Chineses defendem suas propriedades com a vida

Autoridades municipais na China estão usando meios brutais para expropriar cidadãos comuns em uma tentativa de lucrarem com o boom do setor de construção no país.

Alguns cidadãos desesperados se suicidaram, enquanto outros juraram defender as suas propriedades com a própria vida.

Yang Youde, por exemplo, traz no seu passado três gerações de fazendeiros. Até recentemente, ele plantava melões e algodão, e criava peixes, nos arredores de Wuhan, uma cidade de nove milhões de habitantes.

Atualmente o mato toma conta dos seus campos de cultivo, e quase todos os peixes do seu grande lago morreram de fome.

Este homem de 56 anos de idade passa a maior parte do tempo defendendo a sua propriedade do confisco por parte de autoridades municipais e especuladores.

Prédios estão se aproximando da propriedade de Yang, e a maioria dos seus vizinhos já capitulou.

Yang conta que um homem desesperado e a sua mulher atearam fogo a si próprios, e outros se lançaram nos seus lagos e morreram afogados.

A propriedade de Yang, que consiste de casinhas de tijolos, parece uma fortaleza.

Ele construiu uma plataforma sobre um depósito e está sempre de guarda.

Yang conta que em agosto de 2009, após ter apresentado uma petição contra o planejado confisco da sua fazenda, a polícia veio e arrastou-o para uma das famosas “prisões negras” da China, onde ele ficou detido por 51 dias.

“Eles me penduraram pelas mãos e me queimaram com cigarros”, diz Yang.

Agora ele pretende defender a sua propriedade com a única coisa que lhe restou: a sua vida.

Fonte: http://andrearrudaplacido.blogspot.com/
Wieland Wagner UOL