Se houvesse um levantamento dos temas mais usados pela mídia nacional e internacional, nesse século XXI, certamente o Coronavírus ocuparia o topo.

O que leva o homem comum a se precaver, segundo o ditado: em tempo de guerra boato é mato.

Haveriam poderosas forças internacionais, diretamente interessadas em prejudicar o Ocidente cristão, tirando proveito dessa pandemia?

Recente despacho da Reuters faz pensar …

“BRUXELAS (Reuters) – A mídia russa implantou uma “campanha de desinformação significativa” contra o Ocidente para piorar o impacto do coronavírus, gerar pânico e semear a desconfiança, de acordo com um documento da União Europeia visto pela Reuters”.

Um documento de 9 páginas do Serviço Europeu de Ação Externa

“Uma campanha significativa de desinformação da mídia estatal russa e dos meios de comunicação pró-Kremlin em relação ao COVID-19 está em andamento”, disse o documento interno de nove páginas, datado de 16 de março, usando o nome da doença que pode ser causada pelo coronavírus.

“O objetivo abrangente da desinformação do Kremlin é agravar a crise de saúde pública nos países ocidentais… em consonância com a estratégia mais ampla do Kremlin de tentar subverter as sociedades europeias”, disse o documento produzido pelo braço de política externa da UE, o Serviço Europeu de Ação Externa.

Quase 80 casos de desinformação; amplificação das acusações iranianas contra os EUA

Continua a Reuters: “Um banco de dados da UE registrou quase 80 casos de desinformação sobre o coronavírus desde 22 de janeiro, disse ele, observando os esforços russos para amplificar as acusações iranianas online, citadas sem evidências, de que o coronavírus era uma arma biológica dos EUA”.

Faz pensar, acrescentamos. O Irã é um grande aliado da China (e da Rússia) e a imagem de Xi Jinping decai a olhos vistos em todo o Ocidente; esse desprestígio tem como causa a origem (paciente zero) que tudo indica estar em Wuhan. O Irã tenta, assim, passar a acusação do marco zero ao Ocidente.

Acrescenta a Reuters: “A maioria dos cientistas acredita que a doença se originou em morcegos na China antes de passar para os humanos.”

O Kremlin tenta negar

“O Kremlin negou as alegações na quarta-feira, dizendo que eram infundadas e sem bom senso”.

“O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, apontou para o que ele disse ser a falta no documento da UE de um exemplo específico ou ligação a um meio de comunicação específico.

“Estamos falando novamente de algumas alegações infundadas que, na situação atual, provavelmente são resultado de uma obsessão anti-russa”, disse Peskov.

A defesa do Kremlin não se sustenta: há provas em favor dessa acusação

Continua a Reuters: “O documento da UE citou exemplos da Lituânia à Ucrânia, incluindo falsas alegações de que um soldado americano enviado para a Lituânia foi infectado e hospitalizado. Ele disse que nas mídias sociais, o espanhol RT Espanhol, financiado pelo estado russo, foi a 12ª fonte de notícias mais popular sobre o coronavírus entre janeiro e meados de março, com base na quantidade de notícias compartilhadas nas mídias sociais”.

“A Comissão Europeia disse que estava em contato com o Google (GOOGL). O), Facebook (FB. O), Twitter (TWTR. N) e Microsoft (MSFT. O). Um porta-voz da UE acusou Moscou de “brincar com a vida das pessoas” e apelou aos cidadãos da UE para “terem muito cuidado” e usarem apenas fontes de notícias em que confiam”.

Precedentes não falam a favor do Kremlin

“A UE e a OTAN já acusaram anteriormente a Rússia de ações secretas, incluindo a desinformação, para tentar desestabilizar o Ocidente explorando divisões na sociedade.

“A mídia russa na Europa não foi bem sucedida em alcançar o público mais amplo, mas fornece uma plataforma para os populistas anti-UE e polarizar o debate; a análise da UE e de grupos não governamentais tem mostrado.

“O relatório da EEE citou tumultos no final de fevereiro na Ucrânia, uma ex-república soviética que agora busca se juntar à UE e à OTAN, como exemplo das consequências dessa desinformação.”

Ainda segundo a Reuters: “As mensagens de desinformação pró-Kremlin avançam uma narrativa de que o coronavírus é uma criação humana, armada pelo Ocidente”, disse o relatório, citado pela primeira vez pelo Financial Times”.

Lição dos fatos

Diz muito bem a fonte citada pela Reuters, aconselhando aos europeus: ” e apelou aos cidadãos da UE para “terem muito cuidado” e usarem apenas fontes de notícias em que confiam”.

Essa desinformação afeta o Brasil? A quem serve esse sensacionalismo midiático? Seria infantil imaginar que a esquerda está alheia à essa onda.

Foi-se o tempo do “bobo risonho” e do otimismo tolo. Em seu livro Revolução e Contra Revolução o Prof. Plinio mostra que há um processo, uma revolução universal e anticristã cujo objetivo é destruir a Ordem posta por Deus no Universo e implantar a antiOrdem.

Seria, portanto, muita ingenuidade e falta de prudência (sêde prudentes como a serpente) imaginar que as forças do mal, secundadas por uma ação preternatural, não estejam conjugadas para tirar algum proveito dessa pandemia.

O demônio pesca em águas turvas. E a ocasião está propícia para isso. Entretanto, nunca haverá uma tentação maior do que a graça de Deus, recordemos isso e saibamos tirar as lições da hora grave em que vivemos.

Os remédios para o corpo nos são indicados pela Saúde Pública.

Lógica, calma, oração e muita vigilância são os remédios para a alma. Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, proteja essa grande Nação que desponta no século XXI a ser inspiradora de todo o nosso Continente na defesa dos Valores Morais.

 

Fonte: https://www.reuters.com/article/us-health-coronavirus-disinformation/russia-deploying-coronavirus-disinformation-to-sow-panic-in-west-eu-document-says-idUSKBN21518F

 

Deixe uma resposta