Fatos e documentos inéditos revelados em notas biográficas de Plinio Corrêa de Oliveira

    MinhaVidaPublicaCapa
    Capa do livro autobiográfico de Plinio Corrêa de Oliveira “Minha Vida Pública”

    Uma compilação de memórias de Plinio Corrêa de Oliveira com mais de 800 páginas traz pela primeira vez à tona detalhes inéditos sobre os primeiros embates, no Brasil, entre o catolicismo tradicional e o progressismo dito católico.

    O livro, publicado sob o título “Minha Vida Pública”pelo Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, revela a articulação, no ano de 1935, de uma congregação secreta de freiras, composta por moças da melhor sociedade de São Paulo, as quais foram formadas na mentalidade progressista por uma professora belga, Adèle de Loneux.

    Este grupo foi a ponta de lança do movimento progressista em São Paulo, e desenvolveu uma campanha surda contra as Congregações Marianas e o grupo do jornal Legionário liderado por Plinio Corrêa de Oliveira.

    Dr. Plinio afirma que o seu livro “Em Defesa da Ação Católica” teve como objetivo combater os desvios e a mentalidade errada observada nessas moças e em outros próceres progressistas, como Alceu Amoroso Lima (o Tristão de Athayde, da literatura). Essas pessoas estão no nascedouro dos tristes desvios da Ação Católica no Brasil, movimento que desaguou depois nas CEBs e na própria Teologia da Libertação.

    Plinio Corrêa de Oliveira se refere também à estreita amizade que no início o ligava a Alceu Amoroso Lima. Esta amizade só se rompeu quando ele derivou rumo ao progressismo e se tornou o líder brasileiro da esquerda católica.

    Aloisi-Masella-217x300
    Núncio D. Aloisi Masella

    Outros fatos inéditos são detalhados, como as dificuldades colocadas por D. José Gaspar de Affonseca e Silva, então Arcebispo de São Paulo, para a publicação do livro “Em Defesa da Ação Católica”, obrigando a uma intervenção direta do Núncio D. Aloisi Masella [foto], que ordenou ao Arcebispo a liberação do livro.

    Também é detalhado o vendaval que soprou sobre Dr. Plinio depois da designação para Arcebispo de São Paulo de D. Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta, o qual moveu verdadeira perseguição contra o grupo do “Legionário”.

    Documentos inéditos publicados no livro revelam ainda que Pio XII acompanhava atentamente a polêmica no Brasil, e em várias ocasiões tomou medidas que representaram apoio indireto, ou mesmo direto, à posição assumida pelo grupo do “Legionário”.

    Mais fatos como estes vêm detalhados nessa obra, escrita em linguagem amena e coloquial, o que o torna de fácil leitura.

    OBSERVAÇÃO:

    Este livro está em oferta especial por R$ 85,00 na Livraria Petrus, por tempo limitado. Para adquiri-lo click aqui.

    Digitar PR85 no campo “Código Promocional” para obter o desconto, pois o preço de tabela é R$ 145,00.