Gustave_dore_crusades_entry_of_the_crusaders_into_constantinople-800x300

Estamos imersos numa “Guerra Cultural” que vai destruindo os fundamentos mais sagrados de nossa civilização e com isso fazendo o mundo imergir cada vez mais no caos e na violência.

Nesse contexto, é preciso que os católicos, seguindo a trilha de seus antepassados, abandonem o comodismo e se lancem na luta, lembrados das promessas feitas no batismo, e de que se tornaram soldados de Cristo pelo sacramento da Crisma.

Um vibrante apelo à luta

Bispo-3Essa é a convocação que o bispo de Phoenix, Estado do Arizona (EUA), Dom Thomas J. Olmsted [foto ao lado], fez no dia 29 de setembro de 2015, festa de São Miguel Arcanjo, aos homens de sua diocese — e, por extensão, de todo o país — em sua vibrante Exortação Apostólica aos homens católicos, meus filhos espirituais da diocese de Phoenix.

Trata-se de Um Chamado à Luta, como a designou o ilustre bispo, cujas palavras lembram as convocações para as Cruzadas de outrora:

“Começo esta carta com um toque de clarim para a carga de cavalaria vossa, meus filhos e irmãos em Cristo: homens, não hesiteis em vos engajar na batalha que está sendo travada em torno de vós, a batalha que está ferindo os nossos filhos e as famílias, a batalha que distorce a dignidade de homens e mulheres. Esta batalha é muitas vezes escondida, mas é uma batalha real. É principalmente uma batalha espiritual, que está progressivamente matando os valores cristãos restantes em nossa sociedade e em nossa cultura, e até mesmo em nossas próprias casas.”

 A luta como defesa dos ataques do demônio

crusade0007Essa “Guerra Cultural” contra a Igreja tem como inspirador o Pai da Mentira e, pondera o bispo Olmsted, uma das razões principais pela qual a Igreja está vacilando sob os ataques de Satanás é que muitos homens católicos não estão dispostos a ‘entrar na luta’ para tapar esta brecha que se encontra aberta e vulnerável a outros ataques”.

Esse abandono da luta é devastador para os homens católicos, que acabam por “abandonar a Igreja e cair no pecado, desfazendo assim seus laços com Deus e deixando-os vulneráveis ao fogo do inferno”.

 A luta é dever de todo batizado

Com isso, “os homens católicos não estão cumprindo as promessas que fizeram no batismo de seus filhos — prometendo trazê-los para Cristo e criá-los na fé da Igreja”.

Muitos frutos de nossa herança cristã ainda existem, mas as raízes abaixo do solo estão sob ataque” – ressalta o bispo de Phoenix. E é por isso que a luta tem sua razão de ser e torna-se urgente. Cumpre não somente conservar esses restos de nossa herança católica, mas restaurá-los em sua plenitude.

A “joie de guerre”

Mas, a luta pela verdade e a moral, pela honra de sermos católicos, não é somente um sacrifício que fazemos; coadjuvada pela graça divina, ela nos dá aquela alegria do guerreiro que luta pela causa justa. Diz Dom Olmsted: “Na misericórdia e na verdade de Cristo, tornamo-nos fortes com sua força, corajosos com sua coragem, e podemos realmente experimentar a ‘joie de guerre’ [alegria da luta] de sermos soldados de Cristo.” Essa “alegria da luta” enquanto soldados de Cristo é uma das mais puras e intensas alegrias que possamos gozar nesta Terra.

A Igreja, uma escola de batalha espiritual

Prossegue o bispo de Phoenix: “A Igreja é, e sempre foi, uma escola que nos prepara para a batalha espiritual, onde os cristãos são chamados a ‘combater o bom combate da fé’ (1 Tim 6), para “revestir-se da armadura de Deus”, e para poder resistir às ciladas do demônio (Efésios 6:11).

Essa “alegria da luta” é um poderoso incentivo para que os católicos se lancem no combate e recuperem o verdadeiro conceito de varonilidade, tão deturpado em nossa sociedade, influenciando inclusive eles próprios. Existe hoje uma crise de virilidade.

Nosso Senhor Jesus Cristo, modelo de varonilidade

O verdadeiro modelo de masculinidade não é aquele que o mundo oferece, mas sim Nosso Senhor Jesus Cristo:

“Jesus de Nazaré — que é ao mesmo tempo totalmente Deus e totalmente homem, é a perfeição da masculinidade. Cada momento de sua vida na Terra é uma revelação do mistério do que significa ser homem — isto é, o ser plenamente humano, mas também é o modelo de masculinidade. Em nenhum outro lugar podemos encontrar a plenitude davaronilidade como no Filho de Deus. Somente em Jesus Cristo podemos encontrar a mais alta representação da virtude masculina e da força de que precisamos em nossas vidas pessoais e na própria sociedade” – observou Dom Thomas Olmsted.

 A “Ideologia de Gênero” e a destruição da sociedade

A evanescença da virilidade contribuiu enormemente para a chamada “teoria de gênero”, que destrói as diferenças complementares entre o homem e a mulher. A desvirilização do homem é acompanhada pela masculinização das mulheres: o uso de roupas unissex, cortes de cabelo andróginos, a substituição da vida de família pelas carreiras fora do lar, tudo isso contribui para a perda da verdadeira feminilidade.

Explica o bispo de Phoenix:

“O avanço rápido de uma ‘ideologia de gênero’ já infectou as sociedades ao redor do mundo. Essa ideologia procura anular a diferença sexual criada por Deus, para remover o masculino e o feminino como forma normativa da compreensão da pessoa humana, e, em seu lugar, adicionar várias outras ‘categorias’ de sexualidade. Essa ideologia é destrutiva para os indivíduos e a sociedade, e é uma mentira. É prejudicial para a pessoa humana e, portanto, um falso conceito ao qual devemos nos opor como cristãos.”

A impossível mudança de sexo

É bem evidente que ninguém pode mudar de sexo de acordo com sua fantasia. O DNA presente em cada célula do corpo humano traz a marca do sexo da pessoa, masculino ou feminino. Isso não depende da vontade de ninguém, mas dos desígnios de Deus, e tentar forçar a natureza contrariamente a esses desígnios é um pecado, uma revolta contra o Criador. As pessoas podem mudar sua aparência mediante hormônios e operações, mas não sua natureza: elas serão sempre homem ou mulher, tais como concebidas no ventre materno.

A crise da paternidade

A confusão e a perda da identidade masculina ou feminina acarretam um profundo golpe na família e, portanto, na sociedade, com a consequente perda das noções de paternidade e de maternidade,outrora tão vivas na Civilização Cristã.

Comenta ainda o intrépido bispo:

“O ataque de hoje à paternidade e, por extensão, à maternidade, é multifacetado e incrivelmente prejudicial. 41% dos filhos nascem em nossos dias em lares de mães solteiras, um aumento de 700% em relação a 1950, quando a taxa de natalidade fora do casamento era apenas de 6%. Estas crianças não são órfãs por causa de algum conflito bélico, como na Segunda Guerra Mundial — que causou muitos casos de orfandade paterna —, mas sim porque, o que é muito pior, devido à ausência de vontade do pai, essa ‘orfandade’ está acontecendo em uma escala maciça. […] Homens católicos também contribuem muito regularmente para este mesmo escândalo que desola o coração de uma criança e faz com que muitas mulheres em nossa cultura vivam como se fossem viúvas!”

 O papel do pai é insubstituível na familia

Dom Olmsted exorta os homens católicos:

Homens, a vossa presença e missão na família é insubstituível! […] Precisamos de fé como a de nossos pais, que defenderam os filhos nas gerações anteriores e deram a própria vida antes que abandonar sua fé em Cristo. Meus filhos e irmãos, homens da Diocese de Phoenix, precisamos de vós para entrar na luta!”

O papel da sadia amizade

Os homens católicos não devem somente recuperar o senso da paternidade, física ou espiritual, mas também o senso da amizade viril entre homens, o companheirismo que ajuda a enfrentar as dificuldades da vida, e que constitui, sobretudo, um auxílio no progresso da vida espiritual. Essa amizade nada tem de afeto ou interesseiro, mas resulta da própria natureza social do homem, levando homens e mulheres à prática da amizade. Santo Tomás de Aquino diz que um amigo é outro eu, e Nosso Senhor nos manda amar o próximo como a nós mesmos.

Infelizmente, na sociedade individualista e hedonista em que vivemos, o senso natural da amizade vai se perdendo, aumentando sempre mais aquilo que os sociólogos chamam de solidão em meio à multidão.

Revolução Sexual, infelicidade e solidão

A desvirilização do homem e a masculinização da mulher, a perda do senso da paternidade e da maternidade, da amizade, têm como causa próxima a Revolução Sexual, a qual tomou um impulso violento e arrasador em meados dos anos 1960.

Comenta o bispo:

“Como se explica que uma cultura tão firme em apoiar o casamento e o compromisso matrimonial duas gerações atrás, tornou-se uma cultura que reduziu a sexualidade a um mero prazer com fins interesseiros? A resposta está na Revolução Sexual. Para muitos, a Revolução Sexual prometeu ‘amor livre’ e a liberdade dos grilhões de velhas idéias sobre masculinidade e feminilidade. O resultado foi a separação entre a sexualidade e os compromissos do casamento e uma opção generalizada pela esterilidade (química ou cirúrgica), numa negação do que é mais essencialmente masculino e feminino na pessoa. Pior, a Revolução Sexual inaugurou o flagelo do aborto, a pornografia, o abuso sexual, tão desenfreados nas últimas décadas. Em vez de amor real e autêntico, esta ‘liberdade’ falsa oferece prazeres baratos que mascaram a mais profunda solidão e dor.”

Vigiai e orai para não cairdes em tentação

Os remédios apontados em Um Chamado à Luta são aqueles apresentados classicamente pela tradição católica e pelos autores de teologia espiritual: guarda constante do olhar, controle da imaginação, oração, vigilância, frequência aos sacramentos – sobretudo da Confissão e da Comunhão –, exame de consciência diário, devoção aos santos, etc.

A vida espiritual concebida como luta

Cruzado-2Mas, sobretudo – e esta é a grande contribuição dessa admirável Exortação Apostólica do bispo Thomas Olmsted –, é preciso que os homens católicos concebam a vida espiritual como uma luta e pratiquem a virtude como um meio de se prepararem para ela, em defesa dos princípios e dos valores cristãos, em especial da grande virtude combatida em nossos dias: a castidade.

Uma castidade viril, forte, combativa, que não se envergonha de si mesma, nem se desculpa por existir. Pelo contrário, que deve ser vista como uma poderosa e necessária arma nesta luta contra a destruição da família, da Igreja, e da própria civilização.

Gratidão a um valoroso bispo

É, pois, com um agradecimento ao valoroso bispo de Phoenix que terminamos estas rápidas considerações sobre a sua extremamente oportuna Exortação Apostólica Um Chamado à Luta.

3 COMENTÁRIOS

  1. O que está por detrás de tudo que se opõe à doutrina da Igreja e resulta no atual caos religioso e ético-moral descrito no post, sem dúvidas é a relativista maçonaria que comanda o mundo no presente, pertencente às sociedades ocultistas, sendo pois de origens antiquíssimas, dos tempos do Egito, Babilônia e da cabalística judaica, particularmente de judeus, sendo material-ateísta, praticante de cultos secretos, portanto arquiinimiga da Igreja católica.
    Sua constituição atual data de 1723, promulgada pelo protestante presbiteriano James Anderson; pretendia derrubar nos tempos da Revolução Francesa a monarquia e a Igreja, instaurando um reino que possui semelhanças com a Nova Era-NWO, em que o homem se ilumina e transcende-se, possuindo condenação formal do S Padre Clemente XII já em 1738, sequencial e unanimente, inclusive pelo S Padre Bento XVI, ratificada em 17/02/81 pela CDF, impondo sobre os católicos exclusão automática da Igreja sob qualquer associação ou participação em suas assembléias e cultos – cânon n° 2335 – por haver incompatibilidades doutrinárias contrastantes.
    A maçonaria insinua também um exacerbado panteísmo, outrossim, um deísmo subjetivista. Trata-se de uma doutrina ultra racionalista, alienante á fé católica, admitindo apenas proposições admitidas pelo empirismo científico e historiadores, apresentando ainda fortes liames com o protestantismo, social-comunismo e Nova Era-NWO – paradoxo com a fé católica transcendente que crê em nova vida, ressurreição da carne, futuro novo aos que morrerem em Cristo para a eternidade, no entanto, ressalvando estar vinculado à Igreja.
    Inadmite a Verdade Única, o Senhor Deus, mas um outro – Grande Arquiteto do Universo – G.A.D.U., de modo vago, subjetivo, e há desacertos quanto à cosmologia: a visão do mundo deles não é unitária, mas subjetivista.
    Nesses casos, sua doutrina diverge com a Igreja idem por admissão de crenças aproximadas à Nova Era-NWO – supermercado de religiões ocultistas à escolha do cliente – assim como se incluindo algo na diversidade espiritista, umbandista, candomblecista, mediúnica e em suas extensas ramificações esoteristas, dessa forma procedendo que resulta num explícito satanismo.
    Há, por outro lado, correlação com uma gama de seitas e religiões orientais holísticas de meditações transcendentais como a Yoga, Seicho-no-ie etc., em que se configuram panteísmo e deísmo subjetivistas exacerbados que, por meio de práticas meditacionais transcendentais apropriadas, as pessoas auto realizam-se plenamente, incompatibilizando-as idem.
    Convém notar que as práticas religiosas dessas denominações admitem que o homem se auto liberta, embora se pautem em itinerários, cultos e doutrinas com suas peculiaridades, desembocam todas ao final num mesmo local: nas extensas ramificações esotéricas em suas diversidades, constituindo-as por isso vinculadas ao diabolismo.
    Quem se agrega a essa denominação formalmente definida pela Igreja como “Sinagoga de Satanás”, é apenas maçon que se diz católico, o qual por aderir sob qualquer pretexto apostasia-se, é excluído da Igreja, configurando antecipadamente sua associação para a eternidade ao corpo místico de Satanás.
    È bom recordar que as ideologias anti cristãs que grassam pelo mundo no presente são-lhe todas cativas, como o nazismo e o fascismo, hoje concentrados no tal qual comunismo, e mesmo no islamismo, o qual é aliado dos comunistas!

  2. Jesus Cristo disse: 34Não julgueis que vim trazer a paz à terra. Vim trazer não a paz, mas a espada.(São Mateus, cap. 10), realmente Jesus Cristo veio trazer a Espada da Sua Palavra Divina, a Verdade e a Vida Eterna, mas no mundo hodierno, a Palavra de Cristo é indigesta e amarga ao paladar. É por isso mesmo que o final dos tempos se aproxima rapidamente, e quando esta geração menos esperar: “Eis que venho sem demora”! Maranathá, vem Senhor Jesus!

  3. Um dos melhores artigos que li nos últimos tempos. Tenho notado que os Homens, do sexo masculino, tem estado em uma crescente crise de identidade. A virilidade foi confundida.
    Haviam alguns erros de conduta, do homem em relação às mulheres, mas ao invés de corrigi-Los, às ideologias ultra liberais se preocuparam em desconstruir as identidades masculinas e femininas.
    Precisamos nos reencontrarmos enquanto homens. O mesmo para as mulheres. Mas não como a “guerra dos sexos”, e sim degraus de uma mesma escada.
    Paz e bem!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome