleses mataram todos os índios de Playmouth Rock aos estados espanhóis nomeados. Essa é a diferença [entre os ingleses e os espanhóis]”, acrescentou.

O mesmo se deu nos Países de língua hispânica, “os índios estão lá”: Nicarágua, Belize, Peru e demais.

Acrecentamos que o mesmo espírito católico que os jesuítas alimentaram no Brasil, as missões, a evangelização, a civilização são hoje objeto de desprezo, ódio por parte dos progressistas, da TL e da chamada neo-missiologia. Leia-se a esse respeito o livro Tribalismo indígena, ideal comuno-missionário para o Brasil do século XXI, de autoria do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira.

Esses neo-missionários progressistas são a alavanca da chamada “Legenda Negra”, são os propulsores dela.

Ação de graças pelo Catolicismo recebido

O Apache Gerônimo viveu e foi batizado ao lado dos espanhóis, longe dos lendários temas negros (difundidos pelas esquerdas) que seu bisneto, Alfonso Borrego, hoje refuta.

Não apenas boas relações: “Vivíamos com eles”, acrescenta o Apache.

Mais tarde, entrevistado pelo jornal ABC, Borrego lembrou outras diferenças predominantes entre espanhois e ingleses, referindo-se especialmente à miscigenação. “Quando os espanhóis chegaram aqui, eles se misturaram com os indígenas. São duas culturas combinando e criando coisas. Isso para mim é uma coisa maravilhosa e linda”, disse.

Refutando a Legenda Negra: fazíamos parte da fronteira espanhola

Questionado pela entrevistadora se havia ressentimentos contra os espanhois, o Apache responde: “Não é que tivemos relações com os espanhóis, como depois tivemos com os ingleses, é que convivemos diretamente com eles. Fazíamos parte da fronteira espanhola. A história é assim e não se pode apagar ou jogar fora estátuas para negar.”

“Pedir perdão? Peça para ser agradecido”

Gratidão, recorda o Prof. Plinio é virtude rara e difícil de ser praticada. Também os leprosos do Evangelho se foram … e somente um voltou para agradecer a cura operada milagrosamente por Nosso Senhor

Uma Associação pela verdade histórica

O descendente do Apache concluiu referindo-se à crescente onda de políticos e personalidades internacionais que buscam o arrependimento da Espanha por seu trabalho na América:

“Agora há pessoas aqui falando sobre como os espanhóis devem pedir perdão. Mas do que você está falando? Peça espírito de agradecimento porque eles deixaram todos os prédios, a linguagem, a tecnologia, a comida e os animais que eram desconhecidos na América, tudo pronto “, concluiu.

Gerônimo, Apache católico

Entre os múltiplos fatores dessa herança, a fé foi o que motivou especialmente o bom relacionamento entre indígenas e evangelizadores. Isso foi incorporado na própria família de Geronimo Apache, que foi batizada junto com seus pais, como evidenciam os registros de batismo recentemente descobertos.

***

Comissão de Direitos Humanos da ONU, CIMI, ONGs internacionais, grandes jornais e TVs irão aproveitar a ocasião para entrevistar Alfonso Borrego, bisneto do grande Apache Geronimo? O Vaticano, por exemplo, dando destaque à essa ação evangelizadora na América?

E o Sínodo da Amazônia continuaria a insistir na “sabedoria ancestral” de nossos indígenas que comportava também infanticídio, poligamia, adoração a falsos deuses, canibalismo e guerras contínuas entre tribos?

***

A “Legenda Negra Midiática” fará com o bisneto Apache a mesma discriminação que tem feito com o cacique Macuxi e tantos outros não alinhados à esquerda?

Peça espírito de agradecimento porque eles deixaram todos os prédios, a linguagem, a tecnologia, a comida e os animais que eram desconhecidos na América, tudo pronto “, esse é o conselho do Apache Geronimo, presidente da Sociedade do Patrimônio Cultural do Camino Real de Tierra Adentro.

Fonte: https://www.religionenlibertad.com/polemicas/390973385/bisnieto-apache-catolico-geronimo-refuta-leyenda-negra.html?eti=3355#%23STAT_CONTROL_CODE_3_390973385%23%23

Deixe uma resposta