Biden, fanatismo pró aborto na contra-mão da Nação

0

A Santa Igreja fundou hospitais para aliviar os doentes e salvar vidas, o presidente Biden — que se diz católico — tem um fanatismo militante pró aborto, ou seja, pró morte.

Já antes da histórica decisão da Suprema Corte, revogando Roe vs. Wade, Biden e Pelosi (lobos de esquerda tentando pôr a pele de católicos) articulavam para ampliar o aborto nos EUA.

Perseverar no erro é diabólico.

Tentativas de bloquear leis no Texas e outros Estados que aprovaram leis pró vida ou pelo menos fatiando o aborto com a Lei dos Batimentos Cardíacos.

Perseverar no erro é diabólico

(LifeSiteNews) – Em resposta à decisão da Suprema Corte dos EUA de Roe v. Wade em sua decisão de 24 de junho Dobbs v. Jackson Women’s Health Organization, o presidente Joe Biden assinou uma ordem executiva hoje “protegendo o acesso a serviços de saúde reprodutiva”.

Chamar aborto de “saúde reprodutiva” é negar a verdade conhecida como tal.

“Em um boletim informativo divulgado na manhã de sexta-feira, o Salão Oval disse que instruiria o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (HHS) a proteger e expandir o acesso ao “aborto medicamentoso” enquanto também ordenava ao Procurador-Geral e ao Conselho da Casa Branca que “convocar advogados privados pro bono, associações de advogados e organizações de interesse público” para fornecer aconselhamento jurídico para mulheres que procuram abortos e médicos que cometem abortos.

A declaração da Casa Branca também reiterou que, imediatamente após a decisão da Suprema Corte, o governo Biden prometeu combater qualquer “ataque de uma autoridade estadual ou local que tente interferir no exercício desse direito pelas mulheres”.

A decisão da Suprema Corte expressa que o aborto não é um direito constitucional!

Uma Força-Tarefa Inter-agências para matar bebês

A ordem executiva de Biden estabelecerá uma “Força-Tarefa Interagências”, que “fornecerá assistência técnica aos estados que oferecem proteção legal a pacientes de fora do estado, bem como fornecedores que oferecem assistência legal à saúde reprodutiva”.

“Saúde reprodutiva” é a linguagem da esquerda, da ONU, do PT para encobrir a prática do aborto.

“O aborto não é um ‘serviço de saúde reprodutiva’”, tuitou Ryan Anderson, presidente do Centro de Ética e Políticas Públicas em Washington, D.C.

“A reprodução já ocorreu – e há dois pacientes que precisam de ‘serviços de saúde’ – se você está pensando em abortar”, acrescentou Anderson.

***

Não se compreende que a Conferência episcopal americana não tenha excluído Biden e Pelosi dos Sacramentos. E o Vaticano?

Nosso Brasil está em vésperas de eleição: votemos em candidatos pró vida, candidatos antissocialistas, candidatos a favor de propriedde privada.

Nossa Senhora Aparecida proteja o Brasil!

Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/breaking-biden-to-sign-executive-order-promoting-abortion-on-demand/

Deixe uma resposta