Cardeal-Ortega-300x166O cardeal Jaime Lucas Ortega y Alamino [foto], ao longo de seus 34 anos à frente da arquidiocese de Havana, transformou-se em um dos maiores e mais indispensáveis defensores do regime comunista. Em 5 de junho pp., o cardeal Ortega, em entrevista à emissora espanhola Cadena Ser, afirmou que “em Cuba não restam presos políticos” e que os indultados por ocasião da visita de Bento XIV à ilha-cárcere, em 2012, já eram simples “presos comuns” (“Diario de Cuba”, 07 de junho 2015).

As declarações cardinalícias causaram consternação nos opositores cubanos. O ex-preso político Ciro Alexis Casanova Pérez, que foi considerado “prisioneiro de consciência” pela Anistia Internacional, declarou com indignação que essa afirmação do cardeal Ortega sobre a suposta inexistência de presos políticos em Cuba “é uma total mentira”, e o incriminou por se dedicar a“apoiar a ditadura dos irmãos Castro” (“Diario de Cuba”, 11 de junho de 2015).

Desde Cuba, o jornalista independente Mario Félix Lleonart assinalou: “Beira o enigmático como alguém na posição deste homem se preste a asseverar algo que ninguém acredita absolutamente, e que não lhe fez nenhum favor, nem à Igreja que representa, nem a si mesmo. É óbvio que tão desatinada declaração lança por terra toda a doutrina social da Igreja que é chamado a respaldar e a praticar” (14 y Medio, 12 de junho de 2015).

O ex-preso político Daniel Ferrer, que foi declarado prisioneiro de consciência pela Anistia Internacional, lamentou desde a ilha: “Negar que em Cuba haja presos políticos é mentir cinicamente e um seguidor Daquele que morreu crucificado para salvar a humanidade e defender os humildes, discriminados e perseguidos, não deveria se comportar de tal forma. O cardeal Ortega não resulta ser um ‘Bom Samaritano’ (S. Lucas 10, 25) quando nega a existência de presos políticos, quando não condena abertamente as flagrantes violações aos direitos fundamentais dos cubanos, inclusive os direitos dos católicos, e quando minimiza conscientemente a importância do trabalho dos que lutam com amor pela liberdade, a justiça e o bem-estar da nação” (“Religión en Revolución”, junho de 2015).

Ada-María-López-Canino-300x200Uma integrante do movimento “Damas de Branco”, Ada María López Canino [foto], que no domingo 7 de junho pp. foi agredida e ferida em Havana por turbas castristas, declarou: “Eu pergunto ao cardeal, por que (para citar dois exemplos) Ángel Santiesteban está cumprindo uma longa condenação, e por que Danilo Maldonado está encarcerado como preso político? Eu quero saber, se eles não são presos-políticos são o que? As Damas de Branco marchamos pedindo a libertação dos presos-políticos em Cuba. E essas fotos que nós apresentamos, de onde as tiramos se não são as fotos dos presos-políticos que estão nas masmorras castristas? O que pretende dizer, que nós mentimos? Que me perdoe, mas é um mentiroso, deveria se chamar Raúl Castro, não cardeal Ortega” (Cubanet, 10 de junho de 2015).

Por sua parte, a Comissão Cubana de Direitos Humanos disse que as declarações do Cardeal não têm a ver com a realidade do país. “Agora mesmo, há mais de 50 presos-políticos” (“Radio Martí”, 08 de junho de 2015).

Na realidade, é difícil saber o número de presos-políticos em Cuba, porque o regime constantemente detém e condena opositores muitas vezes incriminando-os por delitos comuns, para ocultar que se trata de perseguições políticas. Segundo a filosofia totalitária do regime e de acordo com as disposições da Constituição e do Código Penal sobre as liberdades de religião e expressão, elas somente se toleram na medida em que não se oponham à ideologia comunista. Trata-se então de uma ilha-prisão cujos 12 milhões de habitantes poderiam ser considerados como “prisioneiros de consciência”, subjugados por um implacável torniquete jurídico-político-policial.

Recentes “solturas” de presos-políticos da ilha estão sendo amplificadas por grandes meios de comunicação, e por altos líderes políticos e religiosos como atos de liberalização do regime. Entretanto, os opositores já fizeram notar que na linguagem “jurídica” cubana termos eufemísticos como “soltura” e “licença extra-penal” significam “liberdades condicionais”, cosméticas, que na atual conjuntura servem para facilitar as negociações com o presidente Obama e para não desacreditar o mentor dessas negociações, o Papa Francisco. Alguns recentes “libertados” estão sendo ameaçados pelos órgãos de segurança de que a qualquer momento podem voltar à prisão para continuar pagando por seus “crimes” contra o Estado comunista. A outros “libertados” se lhes reteve toda a documentação, e ficam em uma espécie de limbo jurídico, como párias dentro da sociedade comunista (La VanguardiaEuropa Press, 09 de janeiro de 2015).

Na realidade, todas essas fraudes e farsas castristas são conhecidas pelas embaixadas em Havana e pelas chancelarias do mundo inteiro, especialmente pela secretaria de Estado dos Estados Unidos e pela secretaria de Estado do Vaticano. O mesmo botox publicitário que agora o regime aplica novamente por ocasião das negociações com os Estados Unidos, e em função da próxima visita do pontífice Francisco, já havia sido aplicada nas vésperas das visitas papais de João Paulo II e Bento XVI. Não obstante, mantém-se um misterioso silêncio sobre essas farsas do regime cubano. E o cardeal Ortega continuou e continua, como se não ocorresse nada, como Pastor do desditoso rebanho católico cubano.

Talvez nunca antes na História tantos dirigentes mundiais convergiram para salvar uma ditadura do naufrágio, como é o caso do regime castrista. Os cubanos dentro e fora da ilha que dedicamos nossas vidas a lutar, no plano das idéias, pela liberdade e dignidade de Cuba, estamos dispostos a continuar desmascarando as manobras da ditadura castrista e analisando publicamente as atitudes de seus altos protetores, esperando contra toda esperança (Epístola aos Romanos, 4-18 e 19).

No caso do cardeal Ortega, por sua longa trajetória de décadas de atitudes pró-castristas, estamos ante um Pastor disposto a dar sua vida pelos Lobos, e não pelo rebanho a ele encomendado, que encontra-se indefeso, órfão e desamparado.

É preciso dizer: todo este drama cubano, de quase seis inimagináveis décadas de injustiça, miséria comunista e sangue, desenvolve-se ante a Indiferença, com I maiúsculo, de boa parte da opinião pública mundial, assim como ante a pertinaz e enigmática Colaboração, com C maiúsculo, de considerável número de dirigentes e elites do mundo inteiro.

Que o bom Deus, ao qual neste momento recorro clamando por Justiça, ajude o indefeso, órfão, desamparado, maltratado e dizimado rebanho cubano e remova a Indiferença mundial sobre esse drama inimaginável.

 

Pode-se ler o mais recente desses artigos, em espanhol e em inglês, nos seguintes links:

Francisco, el nuncio y el tirano

http://www.cubdest.org/1506/c1505castrorom.htm

Francis, the nuncio and the tyrant

http://www.cubdest.org/1506/c1505castroromen.htm

______________

Tradução: Graça Salgueiro

COMPARTILHAR
Artigo anteriorVitória parcial: Guerra contra a Ideologia de Gênero, muita luta ainda pela frente em São Paulo
Próximo artigoNepal: católicos salvos do terremoto por estarem na igreja
Armando Valladares
Armando Valladares, escritor, pintor e poeta, passou 22 anos nos cárceres políticos de Cuba. É autor do best-seller "Contra toda a esperança", onde narra o horror das prisões castristas. Foi embaixador dos Estados Unidos ante a Comissão de Direitos Humanos da ONU sob as administrações Reagan e Bush. Recebeu a Medalha Presencial de Cidadão e o Superior Award do Departamento de Estado. Tem escritos numerosos artigos sobre a colaboração eclesiástica com o comunismo cubano e sobre a "ostpolitik" vaticana para Cuba.

7 COMENTÁRIOS

  1. NIlo Sergio,

    Uma palavra amiga ao Nilo Sergio. Durante seculos a Igreja gerou Institutos Religiosos, Congregaçoes, fundou Hospitais em defesa dos pobres. Nunca (fora dos tempos da Teologia da Libertacao) a Igreja lançou pobres contra ricos ou vice-versa.
    Nao vamos confundir a Igreja Catolica com a Teologia da Libertação, essa sim, claramente inspirada no marxismo e promotora da luta de classes.
    Pense bem, ainda é tempo de sair desse barco furado. Alias, a Teologia da Libertacao, foi condenada por Joao Paulo II.
    M Costa

  2. PERTENCE ELE À SUCURSAL DA DIREÇÃO DA CNBB?
    Se o Cardeal Ortega estiver agindo à la CNBB tupiniquim, por certo estaria dando cobertura ao regime dos ditadores, burgueses e imperialistas Castro & dinastia, o caso da CNBB aqui, respaldando o asqueroso PT.
    Os comunistas, como já o admitiu aqui o falsário Lula de forma ostensiva, se não fossem os religiosos que se mantivessem em silencio por não os denunciar ou então alinharem-se a eles, seria impossivel alçarem ao poder!
    Interessante, que por mero oportunismo, o próprio Lula recentemente tem atacado o PT, seja para espezinhar sua criatura, Dilma, ou outro qualquer; compreende-se: as cabeças dos comunistas estão recheadas de esterco marxista, são instáveis e inimigos uns dos outros – e os que compartilham com eles fazem parte da mesma sucia!
    Para os vermelhos, basta que os religiosos não interfiram em suas investidas de dominar a sociedade, finjam nada verem, e estamos conversados.
    Que é muito questionável a convivência lado a lado sem se estranharem católicos e comunistas é, principalmente a alta hierarquia, com eles impondo suas doutrinas material-ateístas relativizando a sociedade e sem se oporem!
    A fé católica atuante, nesse caso, ensejaria viverem alfinetando-se!

  3. Nós devemos atentar que todo religioso que esteve à frente dos pobres e marginalizados, foram considerados comunistas. Estas denominações são dadas por latifundiários, fazendeiros e outros mais com grandes potências financeiras que não querem dividir seus lucros com os menos favorecidos. Dom Helder Câmara foi um deles. Defensores dos pobres no Brasil é taxado de comunista. Amigos, ponham a mão na consciência e reflitam melhor sobre suas idéias. Não marginalizem nossa Igreja, pois com falsas propagandas os menos entendidos mudam mesmo de Igreja, indo cair nas mãos de falsos pastores que só desejam tirar dos fiéis o pouco que lhes resta.
    Salve Maria!

  4. José Reinaldo Pedroso de Mello,

    Prezado Sr. Jose Reinaldo
    Sim, o Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, já publicou matéria a respeito da possível canonização do “arcebispo vermelho”, que, certamente, o senhor não teve tempo para ler. Assim, lhe aconselho a leitura da seguinte matéria aqui postada, sob o título “Quem foi realmente Dom Helder Câmara?”:
    https://ipco.org.br/ipco/noticias/quem-foi-realmente-dom-helder-camara#.VYiNtfm6fIU

  5. A cada dia que passa, chego a conclusão que muitos dirigentes da igreja católica são comunistas. Acho que por isso a igreja está perdendo fieis.

  6. Depois da autorização para se abrir processo de canonização de d.Helder Câmara, comunista de carteirinha, tudo mais torna-se possível na Igreja. Admiro-me do IPCO não ter feito, até agora, qualquer referência à danosa autorização.

  7. O CARDEAL ORTEGA y ALAMINO RESIDE EM HAVANA E CONHECE MUITO BEM O POVO CUBANO. POR ISSO TEMOS QUE DAR CRÉDITO À SUA PALAVRA.ASSIM SENDO ESTOU COM O CARDEAL.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome