Uma situação modesta. Trata-se de um soldado, veterano de guerra, do exército inglês.

Mas esta situação modesta tem suas glórias. O mérito de uma existência inteira transcorrida no serviço da pátria, e num serviço que tem a peculiaridade de ser luta. Luta cheia de riscos, que comportam o sacrifício da saúde e até da vida.

Todas estas glórias se refletem no traje, modelado por uma longa tradição para ser o símbolo dos altos valores morais que uma carreira militar, ainda que modesta, contém em si.

As medalhas lembram serviços, e perigos enfrentados em prol da Inglaterra. Os galões indicam uma graduação que, se bem que inferior merece ser assinalada. O tecido excelente da farda, seus belos botões, seu corte distinto exprimem quanto a sociedade reconhece e admira esta modesta situação. O tricórnio solene e elegante acentua esta impressão. Assim apresentado, o personagem se sente digno, calmo e feliz. Seu olhar e seu porte exprimem o hábito em que está, de ser respeitado. A fisionomia tem algo de sobranceiro, que a venerabilidade da barba alva ainda marca mais. A considerar o rosto, pensa-se vagamente em Jorge V. E de fato este modesto militar é, no fundo, uma minúscula imagem do Rei.

* * *

Um chefe de Estado, déspota temido e incontrastável de todas as Rússias. Cabelo desgrenhado, bigodeira vulgar, face grosseira e brutal, gesto impetuoso e violento, traje carente de qualquer elevação ou distinção. Nada o diferencia de um servo, de um desses servos que modelaram sua alma na freqüentação dos botequins, e são botequineiros em todas as camadas mentais ou físicas seu ser.

Nada, nele, indica qualquer coisa de elevado, nada exprime a grandeza e a dignidade do poder supremo. Ou, mais simplesmente, a grandeza e a dignidade de um homem correto.

* * *

Modesto soldado, elevado a uma situação que é a miniatura de um Rei: beneficiário feliz de uma civilização que foi outrora católica, e em cuja alma está o instinto de tudo elevar e engrandecer.

Poderoso ditador, rebaixado, como apresentação e como pessoa, ao nível do último servidor: símbolo de uma ordem de coisas satânica, que por adoração à igualdade tem por instinto rebaixar e degradar tudo!

 
COMPARTILHAR
Artigo anteriorIgualitarismo — vulgaridade
Próximo artigo“É aqui mesmo!”
Plinio Corrêa de Oliveira
Homem de fé, de pensamento, de luta e de ação, Plinio Corrêa de Oliveira (1908-1995) foi o fundador da TFP brasileira. Nele se inspiraram diversas organizações em dezenas de países, nos cinco continentes, principalmente as Associações em Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), que formam hoje a mais vasta rede de associações de inspiração católica dedicadas a combater o processo revolucionário que investe contra a Civilização Cristã. Ao longo de quase todo o século XX, Plinio Corrêa de Oliveira defendeu o Papado, a Igreja e o Ocidente Cristão contra os totalitarismos nazista e comunista, contra a influência deletéria do "american way of life", contra o processo de "autodemolição" da Igreja e tantas outras tentativas de destruição da Civilização Cristã. Considerado um dos maiores pensadores católicos da atualidade, foi descrito pelo renomado professor italiano Roberto de Mattei como o "Cruzado do Século XX".

4 COMENTÁRIOS

  1. Que sábio ensinamento nesta serie,AMBIENTES COSTUMES E CIVILIZAÇÕES,DO SR. DR. PLÍNIO CORRÊA DE OLIVEIRA.Ele nos ensina à amar verdadeiramente a Civilização Cristã,que muito pouco resta para vermos nos dias atuais.É um exercício de amor de Deus, criador de tudo que existe, e devemos procurar a perfeição em tudo que fazemos,por uma questão de amor de Deus.Para mim,é um exercício espiritual,estas comparações,por ser Revolução e Contra Revolução,a diferença profunda entre o BEM E O MAL.

     
  2. Parabéns pela publicação deste artigo, cuja análise aparentemente simples é cheia de sabedoria, própria a fazer vibrar nossas melhores potencialidades de alma em defesa de valores que nunca morreram e não morrerão, apesar de Stalin e gente de sua laia.

     
  3. Texto belo e pungente. Distinguindo perfeitamente quem é quem, está à altura de emocionar os mais bravos e honrados reis e soldados.

     
  4. Oportuna e excelente mensagem de comparações da sanidade e da insanidade para despertar
    a consciência das gerações presentes,hoje, sob a anestesia da comunicação instantânea sem exigência
    de perceber, pensar, refletir , emocionar e reagir.
    A frágil sociedade, desde de tenra idade , vai se habituando a viver de confortos, de erotismo e prazeres, turvada em seu destino pelo ambiente político e intelectual envolvido na dialética de esquerda e direita, esquecendo a do que está EM CIMA e em baixo.
    Assim caminha a humanidade…e que não esqueçam, DEUS não abandonou a sua criação.
    Ney de Araripe Sucupira

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome