María Liz García, ministra de Defesa do Paraguai
María Liz García, ministra de Defesa do Paraguai

A ministra de Defesa do Paraguai, María Liz García, forneceu à imprensa vídeo feito por câmaras de segurança mostrando reunião do chanceler da Venezuela, Nicolás Maduro, com comandantes militares paraguaios, enquanto o Senado se aprontava para votar a destituição do então presidente populista Fernando Lugo.

O encontro do chanceler venezuelano com comandantes das três Armas teria sido convocado pelo chefe do gabinete militar de Lugo, o general Ángel Vallovera, e aconteceu no próprio Palácio de Governo da capital.

A matéria foi difundida pela agência EFE desde Assunção e o vídeo foi postado em Youtube.

Há alguns dias, a ministra de Defesa paraguaia acusou o chanceler chavista de incentivar as Forças Armadas paraguaias a se rebelarem contra a cassação de Lugo.

As imagens, editadas e sem áudio, foram exibidas por um canal de televisão paraguaio.

“ABC Color”, 3.7.2012

A reunião teria ocorrido entre às 16h23 e 16h33 do dia 22, duas horas antes da votação no Senado que aprovou o impeachment de Lugo julgado culpado por mau desempenho em suas funções.

O vídeo editado inclui fotos e nomes dos participantes. Uma versão sem cortes foi entregue a outros meios de comunicação do país.

Participaram da reunião os comandantes do Exército, Adalberto Garcete, da Marinha, Juan Benítez, e da Força Aérea, Miguel Christ.

Assim que assumiu a presidência, o novo presidente Franco substituiu o chefe do gabinete militar anterior e os comandantes do Exército e da Marinha.

O jornal “ABC Color”, de larga difusão no Paraguai, citou vários deputados que asseguraram que o chanceler venezuelano e o embaixador equatoriano no Paraguai, Julio Prado, incitaram os comandantes para que assinassem um documento proclamando Lugo como presidente.

Segundo o deputado José López Chávez, a Comissão parlamentar de Defesa convocou outros militares envolvidos, e todos confirmaram a mesma versão dos fatos.

López Chávez pediu que a justiça paraguaia processasse Maduro, Prado e o ex-presidente Lugo por instigar a uma sublevação militar.

Protesto contra o ‘golpe’ e em favor da
‘democracia’ em frente à embaixada
paraguaia, Brasília. (Antonio Cruz-ABR)

O parlamentar acrescentou que o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, deve explicações pela sua intromissão na soberania paraguaia.

A crise no Paraguai está a demostrar, mais uma vez, a novilíngua dos regimes populistas latino-americanos.

Segundo essa nova linguagem, a ‘democracia’ se não é de esquerda chama-se ‘golpe’!

E o golpe?

Ora o ‘golpe’!

‘Golpe’ se é de esquerda chama-se ‘democracia’!

E, ái se não for de esquerda!

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Ola Luis, Mais uma vez o Brasil através de nosso chanceler Sr. Patriota, realizou uma “pataguada” o que nos descredencia junto a comunidade internacional, todas as questões que levaram a deposição do Sr. Lupo foram realizadas seguindo a Carta Magna do Paraguai, aprovado assim pelo congresso nacional e ratificado pelo judiciário. Podemos questionar quanto a agilidade do processo e isto se deu por nosso vizinho saber que sofreriam ingerência dos países vizinhos nos assuntos internos do Paraguaia, ditos, bolivarianos principalmente do déspota Hugo chaves, mas não nos cabe condenar este processo ja que é prerrogativa da constituição do País vizinho.
    O Paraguai realizou os tramites com maioria de apoio do seu povo , sem que houvesse resistência e manifestação populares contrárias à decisão. Nossos irmãos Brasiguaios, quase 500 mil, sofriam com o governo Lupo, estando na eminencia de perderem suas terras. Golpe mesmo foi a suspensão do Paraguai do Mercosul, onde abriu-se a porta para incluir a Venezuela como membro, sem respaldo jurídico. O populismo de esquerda com seus pensamentos jurássicos põe em risco a democracia do cone sul, Brasil, Argentina e Uruguai, realizaram um remix do que fizeram no passado. Nós os brasileiros somos contra este atentado feito ao Paraguai, abri-se uma crise diplomática onde podemos aguardar mais surpresas adiante. Temos uma oportunidade este ano na esfera municipal, demonstrando nosso descontentamento com a atual gestão do nosso Estado e bani-los da administração regional. Esta na hora de cada brasileiro consciente fazer sua parte, somos formadores de opinião e nossa responsabilidade é grande neste momento.

     
  2. No último painel promovido por este Instituto um dos conferencistas afirmou que o movimento revolucionário usa da tática de confundir os conceitos e princípios utilizando-se da palavras que o Prof. Plinio denominou “palavras talismãs”. O método consiste em utilizar de palavras cujos significados vão sendo modificados – sem as pessoas o perceberem – até elas chegarem a um sentido até mesmo contrário ao original e próprio. O exemplo dado foi o da palavra “sustentabilidade”. Se entendi bem a tese do Prof. Plinio faço aqui uma aplicação: também a palavra democracia mudou de sentido para alcançar mais facilmente os fins aos quais objetivam os movimentos revolucionários de esquerda como demonstra o articulista.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome