EUA e Reino Unido face à extração de órgãos na China

1

EUA apresentam um projeto de lei bipartidário e a Câmara dos Lordes, do Reino Unido, aprova uma emenda para combater um dos crimes mais chocantes do século XXI.



BitterWinter: “A extração de órgãos é uma tragédia sorrateira pela qual o regime chinês liderado pelo PCCh deve ser responsabilizado, mas parece que sempre consegue escapar no último minuto. É por isso que qualquer passo no sentido de um reconhecimento público desta horrível realidade dado por governos e parlamentos é precioso.”

“Pare a Coleta Forçada de Órgãos”

Em 15 de dezembro de 2020, nos Estados Unidos, um projeto de lei bipartidário intitulado Stop Forced Organ Harvesting Act de 2020 foi apresentado no Senado pelo senador Thomas B. Cotton (R-AR) S.5016, bem como na Câmara dos Representantes pelos congressistas Christopher H. Smith (R-NJ) e Thomas R. Suozzi (D-New York) como RH 8972, para expandir os poderes do governo dos EUA para combater diretamente a extração de órgãos.

US Congressman Chris Smith

Continua a notícia: “É uma legislação inédita que abre caminho para uma abordagem totalmente nova sobre o assunto. Desse modo, os horrores da extração de órgãos passam do reconhecimento por grupos focais e ONGs para o domínio mais amplo das políticas públicas no país mais poderoso e influente do mundo.

“Os três signatários do projeto de lei sobre a colheita humana nos dois ramos do corpo legislativo dos Estados Unidos foram reeleitos em 3 de novembro e estão ansiosos para continuar sua batalha política bipartidária sobre o assunto. Eles sabem como as relações com a China são estratégicas para os Estados Unidos e estão ainda mais convencidos de que os direitos humanos devem desempenhar um papel vital no relacionamento com Pequim.”

Também no Reino Unido

“Supremamente importante também é, no Reino Unido, a alteração 13 ao projeto de lei sobre medicamentos e dispositivos médicos, aprovado em 12 de janeiro pela Câmara dos Lordes por iniciativa de Lord Hunt of Kings Heath, do Partido Trabalhista. Com a alteração aprovada, o projeto de lei do Reino Unido agora proíbe “o uso de tecidos ou células […] em relação a medicamentos humanos”. Este é um golpe direto para o tráfico de tecidos humanos e depois para a extração de órgãos, como Lord Hunt declarou explicitamente, e para “[t] sua escravidão moderna”, que “está entrando na cadeia de abastecimento do Reino Unido, e não há dúvida de que atualmente somos cúmplices. “

***

Numa primeira fase, como sempre acontece com os regimes ditatoriais, a China negou a extração de órgãos, negou os campos de detenção forçada de Xinjiang. Vejamos notícia já publicada por nosso Site.

 “Versões contraditórias do regime chinês”

       “Durante muitos anos, as autoridades chinesas negaram que estivessem extraindo órgãos vitais de prisioneiros executados. Mas em 2005, Huang Jiefu, então vice-ministro da Saúde, revelou à comunidade internacional que efetivamente usavam prisioneiros desde 1984, como parte das políticas da China. Ele se refere aos prisioneiros sentenciados à morte depois de serem condenados por crimes”.

    “Mas o número de condenados à morte também não explica o número de transplantes publicado pelo regime chinês, pois mesmo que cada prisioneiro executado servisse como fonte para um transplante, isso ainda não explica o número de 10 mil transplantes por ano”.

    “Estas incongruências nos números, juntamente com uma grande quantidade de evidências (relatos de médicos ou guardas prisionais que foram testemunhas, chamadas para hospitais que admitiram que a fonte dos órgãos eram os praticantes do Falun Dafa, o curto tempo de espera para receber o órgão, entre outros), indicam que a esmagadora maioria dos transplantes de órgãos feitos na China são realizados com órgãos de prisioneiros de consciência que foram mortos durante o processo de extração”.

    “O regime chinês nunca admitiu estes crimes; mas após intensa pressão internacional, anunciou a proibição de transplantes de órgãos de prisioneiros executados, a partir de 1º de janeiro de 2015”. (*)

Continua BitterWinter:
Como Lord Hunt explicou: “Internamente, o projeto de lei oferece uma oportunidade para evitar a cumplicidade britânica em tais crimes e para enviar uma mensagem importante a outros países. Minha alteração foi projetada para lidar com lacunas na atual legislação do Reino Unido sobre tecidos humanos. Atualmente, a Lei do Tecido Humano não exige o consentimento apropriado para tecido humano importado. Além disso, o tecido humano importado para uso em pesquisas médicas não requer rastreabilidade. Atualmente, nem os Regulamentos do Tecido Humano (Qualidade e Segurança para Aplicação Humana) nem a Lei do Tecido Humano exigem o consentimento adequado para tecidos humanos importados para uso em medicamentos. Minha emenda dá poderes aos ministros para corrigir isso. Devo explicar que as palavras ‘tecidos’ e ‘células’ são terminologias que abrangem todo o material humano que é usado para fins de medicamentos. Isso inclui órgãos. ”

Acusação contra a China

Lord Hunt of Kings Heath

Agora, “[o] mundo está cada vez mais ciente da extração forçada de órgãos de prisioneiros de consciência pela China”, disse Lord Hunt. “Este horrível crime de remover à força os órgãos de vítimas vivas – um processo que leva ao assassinato inevitável – foi recentemente considerado pelo Tribunal da China como ocorrendo extensivamente”, acrescentou. E “[m] ilhões de cidadãos chineses estão atualmente detidos em campos de trabalho forçado.” Em particular, “especialistas da ONU estimam que pelo menos 1 milhão de uigures estão sendo mantidos em campos na região de Xinjiang. Em outros lugares da China, outras minorias étnicas e religiosas também estão sendo mantidas em campos de trabalhos forçados, como budistas tibetanos, praticantes do Falun Gong e cristãos. “

Pressionar a OMS, aliada da China

Entra aqui mais uma denúncia da omissão da OMS, tão amiga da China de Xi Jinping, como ficou amplamente demonstrado durante a pandemia do vírus de Wuhan.

“Baseando-se amplamente nas conclusões do Tribunal da China do ano passado, e reconhecendo a Coalizão Internacional para Acabar com o Abuso de Transplantes na China por seu apoio inestimável, Lord Hunt então apelou diretamente ao governo do Reino Unido para que pudesse “tentar pressionar a Organização Mundial da Saúde para levar isso a sério. “

Concluindo que “a aprovação da minha emenda seria uma ação significativa”, uma vez que dá “aos ministros o poder de fazer regulamentos”, Lord Hunt acrescentou que “este é um ato específico do Reino Unido em relação às práticas abomináveis ​​na China”. Claro, ele observou, “precisamos ver esses regulamentos introduzidos e aprovados pelo Parlamento. Mas, internacionalmente, a ação do Reino Unido será vista como um marco e um sinal real para outros países. “

O que fará o governo Biden?

Biden foi o candidado preferido pela China. Ele já sinaliza reatar com a OMS, financiamentos etc. Irá Biden continuar a política de Trump pela transparência do regime chinês? Pressionará pela liberdade de expressão e pela liberdade de pensamento na China? Protestará contra as violações ao Acordo UK-China firmado em 1997 sobre Hong Kong?

Sobretudo lutará pela liberdade religiosa, pelos direitos dos católicos fieis à Roma, tão perseguidos por Xi Jinping?

***

Sempre distinguimos, nesse Site, a diferença fundamental entre o povo chinês e o PCCh. Desde a revolução maoísta a China não conhece eleições livres. Assim como o nazismo nunca representou a Alemanha autêntica também o PCCh não se identifca com o povo chinês para o qual auguramos que possa sacudir o jugo maoísta e realizar sua missão no mundo amarelo.

Nossa Senhora Imperatriz da China derrame graças de conversão naquela grande Nação para que a China cumpre os designios de Deus.

Fonte: https://bitterwinter.org/organ-harvesting-real-and-still-happening-say-us-uk-parliaments/

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta