Lições da História: o “impossível” foi derrotado, venceu a Vida nos EUA

0

Quantas vezes na História a causa do bem pareceu definitivamente vencida. Porém, aos homens de Fé, sempre poderá ser revertida alguma vitória efêmera dos maus. Foi assim que uma minoria de brancos, negros e índios derrotou a poderosa Holanda, na Insurreição Pernambucana.

A reversão do aborto nos EUA (2022) e a expulsão dos holandeses (1648) – o “impossível” foi derrotado

Após a batalha final, dos Montes Guararapes (1648), onde os holandeses sofreram uma derrota irreparável, o “general holandês Sigismundo Van Schkoppe aconselhou à Companhia das índias Ocidentais a desistir do propósito de dominar o Brasil, pois que em dez meses haviam perdido 5 mil pessoas, em apenas duas bata­lhas.https://ipco.org.br/a-reconquista-do-brasil-insurreicao-pernambucana-derrota-o-poderio-holandes-iv/. O domínio holandês que se iniciou em 1630 estava definitivamente vencido pela perseverança, tenacidade e Fé de nossos gloriosos antecessores no Pernambuco.

***

Passemos a um assunto atualíssimo, à reversão do aborto pela Suprema Corte americana [não é um direito constitucional], à aplicação às novas batalhas dos conservadores e à Marcha pela Vida em Washington 2023.

TFP americana comemora derrota do aborto

“Nesta 50ª marcha anual pela vida em Washington, DC, a Sociedade Americana para a Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP) comemora a anulação da infame decisão Roe v. Wade com todas as multidões pró-vida em todo o país.” [Encheu de alegria o movimento pró Vida em todo o Orbe]

“Depois de tantos anos de marcha [pela vida], temos a alegria de ver o impossível se tornar possível. Deus abençoou nossos esforços e esse primeiro objetivo foi alcançado. A decisão de Dobbs [da Suprema Corte] energizou o movimento pró-vida e desmoralizou os pró-aborto em todo o mundo.

“A derrota de Roe foi um grande passo à frente. No entanto, foi apenas um passo – muitos mais são necessários se a América quiser ser livre do aborto e retornar a uma ordem moral.”

[Bem exatamente do que se trata, um retorno aos Valores Morais, o esteio de uma Nação]

A primeira lição é a prova inegável de que coisas consideradas impossíveis podem ser feitas. Os esforços e, principalmente, as orações provaram que com Deus tudo é possível. Não devemos duvidar de que se Roe foi derrubado, então todos os abortos provocados podem ser eliminados em nossos tempos.

“De fato, a anulação de Roe v. Wade mostrou que nenhuma regra humana é lei “estabelecida”. Em relação ao aborto, apenas uma lei nunca pode ser alterada. Diz: “Não matarás”.

A segunda lição é que o adversário é vulnerável e fraco. O lado pró-aborto ainda tem uma vantagem esmagadora em termos de dinheiro, mídia e apoio do establishment. Sua mídia faz todo o possível para promover as narrativas dominantes, porém falsas, de “liberdade reprodutiva” e “direitos das mulheres”. No entanto, essas vantagens foram apagadas pela hediondez do aborto que os pró-aborto tentam tanto esconder. Os velhos ativistas pró-aborto não conseguiram atrair novos recrutas radicais suficientes para sua causa. A decisão de Dobbs mostrou a fraqueza do establishment pró-aborto quando confrontado por um adversário ardente e dedicado.

Uma lição final mostra que perseverança e tenacidade são vitais para esta luta. A trágica decisão do SCOTUS de 1973 [que desencadeou a onda pró aborto nos EUA e no mundo] pretendia resolver definitivamente a questão do aborto, com a expectativa de que a resistência desaparecesse. A maioria achava que o aborto seria gradualmente aceito, como aconteceu em muitos países europeus.”

Viramos a maré: o problema do aborto é moral

Continua o artigo da TFP americana: “No entanto, os esforços persistentes e as orações das forças pró-vida (principalmente mulheres) viraram a maré. O movimento mudou os termos do debate de uma questão de saúde da mulher para um dilema moral. Inúmeras pessoas mudaram de ideia. O movimento pró-vida reúne centenas de milhares de manifestantes (muitos deles jovens) na capital do país anualmente na Marcha pela Vida. Mobiliza ativistas em todo o país. Este vibrante modelo americano inspira pró-vida em todo o mundo.”

“Em todos os campos, os pró-vida superaram a esquerda complacente, de modo que, após 49 anos, Roe v. Wade foi devidamente enviado para a lixeira da história. Na cabeça de inúmeros pró-aborto, há a sensação de uma derrota inimaginável.”

Pró-vida 2.0: insistir na derrota da revolução sexual

Continua o artigo, entrando já nas próximas batalhas pelos Valores Morais: “A próxima fase da luta pró-vida propõe outra tarefa “impossível” que orações e esforços devem tornar possível novamente. Consiste em atacar implacavelmente a causa raiz do aborto – a revolução sexual.

Como explica o Prof. Plinio em Revolução e Contra-Revolução o processo de deterioração do Ocidente caminha de etapa em etapa: “

É que as paixões desordenadas, indo num crescendo análogo ao que produz a aceleração na
lei da gravidade, e alimentando-se de suas próprias obras, acarretam conseqüências que, por sua
vez, se desenvolvem segundo intensidade proporcional. E, na mesma progressão, os erros geram
erros, e as revoluções abrem caminho umas para as outras.

“Este evento revolucionário [a IV Revolução] virou a moralidade americana de cabeça para baixo e preparou o terreno para a infame decisão de 1973 sobre o aborto. Criou uma destruição social apocalíptica ao eliminar brutalmente as consequências do ato sexual — matar o bebê americano ainda não nascido e indesejado. Assim, as comportas para todos os tipos de sensualidade e desvio sexual foram abertas.

“Enquanto esses portões permanecerem abertos, o aborto voluntário não será derrotado. Não basta bombear a água de um navio que está afundando rapidamente. Devemos tapar os buracos que permitem a entrada da água do mar. Esses buracos são as devastações da revolução sexual.”

Ou seja, mais uma vez, o convite ao retorno aos Valores Morais que construíram a civilização do Ocidente cristão.

Continua o artigo: “O movimento pró-vida deve tomar a ofensiva nas grandes guerras culturais que ainda assolam os Estados Unidos. Não se trata de abandonar a questão do aborto, mas apenas de ampliar seu alcance. A causa dos nascituros da América se encaixa naturalmente com uma visão de mundo moral expansiva para se opor à do adversário.”

***

Conclui com acerto o artigo da TFP americana: a questão do aborto se insere numa luta global da esquerda contra a civilização cristã. Trata-se de rotornar à “casa paterna” como o fez o filho pródigo relatado nos Evangelhos (Lucas 15:11-32).

O Ocidente precisa voltar à casa paterna que é a Santa Igreja Lucas 15:11-32

E a tremenda deterioração moral de que padece a sociedade está servindo de ocasião à Providência Divina para nos convidar à contrição, à emenda de vida. Não foi exatamente essa a Mensagem de Nossa Senhora em Fátima?

Saudamos, portanto, com muita esperança a retomada dos terços públicos pelo Brasil afora. Joelhos em terra, peçamos à Santíssima Virgem que as ameaças que rondam em torno de nós, sejam no campo espiritual sejam no campo temporal sejam afastadas e venha o triunfo do Imaculado Coração de Maria.

As três lições de perseverança, tenacidade e Fé são um convite tão oportuno e acertado que nos faz a TFP americana, válido para os EUA, válido para o Brasil e para todo o continente americano.

Conclusão

Que lhe parece leitor, esse trecho como conclusão do artigo? É uma aplicação da parábola do filho pródigo à Humanidade, principalmente ao Ocidente.

“Deus, embora não as prive jamais da graça suficiente, espera, não raramente, que essas almas cheguem ao mais fundo da miséria, para lhes fazer ver de uma só vez, como num fulgurante “flash”, a enormidade de seus erros e de seus pecados. Foi quando desceu a ponto de querer se alimentar das bolotas dos porcos que o filho pródigo caiu em si e voltou à casa paterna.”

“Ora, toda a humanidade se encontra na iminência de uma catástrofe, e nisto parece estar precisamente a grande ocasião preparada pela misericórdia de Deus. Uns e outros – os da velocidade rápida ou lenta – neste terrível crepúsculo em que vivemos, podem abrir os olhos e converter-se a Deus.
“O contra-revolucionário deve, pois, aproveitar zelosamente o tremendo espetáculo de nossas trevas para – sem demagogia, sem exagero, mas também sem fraqueza – fazer compreender aos filhos da Revolução a linguagem dos fatos, e assim produzir neles o “flash” salvador. Apontar varonilmente os perigos de nossa situação é traço essencial de uma ação autenticamente contrarevolucionária.” https://www.pliniocorreadeoliveira.info/RCR01.pdf

***

Saibamos ser apóstolos da grande restauração moral e religiosa de que carece o nosso Brasil em 2023.

Nossa Senhora Aparecida nos dê forças, nos ilumine, nos guarde e restaure a civilização cristã nessa tão amada Terra de Santa Cruz.

Fonte: https://www.tfp.org/moving-forward-to-the-next-phase-in-the-pro-life-crusade/

Deixe uma resposta