Para o Cardeal Meisner, de Colônia, a vida é um valor não negociável.

Atilio Faoro

A notícia vem da cidade alemã de Colônia, a capital econômica, cultural e histórica do Estado da Renânia do Norte-Vestfália. A venda do Hospital Santa Brígida, da cidade de Simmerath, foi suspensa porque o interessado na compra não aceitaram a exigência contratual do Cardeal de Colônia, Dom Joachim Meisner, de que no hospital não fosse permitido fazer abortos.

Por este motivo o hospital, que pertence à Ordem de Malta, não será transferido para o serviço médico da rede pública da Região de Aachen, onde está localizado,

Um hospital católico está sempre ao serviço da vida“, afirmou Christoph Heckeley, porta-voz do Arcebispado de Colônia. Este foi o argumento central do Cardeal Meisner, para quem a vida é um valor não negociável. Inclusive o tema da eutanásia está incluído no conceito, declara o  Heckeley, para quem “graças a Deus, este assunto não tem lugar neste Estado”.

O Hospital Santa Brígida foi fundado em 1909 e desde 1997 está nas mãos da Ordem de Malta, que precisa da autorização do Cardeal de Colônia para fechar a transferência para as mãos do Estado. O Conselho da Ordem de Malta seguiu a opinião do Cardeal e informou que seria preferível cancelar a transferência do que permitir a prática do aborto. Em função do impasse, aumentam as pressões da parte de políticos para que o Purpurado altere a sua posição.

A conduta coerente da Ordem de Malta e do Cardeal Meisner com os princípios católicos – e particularmente em defesa da vida – deveria ser aplaudida. E servir de exemplo nos países que vão aceitando leis e programas de governos que eliminam vidas humanas em nome de eufemismos como “direitos humanos, direito da mulher e saúde pública”.

3 COMENTÁRIOS

  1. O juramento de um médico diz com todas as letras “não darei à mulher substância abortiva”. Médicos que aceitam realizar abortos não são médicos, são assassinos profissionais, matadores de aluguel.

    Como bem disse Teodoro, os radicais são sempre os “fanáticos religiosos”, mas é preferível perder um hospital à ceder em relação ao assassinato legalizado de inocentes.

  2. Eu sou totalmente contra o aborto. Para mim, o aborto deveria ser proibido em todos os casos; não devia haver uma só brecha por onde o aborto pudesse aparecer.
    Acho que os abortista laboram num erro tremendamente grave ao considerarem o aborto como uma solução válida interromperem a vida de uma pessoa, tanto mais uma pessoa totalmente inocente, frágil e indefesa e, mais ainda, uma morte provocada pela pessoa que devia ter a máxima atuação na defesa da vida do seu filho.
    Por isso, dou os meus parabéns ao Arcebispo de Colónia e rendo graças ao Senhor por esta posição do Cardeal.
    Mas não posso atacar os interessados na compra.

  3. Vejam a radicalidade dos abortistas. Eles preferem não salvar vidas de vários tipos de doenças que não envolvam casos de aborto não CEDENDO aos seus ideiais perfidos e EXIGEM que nós anti-abortistas CEDAMOS. Eles não poderiam CEDER em nome dos direitos humanos daqueles que poderiam ser salvos pelo hospital? NÃO, eles são FUNDAMENTALISTAS, porque não cedem?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome