China prende bispo, padres e seminaristas

0

Os católicos chineses com objeção de consciência — não querem se filiar à Igreja Patriótica (do PCCh) representam um fenômeno crescente na China, afirmou BitterWinter.

São contrários ao Acordo Vaticano-Pequim

“Eles são os bispos, padres e católicos leigos que não aceitam aderir à Associação Católica Patriótica Chinesa (CPCA) controlada pelo governo. A adesão ao CPCA já foi proibida pelo Vaticano, mas agora é permitida, e até recomendada, após o acordo Vaticano-China de 2018.

O Vaticano não incentiva de forma alguma a objeção de consciência, mas afirmou repetidamente que os objetores de consciência permanecem católicos em boa posição e espera que possam ser tratados “com respeito” pelas autoridades chinesas.

Esperar que comunistas tratem “com respeito” os católicos é muita ingenuidade. E os católicos chineses não acreditam na boa vontade de comunistas.

Prisão do Bispo, sacerdotes e seminaristas

O PCCh quer eliminar as manifestações de dissidência religiosa que “deveriam desaparecer em preparação para o 100º aniversário do Partido Comunista Chinês (o PCC) em 1º de julho, mais de 100 agentes da Segurança Pública invadiram em 21 de maio uma fábrica onde o Bispo Joseph Zhang Weizhu, de Xinxiang Diocese, na província de Henan, organizou um seminário independente para objetores de consciência. O bispo, dez padres e dez seminaristas foram presos. Três seminaristas conseguiram escapar, mas também foram presos posteriormente.”

Os seminaristas foram mandados de volta para suas famílias e ameaçados de prisão se continuarem a estudar para se tornarem padres independentes. Os dez padres foram levados a Centros de Educação Legal e depois soltos com advertências semelhantes. Apenas o destino do Bispo Zhang permanece desconhecido.

A mídia católica no exterior noticiou sobre as prisões e as orações oferecidas pelos católicos em Henan pelo popular bispo Zhang. O que alguns meios de comunicação podem não ter percebido, entretanto, é o caráter massivo da objeção de consciência católica, agora um fenômeno nacional, apesar das perseguições e prisões. “Não vemos nenhum resultado positivo do acordo do Vaticano, disse um padre em Henan a Bitter Winter. Rezamos pelo Papa todos os dias, mas acreditamos que ele tenha recebido informações falsas sobre a China. Não vamos entrar para a Associação Patriótica. ”

“O PCCh nunca muda, um crente comentou. Por que deveríamos?”

E o Vaticano, vai protestar contra essa prisão e paradeiro desconhecido? De que realmente valeu o Acordo com os comunistas chineses?

Fonte: Catholic Bishop and 10 Priests Detained in Henan (bitterwinter.org)

Deixe uma resposta