Facebook addiction 06O caso de N., de 11 anos, foi emblemático. Sumiu de casa, ninguém a achava no bairro; telefonaram às amigas, procuraram na escola, estudaram o percurso que fazia para esta, indagaram os vizinhos.

Estava perdida. Ou ao menos, até que a mãe lembrou que ela passava horas diante do computador ligada no Facebook. Foi a salvação, segundo noticiou o jornal argentino “Clarín”.

Com o apoio da Polícia Informática Federal da Argentina, a equipe operativa do Conselho de Direito de Crianças e Adolescentes da Cidade de Buenos Aires vasculhou seu computador e encontrou seu chat com um homem que a convidara para um encontro.

A menina apareceu ferida no dia seguinte. “Foi dançar num local onde aos 11 anos não devia ir”, explicou Silvia Nespereira, diretora do Conselho.

Segundo a responsável, 10% das crianças extraviadas denunciadas ao Conselho estão relacionados com o uso de Facebook.

“É lamentável, há meninos e meninas que vão se encontrar com pessoas que conheceram pela rede. Às vezes se saem bem, mas outras vezes se saem mal. Tivemos o caso de meninas que foram se encontrar com homens que não eram boas pessoas”, acrescentou Nespereira.

É indispensável que a família conheça a senha dos filhos para entrar no Facebook. Num menor de idade a confidencialidade e o direito à privacidade está nas mãos do responsável legal, segundo a Convenção internacional dos Direitos do Menino e da Menina, explicou Jorge Azaakl, diretor operativo de intervenções especiais de crianças extraviadas da Cidade de Buenos Aires.

Em 2011, houve 1.160 casos. Deles, 80% eram de meninas com idades entre 13 e 17 anos. Mas nos últimos anos apareceram casos de meninas com 11 e 12 anos de idade.

No total, 95% regressaram ao lar sem danos. Porém, 5% sofreram abusos sexuais, violências e agressões físicas ou psicológicas.

Facebook addiction 05“Fazem amizades com amigos virtuais que não sabem quem são. Houve histórias de mocinhas que foram ter com homens que não tinham a idade delas, que eram adultos ou pertenciam a redes de pornografia para menores”, explicou Lidia Grichener, presidente da organização Missing Children.

É cada vez mais frequente a criação de perfis abertos para todos e a difusão de fotografias ou vídeos com poses sexuais.

Segundo a Missing Children e o Conselho, é necessário denunciar o quanto antes o desaparecimento do menor, porque “quanto mais pessoas souberem, mais possibilidades há de recuperá-lo”.

Facebook e as redes sociais implicam também uma enganosa abertura para um túnel de desgraças que podem destruir toda uma vida.

3 COMENTÁRIOS

  1. Devemos proteger o nosso maior tesouro, as crianças, devemos nos unir e compartilhar as informações para ser mais fortes contra esses predadores que querem destruir a inocência das criancinhas:

    “De regra, tal a criança, tal o adolescente e tal o adulto. É a partir da educação que a consciência e a personalidade da pessoa são formadas, seja para o bem, seja para o mal. Assim, saber qual é o fim da educação e quais os meios para bem educar os filhos é indispensável para todo casal e educador católico.

    Quando falamos de educação é preciso ter um conhecimento claro do homem e de seu estado atual. O homem é composto de corpo e alma. A educação deve prover, então, aos dois.”
    A EDUCAÇÃO CATÓLICA DOS FILHOS – ENSINAR DESDE A TENRA IDADE A TEMER A DEUS E A SE ABSTER DO PECADO
    http://www.catolicismoromano.com.br/content/view/2659/1/

  2. Temos que agir com prudência frente aos nossos filhos que ficam diante dos computadores ou do contrário termos uma juventude totalmente desvirtuada da formação da família. Nossa missão é proteger nossos filhos dos bandidos da internet.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome