ADVERTÊNCIA

O presente texto é adaptação de transcrição de exposição verbal do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira para sócios e cooperadores da TFP, tendo portanto estilo verbal, e não foi revisto pelo autor.

Se o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira estivesse entre nós, certamente pediria que se colocasse explícita menção a sua filial disposição de retificar qualquer discrepância em relação ao Magistério da Igreja. É o que fazemos aqui constar, com suas próprias palavras, como homenagem a tão belo e constante estado de espírito:

“Católico apostólico romano, o autor deste texto  se submete com filial ardor ao ensinamento tradicional da Santa Igreja. Se, no entanto,  por lapso, algo nele ocorra que não esteja conforme àquele ensinamento, desde já e categoricamente o rejeita”.

As palavras “Revolução” e “Contra-Revolução”, são aqui empregadas no sentido que lhes dá o Prof. Plínio Corrêa de Oliveira em seu livro “Revolução e Contra-Revolução“, cuja primeira edição foi publicada no Nº 100 de“Catolicismo”, em abril de 1959.

***

Os Reis Magos representaram toda a humanidade no Natal: poucos mas representativos

Natal - adoraçao dos Reis Magos - Gentile da Fabriano
Natal – adoraçao dos Reis Magos – Gentile da Fabriano.

Amanhã é festa da Epifania do Senhor: reconhecendo aos Magos, adoradores, as primícias de nossa vocação e de nossa Fé, celebramos com o coração jubiloso o início dessa feliz esperança.

A respeito da adoração dos Magos, temos aqui um bonito quadro pertencente a uma pessoa conhecida nossa. E a respeito dele é preciso fazer a seguinte consideração: o valor que têm as coisas de caráter representativo e de caráter simbólico, dentro dos planos da Providência. Não há um comentador da adoração dos Magos, que não diga que era conveniente que os Magos viessem adorar a Nosso Senhor para representar os vários povos da gentilidade que desde o começo se aproximavam de seu berço; e que era conveniente também que fossem magos, para  representar toda a sabedoria antiga  prestando homenagem a Nosso Senhor.

Nós sabemos que a palavra mago designa aqui  homem  de uma sabedoria  extraordinária, de uma  sabedoria relevante, vindos  de todos  os lados, para adorar a Nosso Senhor. Se esses magos eram reis, costuma-se pôr em dúvida. A meu ver essa dúvida tem um certo aspecto igualitário. Porque a Cristandade, servida por uma tradição venerável, em todos os tempos acreditou que eram reis. E essa tradição é de tal maneira contínua, e que não deixa de ter alguma consonância com trechos da Escritura que falam de reis vindos de longe para adorar o Messias, essa tradição de si mesma merece fé, merece crença e eu não vejo nenhuma razão para que não fossem reis.

Eu compreendo que possa atrapalhar [a esquerda dita católica], que homens com uma profissão tão “péssima” como a de rei, terem sido chamados a adorar Nosso Senhor desde menino. Mas acho inteiramente razoável, vejo, ao contrário, objeção em se pôr dúvidas a esse respeito.

Adoração dos Magos - Fra Angélico - 1433
Adoração dos Magos – Fra Angélico – 1433

De qualquer maneira, temos aqui homens procedentes de várias raças, – um negro inclusive – representando todo o mundo antigo e representando toda a sabedoria  antiga  em sua  homenagem  a Nosso Senhor, na forma  bem conhecida, de ouro, incenso  e mirra.

Mas representando a que título e de que maneira? Quase ninguém soube que eles iam; não receberam nenhuma delegação para irem e, no entanto, estavam numa verdadeira representação. Porque a razão pela qual foram não era um motivo individual, mas era uma razão de representação.

Os senhores estão vendo que é uma coisa toda ela simbólica. Eles estavam representando esses povos porque Nosso Senhor quis que eles representassem, e que foram lá porque Nosso Senhor os chamou como representantes. Ele quis ter representantes desses povos, escolheu quem representaria e a representação ficou feita. E ficou valendo, com seu caráter simbólico, apesar de não haver nenhum sufrágio de nenhuma espécie, nenhuma procuração credenciando-os aos pés de Nosso Senhor.

