O Cardeal von Galen, arcebispo de Münster, (O “Leão de Münster”) soube enfrentar Hitler e lutar contra o nazismo.

Nobre de alma e de sangue, Dom Clemens August von Galen (1878-1946) não hesitou em defender os altos interesses da Igreja Católica e de seus fiéis, denunciando a eutanásia, a imposição de costumes imorais, os cultos à natureza e à raça, a negação do direito de propriedade promovidos pelo regime nazista”. (Plinio Corrêa de Oliveira)

Eis suas palavras contra a eutanásia, prática já adotada pelo nazismo:

“Meus fiéis irmãos! … “De acordo com a doutrina católica, há, sem dúvida, mandamentos que não são vinculativos quando a obediência a eles requer um sacrifício muito grande, mas há obrigações sagradas de consciência das quais ninguém pode nos libertar e que devemos cumprir mesmo ao preço de morte em si. Em nenhum momento, e nenhuma circunstância, pode um homem, exceto na guerra e em defesa legal, tirar a vida de uma pessoa inocente.

[Depois de descrever o programa nazista de eutanásia, o Cardeal continuou … ]

“Esta doutrina mesticamente tenta justificar o assassinato de homens inocentes e buscaria dar sanção legal à morte forçada de inválidos, aleijados, incuráveis e incapacitados. Descobri que a prática aqui em Westphalia é compilar listas de pacientes que devem ser removidos em outros lugares como “cidadãos improdutivos”, e depois de um período de tempo condenado à morte.

Pessoas improdutivas são comparáveis a animais velhos?

“A opinião é que, como eles não podem mais ganhar dinheiro, são máquinas obsoletas, comparáveis com alguma vaca velha que não pode mais dar leite ou algum cavalo que ficou manco. O que é o monte de máquinas improdutivas e gado? Eles estão destruídos. Não tenho intenção de esticar ainda mais essa comparação. O caso aqui não é uma das máquinas ou gado que existem para servir os homens e fornecê-los com abundância. Eles podem ser legitimamente acabados quando não podem mais cumprir sua função.

“Aqui estamos lidando com seres humanos, com nossos vizinhos, irmãos e irmãs, pobres e inválidos… improdutivo – talvez! Mas eles perderam o direito de viver? Você ou eu temos o direito de existir apenas porque somos “produtivos”? Se o princípio for estabelecido de que os seres humanos improdutivos podem ser mortos, então Deus ajude todos aqueles inválidos que, a fim de produzir riqueza, deram tudo de si e sacrificaram sua força de corpo. Se todas as pessoas improdutivas podem, portanto, ser violentamente eliminadas, então ai de betide nossos bravos soldados que voltam para casa, feridos, mutilados ou doentes.

Qualquer comitê pode fazer uma lista de homens “improdutivos”

“Uma vez que admitimos o direito de matar pessoas improdutivas… então nenhum de nós pode ter certeza de sua vida. Estaremos à mercê de qualquer comitê que possa colocar um homem na lista de improdutivos. Não haverá proteção policial, nenhum tribunal para vingar o assassinato e infligir punição ao assassino.

“Quem pode ter confiança em qualquer médico (sob o regime nazista)? Ele tem a não ser certificar seus pacientes como improdutivos e recebe o comando para matar. Se essa doutrina terrível for permitida e praticada é impossível evocar a degradação a que levará. A suspeita e a desconfiança serão semeadas dentro da própria família. Uma maldição se concederá a todos os homens se quebrarmos o mandamento sagrado “Não matarás”, que foi dado por Deus no Monte Sinai com trovões e relâmpagos, e que Deus nosso Criador imprimiu na consciência humana desde o início dos tempos! Ai para nós, povo alemão, se não só licenciamos este crime hediondo, mas permitirmos que ele seja cometido impunemente!”

Fonte: https://www.lifesitenews.com/opinion/75-years-ago-today-cardinal-von-galens-homily-against-euthanasia

  • * * *
  • O mundo moderno, hedonista, vai cada vez mais cedendo ante a eutanásia.
  • A Midia nos apresenta “casos” escolhidos a fim de provocar compaixão para com a eutanásia.
  • Que essas palavras fortes do cardeal von Galen sejam de alento aos católicos e nos façam compreender o papel do sofrimento.
  • Ensinou o Divino Mestre: “Se alguém quiser vir após mim, renuncie a si mesmo, carregue a sua cruz, e siga-me” (Lucas 9,23).

Deixe uma resposta