O que Dilma Rousseff entende por questão social?

    Uma bandeira do Partido Comunista disputa espaço com a do Brasil na caminhada de Dilma Rousseff pela “esquina democrática” de Porto Alegre, no dia 6 de julho.

    Atilio Faoro

    Em Porto Alegre, deu-se o lançamento da campanha eleitoral da candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff. Líderes políticos locais a acompanharam em uma caminhada através da “esquina democrática” da capital gaúcha durante a qual uma bandeira do Partido Comunista disputava espaço com a do Brasil.

    Em seu discurso, Dilma Roussef afirmou que a “questão social” será o ponto central de seu programa de governo e prometeu ampliar e consolidar projetos sociais do governo Lula. O que entende a candidata petista por “questão social”?

    Aduzindo uma palavra de esclarecimento, disse ela na ocasião que “o compromisso com a redução da desigualdade social não pode ser abandonado na primeira dificuldade”. A seguir esta linha de pensamento, Dilma Rousseff entende que reduzir a desigualdade social é uma forma de resolver a questão social brasileira.

    As palavras assim lançadas, poderiam indicar que a candidata do PT deseja realizar um salutar e simpático programa de governo em favor da melhoria das condições de vida das classes populares. É evidente que, dentro dos limites da justiça e da caridade, uma campanha pela melhoria das classes populares é digna de louvor e teria como efeito colateral diminuir descontentamentos e tensões sociais. E por isso, mereceria aplauso.

    Mas vamos devagar. Na História recente não faltam os exemplos de líderes de orientação comunista e socialista que levantam a bandeira da “questão social-redução da desigualdade” com evidentes vantagens para a estratégia da revolução social.

    É preciso não esquecer que os obstinados remanescentes do comunismo nada apreenderam com a queda do Muro da Vergonha em 1989. E não constam que tenham renunciado a esta ideologia e ao regime que produziu a “vergonha do nosso tempo”, como disse o Cardeal Ratzinger. E continuam a promover, dentro da sociedade atual, a luta de classes, e só o podem fazer sob pretexto de justiça, silenciando evidentemente sobre a caridade, princípio cristão que rejeitam. E assim inoculam nas aspirações de melhoria social das classes populares a luta de classes e o igualitarismo inerentes aos princípios comunistas.

    Outros pronunciamentos de Dilma Rousseff se seguirão durante a campanha. Através deles, a opinião pública poderá conhecer melhor a orientação ideológica da candidata do PT. Mas desde já fica claro que mudar de roupa, de penteado ou de marketing não significa mudança de rumos e menos ainda de idéias. Como dizem os franceses, um dossiê a seguir. Com muita atenção.