Católicos “clandestinos” da China desafiam prisão e emocionam-se vendo o catolicismo no Brasil

    Pároco da igreja São Francisco Xavier, Tijuca, Pe. José Li Guozhong assistiu peregrinos 'clandestinos'
    Pároco da igreja São Francisco Xavier, Tijuca,
    Pe. José Li Guozhong assistiu peregrinos ‘clandestinos’

    Durante a Jornada Mundial da Juventude – JMJ, realizada no Rio de Janeiro, o grupinho de jovens do país mais populoso da Terra não foi convidado para nenhuma posição de destaque.

    Alguns deles vivem proibidos de ver até uma simples foto do Papa. Eles foram recebidos, segundo o organograma, na Paróquia Divino Espírito Santo, no Maracanã, noticiou “O Globo”.

    Eles vieram misturados com católicos de Hong Kong, Taiwan e Macau, onde o catolicismo é tolerado. Eram peregrinos “clandestinos” vindos da China continental, desafiando a repressão e a punição do Partido Comunista.

    O socialismo é de tal maneira asfixiante e implacável que esses heroicos fiéis ficaram acostumados a desconfiar de tudo e de todos: não diziam seus nomes e não permitiam a divulgação de fotos.

    Eles temiam represálias, até mesmo a prisão, porque na China a única “igreja” permitida é controlada pela Associação Patriótica, órgão de repressão do governo que não aceita o Vaticano.

    Catolicismo sincero só na clandestinidade
    Catolicismo sincero só na clandestinidade

    Além disso, essa Associação Patriótica recebe também fraternal acolhida na CNBB e em seus congêneres ‘progressistas’ no mundo. Mas os verdadeiros católicos, que são fiéis ao Papa, não conseguem sequer sonhar com isso.

    Os componentes de um grupo deles lutaram para chegar ao Rio e tentaram aproveitar ao máximo a liberdade religiosa do Brasil. Participam de catequeses e missas em mandarim.

    Alguns eram catecúmenos e sequer haviam sido batizados.

    O padre José Li Guozhong, da Paróquia São Francisco Xavier, na Tijuca, chinês que vive no Brasil há 30 anos, calculou que cerca de 70 peregrinos da China continental vieram até o Rio.

    Uma jovem chinesa aparentando 15 anos, segundo “O Globo”, pois “eles não gostam de revelar a idade e, quando falam, podem alterar”, se emocionou vendo o catolicismo nas ruas de São Paulo.

    “Participei de uma procissão de uma igreja para outra em São Paulo, na semana passada. Vi os policiais ajudando, abrindo o caminho. E lembrei-me da Igreja na China. Rezo muito para que isso aconteça um dia na China. Lá a polícia nos prenderia”, disse a peregrina por meio do Pe. Li, que fazia de intérprete.

    Procissão religiosa "clandestina" para não ser proibida pela policia
    Procissão religiosa “clandestina” para não ser proibida pela policia

    Há entre 12 milhões e 15 milhões de católicos na China, mas quase a metade é ilegal, ou seja, resiste à “igreja” progressista pró-comunista.

    Cardeal Joseph Zen
    Cardeal Joseph Zen

    Esses fiéis ‘clandestinos’ realizam suas práticas religiosas em locais “discretos” como apartamentos familiares, e até em florestas.

    Os peregrinos chineses queriam tirar fotos com o arcebispo emérito de Hong Kong, cardeal D. Joseph Zen, 81, que é muito crítico do regime marxista e da política de aproximação vaticana com esse regime – a “Ostpolitik”.

    O Cardeal definiu com lacônica e dolorosa expressão a situação do catolicismo chinês:

    “Não há liberdade na China, é isso”, dando o nome de bispos desaparecidos no país.

    Os fiéis clandestinos não participavam da alegria fácil do espetáculo da JMJ, mas no fundo da alma a graça deleitava seu espírito com a aspiração cheia de fé de que um dia vindouro o catolicismo triunfará na China.