O deputado Paes de Lira (PTC-SP) qualificou de “exemplo danoso” para a América do Sul a aprovação, pelo senado argentino, do casamento homossexual.

“Não tenho dúvida de que essa decisão dará força a grupos de pressão no Brasil, grupos que já são recebidos no Congresso com uma pompa desproporcional, grupos absolutamente minoritários”, afirmou o deputado, em entrevista ao portal UOL Notícias (15-10-2010).

Paes de Lira é coautor de um projeto (PL 5167), apresentado no ano passado, que pede a alteração do Código Civil com o objetivo de tornar explícito que “nenhuma relação entre pessoas do mesmo sexo pode equiparar-se ao casamento ou a entidade familiar”.

De acordo com o deputado, “a Constituição do Brasil é muito clara: o casamento é a união entre mulher e homem, a família origina-se dessa união”. Explicou ainda que essa união entre homossexuais “não encontra respaldo nos fundamentos cristãos de um país como Brasil ou mesmo Argentina”.

Paes de Lira, que é ex-comandante do 3º Batalhão de Choque e do Policiamento Metropolitano da Capital, disse que a decisão do Senado do país vizinho é “surpreendente”. “Infelizmente os parlamentares optaram por essa linha, depois da pressão de grupos minoritários muito organizados, muito barulhentos, com financiamento internacional”. É “um exemplo danoso, muito próximo de nós”, pois “o casamento existe para perpetuação da espécie humana; até por percalços naturais, não há perpetuação com pessoas do mesmo sexo”.

Quanto à adoção de crianças indefesas, disse ele, “deve ser feita por uma família, e não por um simulacro de família”.
O deputado Paes de Lira mostra-se meritoriamente disposto a enfrentar a onda da propaganda homossexual, se ela procurar submergir o Brasil: “Tenho confiança que uma legislação assim no Brasil não passa. Eu faço parte dos que vão impedir isso de todas as formas. É inconstitucional”.
Deus o ouça!