Prisioneiros chineses são obrigados a jogar videogames até desmaiarem, a fim de angariar dinheiro para o regime, denunciou o diário britânico “The Guardian”.

No Ocidente, o jogador acredita que está jogando com outro cidadão que procura entretenimento. Na realidade, por trás do nome fictício há um escravo submetido às violências dos carcereiros.

Os carcereiros constrangem os presos a jogar videogames como World of Warcraft (WoW) ou EverQuest, subir de nível e ganhar dinheiro.

Pagar para subir de nível, obter novos poderes para um persornagem ou comprar um “avatar”, gerou a prática do ‘gold farming’, segundo informa o diário de Madri “El Mundo”. Trata-se da acumulação de crédito em forma de pontos, personagens novos ou outras vantagens visando vendê-las à vista.

“El Mundo” acrescenta que práticas desse gênero, de exploração de pessoas em condições deploráveis ou em regime de escravidão, estão ficando freqüentes na Ásia.

“The Guardian” narra o caso de Liu Dali, prisioneiro numa mina de carvão chinesa. Seu crime foi denunciar um caso de corrupção no sistema carcerário socialista.

Tinha que trabalhar durante o dia na produção manual, e à noite “tinha que matar demônios, lutar contra anões e lançar feitiços” em videojogos.

Liu Dali diz que os carcereiros faziam mais dinheiro com o ‘gold farming’ dos videojogos que com a produção dos trabalhos forçados.

Os escravos chineses que não cumpriam a quota sofriam surras e torturas físicas por parte dos carcereiros.

“Ficávamos jogando até não conseguirmos enxergar mais”, disse Liu Dali em estarrecedor relato.

Que contas prestarão a Deus aqueles que por um prazer passageiro contribuíram para manter esse cruel sistema de exploração de seres humanos?

12 COMENTÁRIOS

  1. Marcio Magagna,

    Não se resolve impunidade com Agentes do Estado praticando outros crimes contra criminosos, que estão sob a tutela estatal.
    Parece que você não entendeu que, os criminosos em questão, na China, são obrigados por carcereiros a jogarem games, cujos lucros são para os carcereiros, isto é, para fins pessoais de agentes corruptos. Não tem nada de ressocialização ou dividendos para o Estado.
    – VOCÊ conhece a história verídica dos transplantes clandestinos de órgãos na China, cujos órgãos de presos condenados à morte são comercializados(TRAFICADOS) no mercado negro para receptores do Ocidente?
    Ora, se em uma democracia temos graves erros judiciais, imagine quantos inocentes já foram mortos na China só para terem seus órgãos comercializados no mercado negro?

    FONTE:
    http://oglobo.globo.com/mundo/china-vai-parar-de-usar-orgaos-de-presos-executados-em-transplantes-6620991

  2. É bom q os cristãos não comprem produtos da China. Primeiro, porque tais produtos entram aqui com preços ínfimos e q levam a indústrias brasileiras à falência. Segundo, para não premiar quem não tem leis trabalhistas, nem direito a greve, nem impostos escorchantes sobre produtos exportados. Mas uma coisa é certa: os ‘comunas’ daqui vão comprá-los, mesmo sabendo do nosso prejuízo.

  3. Ao Sr. Marcio: você diz oxala o Brasil tome orumo da China, pois bem, está valendo a nova reforma do Código de Processo Penal e segundo os jornais 200 mil presos terão o direito de sair da cadeia – presos que cometeram o crime de roubar, por exemplo,que é pecado de acordocomas leis de Deus. Mas quando a lei de homofobia for aprovada os cristãos verdadeiros que disserem que homossexualismo é pecado responderão a processo e não terão os mesmos beneficios de quem rouba.

  4. Caro Sr Marcio . Para compreender bem como as pessoas vão para cadeia na China recomendo o livro” Em três carceres comunistas”. Conta a prisão de um padre que foi colocado preso para ser “reeducado”ou seja enquanto ele não renunciasse a doutrina Católica ele era considerado inimigo do povo e portanto “malfeitor”. O relato é incrível procure o livro e leia. @Marcio Magagna

  5. @Marcio Magagna
    Não se esqueça que a China é um país comunista e num país comunista denunciar a corrupção do governo , ou denunciar que o leite foi contaminado por tóxicos já é um crime passível de cadeia. Isso já foi mostrado várias vezes nesse site

  6. O autor começa “prisioneiros” depois passa a tratá-los de escravos. Pelo que sei as leis chinesas são severas com criminosos e a julgar pelo primeiro tratamento e fotos, trata´se de cadeias. Ninguém vai pra cadeia à toa. Principalmente lá. Oxalá a impunidade no Brasil tome exemplos desse país! Entendo que os jogos são um castigo a mais a quem infligiu a Lei. Admiro o autor tentar lçevar nossa impunidade para lá. Será que ele consegue?

  7. Hum, Teodoro Alves você acaba de me alertar, para algo que eu não havia pensado antes, não quero mais comprar qualquer coisa que seja ‘made in china’, é, vou ver isso seriamente, vou conversar c/minha irmã, minha família aqui sobre isso, eu não quero ser cúmplice de crimes hediondos, sujar as mãos e pecar contra Deus, por causa do ‘ter’, prefiro renunciar, imagino que não será fácil, pois quase tudo é ‘made in china’ hoje em dia, e o preço é muito muito menor… renúncia, por amor ao próximo, contra os criminosos, por fidelidade e amor a Deus. Se Nosso Senhor Jesus Cristo morreu por nós, por que não podemos renunciar às nossa vaidades do ‘ter’, nossa gana pelo ‘conforto’ ? e até à própria vida temos que renunciar qdo preciso for, por Jesus, pelo próximo.

  8. Infelizmente, todos nós do ocidente somos responsáveis pelo destino de mais de um bilhão e meio de almas. Basta comprar uma quinquilharia chinesa que nos é imposta pela política dos ditos amantes amantes da liberdade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome