China mantém preso bispo católico Dom Cui Tai; Vaticano renovará o acordo?

0

Não há liberdade para a Santa Igreja na China comunista. De que vale o tratado Vaticano-Pequim, assinado em 2018, renovado em 2020?

Comenta BitterWinter: “Somente fazendo de sua libertação uma pré-condição para renovar o acordo com a China, a Santa Sé poderá acabar com o calvário do prelado.”

Bispo católico preso na China. De que vale eo Acordo Vaticano-Pequim?

Face ao comunismo, coexistência ou luta?

Como veremos, há outras pré-condições: a Santa Igreja não precisa de autorização de nenhum Estado para promover a evangelização e ter liberdade para pregar a sua doutrina de forma integral.

Recordamos a tese do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira em seu livro amplamente distribuído aos Padres Conciliares durante Vaticano II: A Igreja Católica não pode aceitar um acordo com o regime comunista se este lhe impõe restrições à pregação integral da doutrina de Nosso Senhor. Frisa o autor, a título de exemplo, silenciar o ensinamento sobre a Propriedade Privada e a Familia alicerçados em Mandamentos da Lei de Deus e no Magistério.

Esse livro, traduzido em muitas línguas, recebeu elogiosa Carta da Congregação dos Seminários e Universidades, por sua alta cultura filosófica, histórica e sociológica e ser espelho da doutrina do Magistério da Santa Igreja.

A Igreja do Silêncio na China

Continua BitterWinter: “No entanto, primeiramente a maioria dos católicos chineses não ficou feliz com o acordo ou está decepcionada com seus resultados. É claro que pesquisas de opinião independentes não podem ser realizadas, mas os católicos votam visivelmente com os pés. Poucos entre aqueles que costumavam frequentar igrejas clandestinas seguem os bispos patrióticos, mesmo que agora sejam reconhecidos pelo Vaticano.”

A Igreja não pode silenciar sobre Propriedade e Família no regime comunista

BitterWiner constata que “em meio a um clima geral de confusão, muitos abandonaram completamente a Igreja Católica.

As opiniões de “dezenas de padres e leigos que, embora respeitando o Papa e a Santa Sé, acreditam ter sido enganados ao assinar um acordo que beneficia apenas o regime.

“Um teste que esses católicos dissidentes ou perplexos consideram crucial é se o PCCh libertaria os bispos clandestinos que prendeu. Bitter Winter mencionou o caso do bispo Joseph Zhang Weizhu, da diocese de Xinxiang, que foi preso em maio de 2021 e cujo paradeiro ainda é desconhecido. Informamos que, de acordo com fontes credíveis, o Vaticano pediu sua libertação, mas sem sucesso.’

Portanto, de que vale o Acordo Vaticano-Pequim se o PCCh manda prender bispos fieis à Roma?

Prisão de D. Augustine Cui Tai, bispo de Xuanhua

O caso mais comentado entre os católicos chineses diz respeito a Dom Augustine Cui Tai, que foi Bispo Coadjutor na Diocese de Xuanhua, na província de Hebei. O bispo Cui Tai, de 72 anos, foi preso por longos períodos desde 2007, embora tenha sido solto periodicamente por alguns dias durante o Ano Novo Chinês e outros feriados. De janeiro a junho de 2020, ele teve seu mais longo período de liberdade, já que após o Ano Novo Chinês ficou confinado em sua casa por causa da pandemia. Mas então ele foi preso novamente e, segundo os católicos em Xuanhua, há vários rumores, mas não se sabe onde ele está detido.


O bispo Cui Tai é um dos chamados “objetores de consciência” que se recusam a ingressar na Associação Patriótica, embora isso seja permitido e até encorajado pelo Vaticano. Ele é acusado pelo PCC de dizer ao seu rebanho que, mesmo que não tenha se filiado à Associação Patriótica, está em comunhão com a Santa Sé. Mas isso é verdade, de acordo com o próprio Vaticano, que afirmou repetidamente que não incentiva a objeção de consciência, mas considera os objetores como católicos de boa reputação cuja escolha deve ser respeitada.

Apesar do Vaticano não incentivar a objeção de consciência, Dom Cui Tai se opõe a filiar-se à Igreja Patriótica, controlada pelo PCCh.

Dom Cui Tai é um prelado popular e sua detenção é um imenso escândalo. Há relatos críveis de que ele foi repetidamente torturado na prisão, uma vez que se recusa obstinadamente a ingressar na Associação Patriótica. Seu calvário prova que há algo errado no acordo de 2018. Muitos católicos chineses acreditam que, como aconteceu sem sucesso com o bispo Zhang Weizhu, o Vaticano agora está pedindo discretamente a libertação do bispo Cui Tai também.

No entanto, pedir não é suficiente. A libertação dos bispos objetores de consciência, incluindo o bispo Cui Tai, deve ser uma pré-condição para a renovação do acordo. A menos que isso aconteça, o bispo Cui Tai e outros continuarão sendo detidos e torturados.

***

O cardeal Zen de Hong Kong (ele mesmo foi preso em maio e depois libertado sob fiança) segurando um cartaz pedindo a libertação do bispo Cui Tai. Do Facebook.

O Mandato de Nosso Senhor é claro: ide, e evangelizai todos os povos, batizando-os em nome do Padre, do Filho e do Espírito Santo.

Não há poder temporal que possa impedir a livre pregração do ensinamento de Nosso Senhor.

Fonte: https://bitterwinter.org/bishop-cui-tai-still-detained-and-the-vatican/

Deixe uma resposta