E o fato de haver ali um de cada um desses povos, constituía, na ordem absoluta e profunda dos acontecimentos uma verdadeira representação. Ali, de fato, eles estavam representando. Essa representação tinha um valor nos planos da Providência. Eram só três, mas  esses três  representavam  algo nos planos da Providência.

Vamos encontrar algo de parecido com isso aos pés da Cruz. Como Nossa Senhora, São João e as santas mulheres estão representando tudo quanto há de bom e fiel no gênero, no passado, no presente e no futuro, aos pés da Cruz também. Eles representam uma delegação, representam porque são fiéis, estão ao pé da Cruz. E todo aquele que é de um certo gênero, numa ocasião muito solene, representa naturalmente os seus congêneres por seleção. Por isso eles estavam representando seus congêneres por seleção e eleição divina.

Hoje, aos pés da Igreja humilhada, Nossa Senhora quis que, embora poucos, os verdadeiros católicos representássemos a fidelidade das gerações passadas, presentes e futuras

E nós podemos perguntar se desta verdade se pode tirar algo de aplicável para nós. Nós também somos poucos, também representamos uma minoria muito pequena e de tal maneira comprimida que quando nos sentimos muitos – mas muitos não no sentido de massa da população – mas muitos apenas em relação ao âmbito normal das relações de um homem, nós já nos sentimos espantados, de tal maneira é antinatural na época de hoje que sejamos numerosos.

Entretanto, representamos o dever da fidelidade; e aos pés da Igreja perseguida, aos pés da Igreja humilhada, aos pés da Igreja lançada, na pior das confusões de sua história, Nossa Senhora quis que representássemos a fidelidade, a pureza, a ortodoxia, a intrepidez, o espírito de iniciativa, de ataque, de ação, no momento em que tudo deveria falar  em recuo, em transigência, em  fuga.

Calvário - Século XVIII - Escola Cusquenha ( Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo )
Calvário – Século XVIII – Escola cusquenha. (Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo)

O que representamos nós aí? Aos pés dessa nova crucifixão de Nosso Senhor e da Igreja representamos todos os fiéis, representamos a fidelidade de todos os que foram fiéis no passado, de todos aqueles que dormiram na paz do Senhor e que nos antecederam. Se um São Gregório VII, se um São Luiz, se um São Luiz de Monfort, se um São Fernando de Castela, um Beato Nuno Álvares, pudesse de longe, ao morrer, saber que numa época assim de crise haveria fiéis que representariam a fidelidade inteira à Igreja Católica, eles nos teriam abençoado de longe, teriam se sentido nossos congêneres, de longe teriam sentido uma espécie de desafogo: ao menos estes estão fazendo o que eu quereria fazer se estivesse vivo naquele tempo.

Estamos, portanto, representando a todos eles, estamos representando a todas as almas fiéis esparsas e esmagadas por esse mundo e que não sabem aonde sequer pousar sua fidelidade, mas que gostariam de fazer o que estamos fazendo. Estamos representando as almas que vierem depois de nós, essas almas que, olhando para trás, vão ficar entusiasmadas com aquilo que fazemos. Vão dizer: se estivéssemos vivos naquele tempo, faríamos aquilo.

Há essas interpenetrações na história, em virtude dessa doutrina da representação, algumas das quais são verdadeiramente impressionantes. Os senhores sabem que quando São Remígio e se seus auxiliares ensinavam a Clóvis e seus francos a Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, eles davam urros, levantavam suas lanças e diziam: “Por quê não estávamos lá na hora da Paixão para defender Nosso Senhor?”

E eles estavam. Pois, na Paixão, Nosso Senhor anteviu o que eles queriam, anteviu que eles diriam isso, eles O consolaram naquela hora. Há, portanto, uma espécie de reversibilidade por cima do tempo, dessas várias ações, e tudo isso se funde numa cena única e grandiosa; nessa cena única e grandiosa, os poucos fiéis dessa época representam toda a fidelidade passada, do presente e toda a fidelidade do futuro.

Devemos ser para Nossa Senhora o que foi Verônica para Nosso Senhor

Eu tive ocasião de dizer que a cena e a projeção do Auto do Divino Infante acentuou muito essa impressão aqui em nosso grupo, e a situação histórica dentro da qual nos encontramos é precisamente essa: Nossa Senhora está como uma rainha sentada em seu trono, mas, pela injúria dos homens – e de que homens! – já descoroada, já atada com cordas e condenada a ser arrancada aos safanões de seu trono. Nessa sala onde esse crime se prepara, uns poucos são fiéis e estão dispostos a tudo para que esse crime não se consume. Esses fiéis, que estão lutando nessa hora, que tiveram a felicidade incomparável de agüentar os sofrimentos, as incertezas, as torturas espirituais dessa situação, esses fiéis representam todas as almas marianas do passado, do presente e do futuro nesse momento de tanto sofrimento para Nossa Senhora.

Elas são para Nossa Senhora o que Verônica foi para Nosso Senhor. Enxugando a Divina Face, Verônica representou o mundo inteiro, e não houve uma alma piedosa, desde o momento da prática desse ato, que não se sentisse com inveja dela e não se sentisse, por assim dizer, representada por ela. E a nós foi dada a felicidade e a vocação de enxugarmos a santíssima face de Nossa Senhora, cheia de prantos, como a lacrimação em Siracusa (1) nos fez sentir, nessa época dolorosa.

A estrela para os Reis Magos foi Nosso Senhor, para nós será Fátima

Jesus encontrando a Verônica - Carlo Caliari Basilica dei Santi Giovanni e Paolo - Veneza
Jesus encontrando a Verônica – Carlo Caliari. Basilica dei Santi Giovanni e Paolo – Veneza

E sentimos a necessidade dessa nossa representação nesse ato,  em face da representação dos Reis Magos diante do Menino Jesus. A doutrina da representação nos deve alentar. Peçamos aos Reis Magos que orem por nós – porque certamente estão no Céu junto a Deus – para que tenhamos uma das muitas formas de coragem que nos são pedidas e que devemos ter, a coragem de sermos sós como eles eram; sós no mundo pagão, mas à espera da estrela, à espera da hora de Deus, para cumprir Sua vontade quando ela se apresentasse, e cumpri-la com toda a fidelidade e pontualidade, na hora em que se apresentar.

A hora, para eles, foi consoladora: foi a hora em que o Menino Jesus nasceu. A hora, para nós, deve ser a hora da plena realização dos acontecimentos previstos por Nossa Senhora em Fátima; mas, de qualquer maneira, chegará para nós um momento muito preciso em que uma estrela nos dirá que a hora esperada chegou. Não será uma estrela exterior, mas será uma voz interior. Será uma convicção de que os tempos se consumaram, que a hora felizmente chegou. Devemos nos preparar para essa hora, para sermos modelos de exatidão e fidelidade como foram os Reis Magos, sendo agora modelos de fidelidade no isolamento.

________________________

(1) Miraculosa lacrimação de imagem de Nossa Senhora, em Siracusa – Itália, ocorrida em 1953, cujo documentário filmado pode ser visto emGlória TVParte I e Parte II

Fonte: http://www.pliniocorreadeoliveira.info/

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 
COMPARTILHAR
Artigo anteriorAbaixo-assinado da Filial Súplica a Sua Santidade o Papa Francisco sobre o Futuro da Família
Próximo artigoConselho de Ética alemão: incesto é direito humano fundamental
Plinio Corrêa de Oliveira

Homem de fé, de pensamento, de luta e de ação, Plinio Corrêa de Oliveira (1908-1995) foi o fundador da TFP brasileira. Nele se inspiraram diversas organizações em dezenas de países, nos cinco continentes, principalmente as Associações em Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), que formam hoje a mais vasta rede de associações de inspiração católica dedicadas a combater o processo revolucionário que investe contra a Civilização Cristã. Ao longo de quase todo o século XX, Plinio Corrêa de Oliveira defendeu o Papado, a Igreja e o Ocidente Cristão contra os totalitarismos nazista e comunista, contra a influência deletéria do “american way of life”, contra o processo de “autodemolição” da Igreja e tantas outras tentativas de destruição da Civilização Cristã. Considerado um dos maiores pensadores católicos da atualidade, foi descrito pelo renomado professor italiano Roberto de Mattei como o “Cruzado do Século XX”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome