As imigrações: um fenômeno espontâneo?

Hordas aterrorizadas produzem uma explosão nas imigrações

Imigrantes da Síria cruzam afronteira da Hungria. (REUTERS/Laszlo Balogh)
Imigrantes da Síria cruzam afronteira da Hungria. (REUTERS/Laszlo Balogh)

Um fato que vem estarrecendo a opinião pública mundial é a explosão do fenômeno das imigrações para a Europa.

Hordas gigantescas abandonam aterrorizadas a Síria, o Iraque e o norte da África buscando condições de existência possíveis. Chama a atenção como o coro das autoridades acabou se afinando a favor da acolhida dessas centenas de milhares de pessoas.

Em princípio a compaixão europeia demonstrada para com os imigrantes é um ato de humanidade. Nem sempre, porém, tais atos, embora simpáticos, são fruto de uma sensata análise do fenômeno. Análise esta que deve legitimar ou não a posição adotada em razão do mero sentimento.

Perguntas pertinentes

Assim sendo, me parece que algumas perguntas precisam ser respondidas para se ter a inteira objetividade dos fatos:

1) Por que os Presidentes de países europeus, tão interessados em receber os imigrantes, não unem suas forças para fazer cessar a causa da imensa emigração e assim normalizar a situação provocada por algo sumamente injusto? Quanto sofrimento se evitaria com tal atitude.

Contudo não se vêm perguntas sérias sobre o que está produzindo tudo isso. Repito, não seria razoável resolver o problema e favorecer a volta de toda essa gente para suas vidas normais em suas Pátrias? Não vi notícias nesse sentido. Pode ser que existam, mas sem efeito concreto.

Todo imigrante cubano interceptado no mar precisa ser enviado a Cuba novamente, pelo acordo assinado com os EUA em 1994.
Todo imigrante cubano interceptado no mar precisa ser enviado a Cuba novamente, pelo acordo assinado com os EUA em 1994. (Fonte: United States Coast Guard.)

2) Por que esse mesmo interesse, essa mesma compaixão dos mandatários e das mídias pelos imigrantes não existe com relação, por exemplo, aos balseiros que desejam emigrar de Cuba? Estranho.

3) Ademais: Como explicar esse imenso esquema montado para viabilizar a saída de tanta gente do norte da África para a Europa, sem que os chefes desses países obstaculizem o movimento emigratório? Normalmente tais chefes colocam barreiras intransponíveis para reter o povo.

Estranha facilitação para a emigração

Ora tudo se passa como se, salva uma ou outra exceção e por cima dos fatos concretos, os interesses dos mandatários carrascos dos países de onde emigram tais populações fossem os mesmos dos Presidentes dos países que as recebem.

Curiosidade sobre a atitude de alguns imigrantes

Mediterrâneo durante uma travessia entre o continente africano e a costa da Itália.
Mediterrâneo durante uma travessia entre o continente africano e a costa da Itália. (Stringer/Italia/ Reuters)

Chama a atenção a imensa prevalência de imigrantes muçulmanos que, antes de serem recebidos de braços abertos pelos europeus (inclusive por membros da Igreja), cumprindo os preceitos de sua crença, matam os cristãos lançando-os ao mar.

Desconfiguração da Europa

A rapidez da injeção de tanta gente, diferente em raça e religião, na Europa, é de molde a modifica-la inteiramente
A rapidez da injeção de tanta gente, diferente em raça e religião, na Europa, é de molde a modifica-la inteiramente

Quando cessará o imenso fenômeno das imigrações? Não sabemos. O que sabemos é que a rapidez da injeção de tanta gente, diferente em raça e religião, na Europa, ela sim católica em sua grande maioria, é de molde a modifica-la inteiramente.

Dizia Plinio Corrêa de Oliveira, que a Europa é a fisionomia do mundo. Sua fé católica a modelou de tal modo que a tornou a parte mais bela do planeta. Desfigurar a face de alguém é desfigurar o que de mais nobre tem uma pessoa. Desfigurar a Europa é, portanto, desfigurar o mundo. É o que estamos presenciando.